Significado da morte de pacientes para os profissionais de saúde em unidade de terapia intensiva

Laura Andrade Martins, José Henrique da Silva Cunha, Lúcia Aparecida Ferreira, Heloísa Cristina Figueiredo Frizzo, Ludmila Borges de Castro Prata Carvalho

Resumo


Esta é uma pesquisa descritiva e exploratória com abordagem qualitativa, realizada em 2017 e, que teve como objetivo descrever e analisar o significado da morte de pacientes para os profissionais de saúde que atuam na Unidade de Terapia Intensiva. Realizado num hospital do interior de Minas Gerais. Os dados foram coletados por meio de roteiro semiestruturado e submetido à análise de conteúdo temática. Emergiram as categorias: “Significado da morte dos pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva Adulto”; “Emoções despertadas nos profissionais de saúde frente ao processo de morte de seus pacientes”; e, “Fatores dificultadores enfrentados pelos profissionais de saúde ao lidaram com a morte de seus pacientes”. Verificou-se que é relevante a gestão de equipes vinculadas a esta Unidade de Terapia Intensiva pesquisada se atentar para oferta de suporte psíquico e educação em serviço relacionada aos cuidados paliativos/finitude de vida aos seus profissionais de saúde.


Palavras-chave


Morte; Pessoal de saúde; Atitude frente à morte; Unidade de terapia intensiva

Referências


Ariès P. História da morte no ocidente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 2012.

Kovács MJ. A caminho da morte com dignidade no século XXI. Rev Bioét. [Internet]. 2014 [citado em 05 abr 2019]; 22(1):94-104. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bioet/v22n1/a11v22n1.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-80422014000100011

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 1.071, de 04 de julho de 2005, que institui a Política Nacional de Atenção ao Paciente Crítico. D.O.U., Brasília, DF, 8 jul 2005; Seção 1:41-8.

Santos ES, Marinho CMS. Principais causas de insuficiência renal aguda em unidades de terapia intensiva: intervenção de enfermagem. Referência [Internet]. 2013 [citado em 05 abr 2019]; serIII(9):181-9. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIIIn9/serIIIn9a19.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.12707/RIII1272

Silva NR, Menezes RA. “Se parar, parou”: categorização do morrer em uma unidade de terapia intensiva da cidade do Rio de Janeiro. Physis [Internet]. 2015 [citado em 05 abr 2019]; 25(1):265-85. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v25n1/0103-7331-physis-25-01-00265.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312015000100015

Vicensi MC. Reflexão sobre a morte e o morrer na UTI: a perspectiva do profissional. Rev Bioét. [Internet]. 2016 [citado em 05 abr 2019]; 24(1):64-72. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bioet/v24n1/1983-8034-bioet-24-1-0064.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422016241107

Abreu RMD, Gonçalves RMDA, Simões ALA. Motivos atribuídos por profissionais de uma unidade de terapia intensiva para ausência ao trabalho. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 05 abr 2019]; 67(3):386-93. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n3/0034-7167-reben-67-03-0386.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0034-7167.20140051

Azevedo FA, Araújo ND, Novais NC, Silva JV, Passos RA. Significados de morte: o discurso do sujeito coletivo da enfermagem. Rev Ciênc Saúde [Internet]. 2016 [citado em 05 abr 2019]; 6(1):52-8. Disponível em: http://rcs.fmit.edu.br/index.php/rcsfmit_zero/article/download/458/295

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 [citado em 05 abr 2019]; 22(1):94-104. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n1/02.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Brasileiro MSE, Brasileiro JE. O medo da morte enquanto mal: uma reflexão para a prática da enfermagem. Rev Ciênc Méd. [Internet]. 2017 [citado em 05 abr 2019]; 26(2):77-97. Disponível em: https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/3582 DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v26n2a3582

Lima ABS, Oliveira LP, Sá KVCS, Silva EL, Caldas AJM, Rolim ILTP. Sentimentos e percepções da enfermagem frente ao processo de morte e morrer: revisão integrativa. Rev Pesq Saúde. [Internet]. 2016 [citado em 05 abr 2019]; 17(2):116-21. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma/article/view/6093/3672

