Comunicação não-verbal no cuidado com usuários hipertensos na Estratégia Saúde da Família

Geanne Maria Costa Torres, Inês Dolores Teles Figueiredo, José Auricélio Bernardo Cândido, Antonio Germane Alves Pinto

Resumo


O objetivo do estudo foi analisar a comunicação não-verbal no cuidado com usuários hipertensos na Estratégia Saúde da Família. Trata-se de pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa, realizada em um Município do interior do Estado do Ceará, em 2016. Os dados foram coletados por um checklist para observação sistemática não participante, subsidiados por um diário de campo, tratados pela análise temática de conteúdo. Os resultados evidenciam duas categorias: Comunicação não-verbal na interação profissional de saúde-hipertenso e Compreensão dos significados e expressões não verbais no contexto relacional das interações. Observou-se maior incidência da linguagem verbal nos encontros dos diferentes espaços do cuidar, passando despercebidos os significados não verbais presentes no processo de comunicação, sinalizados por meio de expressões corporais, gestos, postura ou outras maneiras sutis de expressão durante a ação terapêutica. Os profissionais de saúde precisam ter maior conhecimento sobre a comunicação não verbal na relação interacional com os hipertensos, pois o reconhecimento da importância da comunicação verbal e não verbal potencializa o atuar e o fazer na saúde.


Palavras-chave


Comunicação; Relações profissional-paciente; Hipertensão; Estratégia saúde da família; Atenção primária à saúde

Referências


Broca PV, Ferreira MA. Nursing staff and nonverbal communication. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 02 jan 2017]; 18(3):697-702. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=27011&indexSearch=ID

Arantes LJ, Shimizu HE, Merchan-Hamann E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc Saúde Coletiva. [Internet]. 2016 [citado em 07 fev 2017]; 21(5):1499-510. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141381232016000501499&script=sci_abstract&tlng=pt

Brito FM, Costa ICP, Costa SFG, Andrade CG, Santos KFO, Pereira FD. Comunicação na iminência da morte: percepções e estratégia adotada para humanizar o cuidar em enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 08 fev 2017]; 18(2):317-22. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140046

Stefanelli MC, Carvalho EC. A contribuição nos diferentes contextos da enfermagem. 2ed. Barueri, SP: Manole; 2012.

Silva MJP. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. 10ed. São Paulo: Gente; 2017.

Weber D, Oliveira KR, Colet CF. The adherence to drug and non-drug treatment to hypertensive patients treat in basic health units. Rev Bras Hipertens. [Internet]. 2014 [citado em 07 fev 2017]; 21(2):114-21. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/03/881424/rbh-v21n2_114-121.pdf

Sousa RC, Lucena ALR, Nascimento WS, Ferreira TMC, Lima CLJ, Ferreira JDL, et al. Particularidades de idosos hipertensos à adesão ao tratamento medicamentoso. Rev Enferm UFPE on line. [Internet]. 2018 [citado em 28 ago 2018]; 12(1):216-23. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i01a23296p216-223-2018

Reiners AAO, Seabra FMF, Azevedo RCS, Sudré MRS, Duarte SJH. Adesão ao tratamento de hipertensos da atenção básica. Ciênc Cuid Saude. [Internet]. 2012 [citado em 07 fev 2017]; 11(3):581-7. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/16511

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: revisão da portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2015 [citado em 03 abr 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnps_revisao_portaria_687.pdf

Malachias MVB, Sousa WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. [Internet]. 2016 [citado em 07 fev 2017]; 107(3 Supl 3). Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/2014/diretrizes/2016/05_HIPERTENSAO_ARTERIAL.pdf

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013 [citado em 03 fev 2017]. 128p. (Cadernos de Atenção Básica; 37). Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37.pdf

Almeida RT, Ciosak SI. Comunicação do idoso e equipe de Saúde da Família: há integralidade? Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2018 [citado em 30 jan 2019]; 21(4):[07 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n4/pt_0104-1169-rlae-21-04-0884.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. Reimpr. 1ed. Lisboa: Edições 70; 2016. 282p.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196 [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 13 dez 2012 [citado em 15 dez 2016]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/reso466.pdf

