Sífilis congênita: características epidemiológicas do binômio mãe/filho atendidos em um hospital público de ensino

Lorena Araújo Nasciutti, Rayana Beatriz Silva de Vasconcelos, Bruna Batista Oliveira Rocha, Divanice Contim, Jesislei Bonolo do Amaral

Resumo


O presente estudo teve como objetivo identificar os casos de Sífilis Congênita e caracterizar as mães e os recém-nascidos no período de janeiro de 2010 a dezembro de 2015, realizado em 2016. Estudo descritivo, retrospectivo, com dados do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro de Uberaba-MG. Identificou-se 70 casos de sífilis congênita. As mães com idade entre 20 a 29 anos (51,3%), com baixa escolaridade (48,6%), solteiras (48,6%), diagnosticadas no pré-natal (70%), sendo o tratamento inadequado ou inexistente (80%). Os recém-nascidos eram do sexo masculino (54,3%), com idade gestacional média de 37 semanas, eram sintomáticos (51,4%), foram tratados (97,3%) e receberam alta hospitalar (95,4%). O número de casos elevou-se de 5,7% em 2010 para 58,6% em 2014. Os achados desse estudo são relevantes à medida que evidencia um aumento significante de casos de sífilis congênita, alta taxa de tratamento inadequado das gestantes e não adesão do parceiro ao mesmo, em especial por déficit na atenção primária à saúde.


Palavras-chave


Sífilis; Sífilis congênita; Cuidado pré-natal; Epidemiologia descritiva

Referências


Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e hepatites virais. Boletim epidemiológico de sífilis. 2015; 4(1):1-32.

Magalhaes DM, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad Saúde Pública. 2013; 29(6):1109-20.

Costa CC, Freitas LV, Sousa DMN, Oliveira LL, Chagas ACMA, Lopes MVO, et al. Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(1):152-9.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e hepatites virais. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatites virais. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2015. 142p.

Pan American Health Organization. Elimination of motherto-child transmission of HIV and syphilis in the Americas. Washington: PAHO; 2014.

Secretaria Municipal de Saúde (Uberaba, Minas Gerais). Boletim Epidemiológico: 2015. Uberaba: Secretaria Municipal de Saúde; 2015.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012. 318p.

Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical de sífilis: dados do estudo nascer no Brasil. Cad Saúde Pública. 2016; 32(6):1-12.

Alzate-Granados JP, Sánchez-Bello NF, Amaya-Arias AC, Peralta-Pizza F, Eslava-Schmalbach J. Disparidades en la incidencia de sífilis congénita en Colombia 2005 a 2011: Un estudio ecológico. Rev Salud Publica. 2012; 14(6):965-77

Ortiz-Lopez N, Diez M, Diaz O, Simon F, Diaz A. Epidemiological surveillance of congenital syphilis in Spain, 2000–2010. Pediatr infect Dis J. 2012; 31(9):988-90.

Hong FC, Yang YZ, Liu XL, Feng TJ, Liu JB, Zhang CL, et al. Reduction in mother-to-child transmission of syphilis for 10 years in Shenzhen, China. Sex Transm Dis. 2014; 41(3):188-93.

Simms I, Tookey PA, Goh BT, Lyall H, Evans B, Townsend CL, et al. The incidence of congenital syphilis in the United Kingdom: February 2010 to January 2015. BJOG [Internet]. 2016 [citado 2018 ago 23]; 67(2):[cerca de 6 p.]. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/1471-0528.13950/pdf

Peterman TA, Su J, Bernstein KT, Weinstock H. Syphilis in the United States: on the rise? [special report]. Expert Rev Anti Infect Ther. 2015; 13(2):161-8.

Brooks LC, Davis DW, Torrone EA, Weinstock HS, Kamb ML. Congenital syphilis: trends in mortality and morbidity in the United States, 1999 through 2013. Am J Obstet Gynecol. [Internet]. 2016 [citado 2018 ago 23]; 214(3):381.e1-9. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0002937815012703?via%3Dihub

Nonato SM, Melo APS, Guimarães ADC. Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte-MG, 2010 – 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24(4):681-94.

Almeida PD, Filho ACAA, Araújo AKL, Carvalho ML, Silva MGP, Araújo TME. Análise epidemiológica da sífilis congênita no Piaui. Rev Interdisciplin. 2015; 8(1):62-70.

Melo NGDO, Melo Filho DA, Ferreira LOC. Diferenciais intraurbanos de sífilis congênita no Recife, Pernambuco, Brasil (2004-2006). Epidemiol Serv Saúde. 2011; 20(2):213-22.

Vidal SA, Samico IC, Prias PG, Hartz ZMA. Na exploratory study of the costs and consequences of prenatal care in the Family Health Program. Rev Saúde Pública. 2011; 45(3):467-74.

Organización Panamericana de la Salud. Recomendaciones técnicas para la elaboración de protocolos para estúdios de pravalencia de sífilis y VIH en parturientas y/o puérperas. Montevideo: CLAp/SMR; 2011.

França ISX, Batista JDL, Coura AS, Oliveira CF, Araújo AKF, Sousa FS. Fatores associados à notificação da sífilis congênita: um indicador de qualidade da assistência pré-natal. Rev Rene. 2015; 16(3):374-81.

Teixeira MA, Santos PP, Araújo RT, Santos PN, Souza AGJ. Perfil epidemiológico e sociodemográfico das crianças infectadas por sífilis congênita. Rev Saúde Com. 2015; 11(4): 371-81.

Carvalho IS, Brito RS. Sífilis congênita no Rio Grande do Norte: estudo descritivo do período 2007-2010. Epidemiol Serv Saúde. 2014; 23(2):287-94.

Holanda MTCG, Barreto MA, Machado KMM, Pereira RC. Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Município do Natal, Rio Grande do Norte – 2004-2007. Epidemiol Serv Saúde. 2011; 20(2):203-12.

Cooper JM, Michelow IC, Wozniak PS, Sánchez PJ. Em tempo: a persistência da sífilis congênita no Brasil – mais avanços são necessários!. Rev Paul Pediatr. 2016; 34(3):251-53.

Chinazzo LK, Leon CA. Perfil clínico e epidemiológico da sífilis congênita na unidade de internação de um hospital universitário. Bol Cient Pediatr. 2015; 4(3):65-9.

Lafeta KRG, Martelli Júnior H, Silveira MF, Paranaíba LMR. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev Bras Epidemiol. 2016; 19(1):63-76.

Carvalho PMG, Vieira IA, Oliveira NECO, Almeida TS. Casos de sífilis congênita em uma maternidade pública no estado do Piauí. Rev Interdisciplin. 2015; 8(4):82-92.

Rojas MM, Dias RM, Araújo EC. Dez anos de sífilis congênita em maternidade de referência na Amazônia brasileira. Rev Para Med. 2015; 29(1):7-10.

Cavalcante PAM, Pereira RBL, Castro JGD. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol Serv Saúde. 2017; 26(2):255-64.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i2.3383

Apontamentos

  • Não há apontamentos.