Habilidades empáticas na consulta de enfermagem ao cliente com doença cardiovascular: uma revisão integrativa

Diego da Silva Moreira, Celia Caldeira Fonseca Kestenberg, Priscila Cristina da Silva Thiengo, Alexandre Vicente da Silva, Elizabeth Rose Costa Martins

Resumo


O objetivo deste estudo é descrever as contribuições dos estudos científicos sobre consulta de enfermagem em nível ambulatorial, valorizando as habilidades empáticas, em clientes com doença cardiovascular. Foi realizada uma revisão integrativa com busca nas bases de dados da Biblioteca Virtual de Saúde em março de 2017, considerando o período de 2012 a 2016, sendo selecionados 15 artigos que deram origem a duas categorias: a Consulta de Enfermagem; e a avaliação dos clientes sobre as práticas do enfermeiro na Consulta de Enfermagem. Encontrou-se como resultados que a consulta de enfermagem deve ultrapassar os limites da orientação, proporcionando um real momento de sua transformação. Também que as habilidades empáticas como compaixão, escuta ativa e acolhedora, e a compreensão dos agravos à saúde, são fundamentais na construção da relação de confiança e na manutenção do vínculo terapêutico. Para tal, é fundamental que o profissional possua a compreensão abrangente das condições cardiovasculares, para implementar medidas efetivas. Destaca-se a necessidade de o enfermeiro atuar pensando no sujeito em todos os seus aspectos. Para isso, precisa possuir e ou desenvolver habilidades.


Palavras-chave


Assistência Ambulatorial, Enfermagem cardiovascular; Empatia

Referências


Andrade JS, Vieira MJ. Prática assistencial de enfermagem: problemas, perspectivas e necessidade de sistematização. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2005[citado em 20 out 2017]; 58 (3):261-5. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v58n3/a02v58n3.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672005000300002

Ministério da Saúde (Br). Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Araújo-Girão AL, Martins OGY, Gomes EB, Parente-Arruda L, Aires de Freitas CH. A interação no ensino clínico de enfermagem: reflexos no cuidado à pessoa com hipertensão arterial. Rev Salud Pública [Internet]. 2015 [citado em 20 out 2017]; 17(1): 47-60. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/rsap/v17n1/v17n1a05.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.15446/rsap.v17n1.47789

Conselho Federal de Enfermagem (Br). Resolução n. 311 de 08 de fevereiro de 2007. Aprova a Reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem [Internet]. Brasília, DF: COFEN; 2007 [citado em 20 out 2017]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3112007_4345.html

Mansur AP, Favarato D. Tendências da Taxa de mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil, 1980-2012. Arq Bras Cardiol. [Internet]. 2016 [citado em 25 out 2017]; 107(1):20-5. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/2016nahead/pt_0066-782X-abc-20160077.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro: IBGE; 2014. 180p.

Siqueira ASE, Siqueira-Filho AG, Land MGP. Análise do impacto econômico das doenças cardiovasculares nos últimos cinco anos no Brasil. Arq Bras Cardiol. [Internet]. 2017 [citado 25 out 2017]; 109(1):39-46. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/v109n1/pt_0066-782X-abc-20170068.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.5935/abc.20170068

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto & Enferm. [Internet]. 2008 [citado 25 out 2017]; 17(4):758-64. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Conselho Federal de Enfermagem (Br). Lei n. 7498 de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício de enfermagem, e dá outras providências [Internet]. Brasília, DF: COFEN; 1986 [citado em 20 out 2017]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/lei-n-749886-de-25-de-junho-de-1986_4161.html

Conselho Federal de Enfermagem (Br). Resolução n. 358 de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências [Internet]. Brasília, DF: COFEN; 2009 [citado em 20 out 2017]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html

Macêdo SM, Sena MCS, Miranda KCL. Consulta de enfermagem ao paciente com HIV: perspectivas e desafios sob a ótica de enfermeiros. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2013 [citado em 26 out 2017]; 66(2):196-201. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v66n2/07.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000200007

Andersson EK, Sjöström‐Strand A, Willman A, Borglin G. Registered nurses views of caring in coronary care–a deductive and inductive content analysis. J Clin Nurs. 2015; 24(23-24):3481-93.

Amorim TV, Arreguy-Sena C, Alves MS, Salimena AMO. Cuidado sistematizado em pré-operatório cardíaco: teoria do cuidado transpessoal na perspectiva de enfermeiros e usuários. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 27 out 2017]; 67(4):568-74. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n4/0034-7167-reben-67-04-0568.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2014670411

Komatsu K, Yagasaki K. The power of nursing: guiding patients through a journey of uncertainty. Eur J Oncol Nurs. 2014; 18(4):419-24.