Silva EC, Martins MSAS, Guimarães LV, Segri NJ, Lopes MAL, Espinosa MM. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica e fatores associados em homens e mulheres residentes em municípios da Amazônia Legal. Rev Bras Epidemiol. [Internet]. 2016 [citado em 06 fev 2017]; 19(1):38-51. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v19n1/1980-5497-rbepid-19-01-00038.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201600010004

Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho MDB, Marconi SS. Hipertensão arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 05 fev 201]; 22(4):547-53. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n4/pt_0104-1169-rlae-22-04-00547.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.3345.2450

Martin RSS, Godoy I, Franco RJS, Martin LG, Martins AS. Influência do nível socioeconômico sobre os fatores de risco cardiovascular. J Bras Med. [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2017]; 102(2):34-7. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0047-2077/2014/v102n2/a4193.pdf

Oliveira MPR, Menezes IHCF, Sousa LM, Peixoto MRG. Training and qualification of health professionals: factors associated to the quality of primary care. Rev Bras Educ Méd. [Internet]. 2016 [citado em 03 fev 2017]; 40(4):547-59. http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v40n4e02492014

Martins LCG, Lopes MVO, Guedes NG, Nunes MM, Diniz CM, Carvalho PMO. Sedentary lifestyle in individuals with hypertension. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2015 [citado em 06 fev 2017]; 68(6):1005-12. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680602i

Torres GMC, Santiago ES. Adesão ao tratamento em pessoas com hipertensão arterial. REFACS [Internet]. 2015 [citado em 10 fev 2017]; 3(3):189-93. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/1236/1104

Araújo TME, Martins GBF, Leal MSC, Souza ATS, Souza AS, Freire VS. Prevalência da hipertensão arterial sistólica entre caminhoneiros que trafegam pela cidade de Teresina. SANARE (Sobral, Online). [Internet]. 2015 [citado em 06 fev 2017]; 14(1):38-45. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/606

Reigada CLL, Romano VF. Comunicação e percepções sobre saúde: o olhar dos usuários na Estratégia Saúde da Família. Saúde Redes. [Internet]. 2015 [citado em 02 fev 2017]; 1(2):13-9. Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/rede-unida/article/view/588/37

Santos FPA, Acioli S, Rodrigues VP, Machado JC, Souza MS, Couto TA. Nurse care practices in the Family Health Strategy. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2016 [citado em 06 fev 2017]; 69(6):1060-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0273

Veríssimo FIL, Sousa PCP. A comunicação como expressão do cuidado humanizado em fim de vida: revisão sistemática. Rev Enferm UFPE on line. [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2017]; 8(8):2845-53. DOI: http://dx.doi.org/10.5205/reuol.6081-52328-1-SM.0808201436

Brito FM, Costa ICP, Costa SFG, Andrade CG, Santos KFO, Francisco DP. Comunicação na iminência da morte: percepções e estratégia adotada para humanizar o cuidar em enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2017]; 18(2):317-22. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140046

Pontes EP, Couto DL, Lara HMS, Santana JCB. Comunicação não verbal na unidade de terapia intensiva pediátrica: percepção da equipe multidisciplinar. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2017]; 18(1):152-7. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140012

Broca PV, Ferreira MA. Processo de comunicação na equipe de enfermagem fundamentado no diálogo entre Berlo e King. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2015 [citado em 06 fev 2017]; 19(3):467-74. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20150062

Amorim RKFCC, Silva MJP. Comunicação não verbal efetiva/eficaz em sala de aula: percepção do docente de enfermagem. Texto & Contexto Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 22 jan 2017]; 23(4):862-70. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072014001710013

Terra AC, Vaghetti HH. A comunicação proxêmica no trabalho da enfermagem: uma revisão integrativa de literatura. Cienc Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2017]; 20(1):23-34. DOI: http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532014000100003

Cavalcante LM, Leite AJM, Neves Filho AC, Cunha KL, Simão DA, Rodrigues Filho FC, et al. Comunicação não verbal: gestos que fazem a diferença na relação médico-paciente. In: Congresso Internacional de Humanidades & Humanização em Saúde [Internet]. São Paulo. 2014 [citado em 06 fev 2017]. p. 233. (Blucher Medical Proceedings; v. 1, n. 2). DOI: http://dx.doi.org/10.5151/medpro-cihhs-10599




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i3.3570

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.