Recepção de ingressantes universitários: experiência construtivista relacional de discentes de enfermagem para integração

Iasmim de Lima Torres, Sarah Mota de Sousa, Marina Pereira Rezende

Resumo


Este artigo tem como objetivo relatar a experiência sobre a integração de discentes de Enfermagem para recepção e acolhimento de ingressantes no curso. Buscou-se descrever como os discentes de enfermagem participantes do Programa de Educação Tutorial (PET) desenvolvem suas atividades para a integração dos novos ingressantes, tendo como referencial teórico metodológico o construtivismo relacional. Essa compreensão teórica considera que a aprendizagem é um processo que procura instigar a curiosidade, onde o discente é levado a encontrar as respostas a partir de seus próprios conhecimentos e de sua interação com a realidade e com os colegas. O principal resultado relaciona-se ao Projeto “Amigos do PET”, que integra iniciativas como: recepção e seminários para integração; discussão de livros e filmes; orientações sobre como participar em projetos de extensão e pesquisas. De modo geral, essa atividade proporciona profunda interação dos discentes entre si, e aproximação dos discentes de Enfermagem com as ações desenvolvidas no Programa de Educação Tutorial.


Palavras-chave


Adaptação; Ajustamento social; Estudantes de enfermagem; Universidades

Referências


Cunha SM, Carrilho DM. O processo de adaptação ao ensino superior e o rendimento discente. Psicol Esc Educ. 2005; 9(2):215-24.

Zluhan MR, Raitz TR. Um estudo com jovens: transição do ensino médio ao ensino superior. In: X Anped Sul; 26-29 out 2014; Florianópolis. Florianópolis: UDESC; 2014. p. 1-21.

Teixeira MAP, Dias ACG, Wottrich SH, Oliveira AM. Adaptação à universidade em jovens calouros. Psicol Esc Educ. 2008; 12(1):185-202.

Gottlieb BH, Still E, Newby-Clark IR. Types and precipitants of growth and decline in emerging adulthood. J Adolesc Res. 2007; 22(2):132-55.

Diniz AM, Almeida LS. Adaptação à universidade em estudantes do primeiro ano: estudo diacrónico da interacção entre o relacionamento com pares, o bem-estar pessoal e o equilíbrio emocional. Anál Psicol. 2006; 1(24):29-38.

Bardagi MP, Hutz CS. “Não havia outra saída”: percepções de discentes evadidos sobre o abandono do curso superior. Psico USF. 2009; 14(1):95-105.

Fior CA, Mercuri E. Formação universitária: o impacto das atividades não obrigatórias nas mudanças pessoais dos estudantes. In: Mercury E, Polydoro SAJ. Estudante universitário: características e experiências de formação. Taubaté, SP: Cabral Universitária; 2004. p. 129-153.

Kuh GD, Hu S. The effects of student-faculty interaction in the 1990s. Rev High Ed. 2001; 24(3):309-32.

Gonçalves NG. Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão: um princípio necessário. Perspectiva (Florianópolis). 2015; 33(3):1229-56.

Rosin SM, Gonçalves ACA, Hidalgo MM. Programa de Educação Tutorial: lutas e conquistas. Rev Coming. 2017; 2(1):70-9.

Ferreira CB. A abordagem construcionista relacional: significados de pesquisa e de intervenção. Rev SPAGESP. 2013; 14(1):96-9.

Drebes LM, Ortigara C, Artuzo FD, Jandrey WF, Silva VR. A dinâmica do Programa De Educação Tutorial (PET). Enciclopédia Biosfera. 2012; 8(15):2334-50.

Vieira MA, Souza LP, Ohara CVS, Domenico EBL. Avaliação com egressos da graduação em enfermagem: publicações nacionais entre 2001-2011. Hist Enferm Rev Eletrônica. 2014; 5(1):35-53.

González-Hernando C, Martín-Villamor PG, Martín-Durántez N, López-Portero S. Evaluación por los estudiantes al tutor de enfermería en el contexto del aprendizaje basado en problemas. Enfermería. 2015; 12(3):110-15.

Lima GM, Alves TA, Dias MA, Estrela DC, Lemes CGC, Nunes R, et al. Recepção “calourosa”: conhecimentos, expectativas e opiniões de ingressantes do curso de licenciatura em ciências biológicas. Holos. 2014; 30(1):282-9.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i1.3538

Apontamentos

  • Não há apontamentos.