Kestenberg CCF. A habilidade empática é socialmente aprendida: um estudo experimental com graduando de enfermagem. Rev Enferm UERJ. 2013; 21(4):427-33.

Ávila RF, Morais D, Bomfim AJ, Chagas MHN. Empatia e reconhecimento de expressões faciais de emoções básicas e complexas em estudantes de medicina. J Bras Psiquiatr. [Internet]. 2016 [citado em 27 out 2017]; 65(3):209-14. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v65n3/0047-2085-jbpsiq-65-3-0209.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0047-2085000000126

Fish S, Shelly JA. Cuidado espiritual do paciente. São Paulo: Umhe;1986. 190p.

World Health Organization. Global status report on non communicable diseases 2010. Geneva: World Health Organization; 2011. 176p.

Hendriks JM, Wit RCHJ, Vrijhoef HJ, Prins MH, Pisters R, Tieleman RG. Nurse-led care vs usual care for patients with atrial fibrillation: results of a randomized trial of integrated chronic care vs routine clinical care in ambulatory patients with atrial fibrillation. Eur Heart J. 2012; 33(21):2692-9.

Cooper J, Zimmerman W. The evaluation of a regional faith community network's million hearts program. Public Health Nurs. 2016; 33(1):53-64.

García D, Bautista O, Venereo L, Coll O, Vassena R, Vernaeve V. Training in empathic skills improves the patient-physician relationship during the first consultation in a fertility clinic. Fertil Steril. 2013; 99(5):1413-8.e1.

Oterhals K, Deaton C, De Geest S, Jaarsma T, Lenzen M, Moons P, et al. European cardiac nurses' current practice and knowledge on anticoagulation therapy. Eur J Cardiovasc Nurs. 2014; 13(3):261-9.

Albarran JW, Jones I, Lockyer L, Manns S, Cox H, Thompson DR. Patients' perspectives on the educational preparation of cardiac nurses. Eur J Cardiovasc Nurs. [Internet]. 2014 [citado em 27 out 2017]; 13(5):451-8. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/1474515113507166 DOI: http://dx.doi.org/10.1177/1474515113507166

Larsen JH, Neighbour R. Five cards: a simple guide to beginning the consultation. Br J Gen Pract. 2014; 64(620):150-1.

Torney AM, Alligood MR. Teóricas de enfermagem e sua obra (modelos e teorias de enfermagem). 5ed. Loures, PT: Lusociência Editora; 2004. 766p.

Jorstad HT, Von Birgelen C, Alings AM, Liem A, Van Dantzig JM, Jaarsma W, et al. Effect of a nurse-coordinated prevention programme on Joint ESC Guidelines 2381j cardiovascular risk after an acute coronary syndrome: main results of the RESPONSE randomised trial. Heart. 2013; 99(19):1421-30.

Smith CE, Piamjariyakul U, Dalton KM, Russell C, Wick J, Ellerbeck EF. Nurse-led multidisciplinary heart failure group clinic appointments: methods, materials and outcomes used in the clinical trial. J Cardiovasc Nurs. 2015; 30(4):25-34.

Bala SV, Samuelsson K, Hagell P, Svensson B, Fridlund B, Hesselgard K. The experience of care at nurse-led rheumatology clinics. Musculoskeletal Care. 2012; 10(4):202–11.

Ferguson C, Inglis SC, Newton, PJ, Middleton S, Macdonald PS, Davidson PM. Education and practice gaps on atrial fibrillation and anticoagulation: a survey of cardiovascular nurses. BMC Med Educ. 2016; 16(1):9-18.

Jesus MCP, Figueiredo MAG, Santos SMR, Amaral AMM, Rocha LO, Thiollent MJM. Educação permanente em enfermagem em um hospital universitário. Rev Esc Enf USP. 2011; 45(5): 1229-36.

Bessa ATTD, Mesquita MGDR, Stipp MAC. Saúde do homem e doença cardiovascular: gerenciamento do cuidado de enfermagem em nível ambulatorial. Rev Pesqui Cuid Fundam. [Internet]. 2016 [citado em 27 out 2017]; 8(3):4766-72. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5057/505754106017.pdf DOI: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=505754106017




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i2.3391

Apontamentos

  • Não há apontamentos.