Vivências e expectativas de gestantes em idade materna avançada com suspeita ou confirmação de malformação.

Camila Rebouças Fernandes, Aline de Carvalho Martins

Resumo


O presente estudo tem como objetivo investigar as vivências e as expectativas de mulheres em idade materna avançada, grávidas de bebês com diagnóstico suspeito ou confirmado de malformação. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, realizada entre janeiro e junho de 2016, com análise de conteúdo, na modalidade temática. Foram entrevistadas sete gestantes com 35 anos ou mais, acompanhadas no ambulatório de pré-natal de uma unidade de saúde pública, federal, de referência para risco fetal. Evidenciou-se duas categorias: “O constrangimento de receber e compartilhar a notícia”; e “Receios quanto ao futuro”. Verificou-se que existem tensões das mulheres quanto à aceitação social da criança, incertezas quanto ao futuro profissional e expectativas de sobrecarga nos cuidados com a criança. Conclui-se que estas mulheres devem receber atendimento especializado para tratar estas questões.


Palavras-chave


Idade materna; Relações materno-fetais; Gênero e saúde

Referências


Moreira MEL, Goldani MZ. A criança é o pai do homem: novos desafios para a área de saúde da criança. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15(2):321-7.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. 5. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010.

Ministério da Saúde (Br). Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Nascidos Vivos Brasil. [citado 18-11-2016]. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/sistemas-e-aplicativos/eventos-v/sinasc-sistema-de-informacoes-de-nascidos-vivos

Gravena AAF, Sass A, Marcon SS, Pelloso SM. Resultados perinatais em gestações tardias. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(1):15-21.

Gonçalves ZR, Monteiro DLM. Complicações maternas em gestantes com idade avançada. Femina. 2012; 40(5):275-9.

Brito VRS, Sousa FS, Gadelha FH, Souto RQ, Rego ARF, França ISX. Malformações congênitas e fatores de risco materno em Campina Grande–Paraíba. Rev RENE. 2010; 11(2):27-36.

Martins AC, Melo FR. Gênero: dimensão fundamental da saúde humana. In: Silva LB, Ramos AS, organizadores. Serviço social, saúde e questões contemporâneas: reflexões críticas sobre a prática profissional. São Paulo: Papel Social; 2014. v. 1, p. 165-183.

Barbosa DC, Sousa FGM, Silva ACO, Silva IR, Silva DCM, Silva TP, et al. Sobrecarga do cuidado materno à criança com condição crônica. Cogitare Enferm. 2012; 17(3):492-7.

Barbosa DC, Sousa FGM, Silva ACO, Silva IR, Silva DCM, Silva TP. Funcionalidade de famílias de mães cuidadoras de filhos com condição crônica. Ciênc Cuid Saúde. 2011; 10(4):731-8.

Costa ASM, Britto MCA, Nóbrega SM, Vasconcelos MGL, Lima LS. Vivências de familiares de crianças e adolescentes com fibrose cística. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2010; 20(2):217-27.

Organização Pan-Americana da Saúde. Prevenção e controle das enfermidades genéticas e dos defeitos congênitos: relatório de um grupo de consulta. Washington D.C: Organizaçao Pan-Americana da Saúde; 1984. 30 p. (OPAS. Publicação Científica, 460).

Vieira MA, Lima RAG. Crianças e adolescentes com doença crônica: convivendo com mudanças. Rev Latinoam Enferm. 2002; 10(4):552-60.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008; 24(1):17-27.

Ministério da Saúde (Br). Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Gomes AG, Piccinini CA. Impressões e sentimentos das gestantes sobre a ultrassonografia e suas implicações para a relação materno-fetal no contexto de anormalidade fetal. Psico. 2007; 38(1):67-76.

Cristino AC, Lopes RR, Diógenes KCBM. Sofrimento crônico: percepção de mães de crianças dependentes de ventilação mecânica. Rev Bras Promoç Saúde. 2015; 28(2):160-7.

Pereira-Silva NL, Almeida BR. Reações, sentimentos e expectativas de famílias de pessoas com necessidades educacionais especiais. Psicol Argum. 2014; 32(2):111-22.

Andrade MS. Sobre ser mãe/aprendente de sujeitos com necessidades educacionais especiais: acolhimento psicopedagógico do sofrimento materno. Constr Psicopedag. 2011; 19(19):66-81.

Barbosa TA, Lomba GO, Reis KMN, Braga PP, Alves GV. Rede de apoio e apoio social às crianças com necessidades especiais de saúde. Rev RENE. 2016; 17(1):60-6.

Anacleto TFM. As mudanças na sociabilidade materna com o advento da doença crônica em crianças: perspectivas e desafios para as políticas públicas. [Trabalho de conclusão de curso]. Rio de Janeiro, RJ: IFF; 2012. 30 p.

Sunelaitis RC, Arruda DC, Marcom SS. A repercussão de um diagnóstico de síndrome de Down no cotidiano familiar: perspectiva da mãe. Acta Paul Enferm. 2007; 20(3):264-71.

Costa ECL, Veloso RA, Feitosa JJM. Crianças portadoras de hidrocefalia: dificuldades e vivência das mães. Rev Interdisciplin. 2013; 6(1):71-9.

Almeida MI, Molina RCM, Vieira TMM, Higarashi IH, Marcom SS. O ser mãe de criança com doença crônica: realizando cuidados complexos. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2006; 10(1):36-46.

Gomes AG, Piccinini CA. Malformação no bebê e maternidade: aspectos teóricos e clínicos. Psicol Clín. 2010; 22(1):15-38.

Antunes MSC, Patrocínio C. A malformação do bebê: vivências psicológicas do casal. Psicol Saúde Doenças. 2007; 8(2):239-52.

Gomes AG, Piccinini CA, Prado LC. Psicoterapia pais-bebê no contexto de malformação do bebê: repercussões no olhar da mãe acerca do desenvolvimento do bebê. Rev Psiquiatr Rio Gd Sul. 2009; 31(2):95-104.

Vasconcelos L, Petean EBL. O impacto da malformação fetal: indicadores afetivos e estratégias de enfrentamento das gestantes. Psicol Saúde Doenças. 2009; 10(1):69-82.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i3.3640

Apontamentos

  • Não há apontamentos.