Magalhães MV, Melo SCA. A morte e luto: o sofrimento do profissional da saúde. Psicol Saúde Debate [Internet]. 2015 [citado em 05 abr 2019]; 1(1):65-77. Disponível em: http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/download/7/5/

Salimena AMO, Ferreira GC, Melo MCSC, Souza IEO. O significado da morte do paciente cirúrgico no vivido da equipe de enfermagem. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2014 [citado em 05 abr 2019]; 4(3):645-51. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/index.php/reufsm/article/view/11267 DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179769211267

Burlá C, Py L. Cuidados paliativos: ciência e proteção ao fim da vida. Cad Saúde Pública [Internet]. 2014 [citado em 05 abr 2019]; 30(6):1139-41. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30n6/pt_0102-311X-csp-30-6-1139.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311XPE020614

Lacerda CA, Camboim FEF, Camboim JCA, Nunes EM, Bezerra ALD, Sousa MNA. O lidar com a morte em unidade de terapia intensiva: dificuldades relatadas por enfermeiros. Rev Ciênc Desenvolv. [Internet]. 2016 [citado em 05 abr 2019]; 9(2):173-84. Disponível em: http://srv02.fainor.com.br/revista/index.php/memorias/article/view/559/294

Saioron I, Silveira RS, Ramos FRS, Trentin D. A experiência da ortotanásia por profissionais da saúde de uma unidade de terapia intensiva. Rev Enferm UFPE on line [Internet]. 2017 [citado em 05 abr 2019]; 11(6):2445-51. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/23408/19076 DOI: 10.5205/reuol.10827-96111-1-ED.1106201724

Longuiniere ACFL, Yarid SD, Silva ECS. Influência da religiosidade/espiritualidade do profissional de saúde no cuidado ao paciente crítico. Rev Cuid. [Internet]. 2018 [citado em 05 abr 2019]; 9(1):1961-72. Disponível em: https://revistacuidarte.udes.edu.co/index.php/cuidarte/article/view/413/891 DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i1.413

Nunes FN, Araújo KM, Silva LDC. As evidências sobre o impacto psicossocial de profissionais de enfermagem frente à morte. Rev Interdisciplin. [Internet]. 2016 [citado em 05 abr 2019]; 9(4):165-72. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/545

Mocelin D, Moschen A, Mah AC, Oliveira LA. Processos psicológicos dos profissionais da saúde perante a morte de um paciente. Vitalle Rev Ciênc Saúde [Internet]. 2014 [citado em 05 abr 2019]; 26(1):11-20. Disponível em: https://periodicos.furg.br/vittalle/article/view/6055/3733

Monteiro MC, Magalhães AS, Féres-Carneiro T, Machado RN. Terminalidade em UTI: dimensões emocionais e éticas do cuidado do médico intensivista. Psicol Estud. [Internet]. 2016 [citado em 05 abr 2019]; 21(1):65-75. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/PsicolEstud/article/view/28480. DOI: http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v21i1.28480

Bastos RA, Lamb FA, Quintana AM, Beck CLC, Carnevale F. Vivências dos enfermeiros frente ao processo de morrer: uma metassíntese qualitativa. Rev Port Enferm Saúde Mental [Internet]. 2017 [citado em 05 abr 2019]; 17:58-64. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpesm/n17/n17a08.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0184

Silva EP, Sudigursky D. Concepções sobre cuidados paliativos: revisão bibliográfica. Acta Paul Enferm. [Internet]. 2008 [citado em 05 abr 2019]; 21(3):504-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v21n3/pt_20.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002008000300020

Monteiro DT, Quintana AM. A comunicação de más notícias na UTI: perspectiva dos médicos. Psicol Teor Pesqui. [Internet]. 2016 [citado em 05 abr 2019]; 32(4):e324221. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v32n4/1806-3446-ptp-32-04-e324221.pdf DOI: https://dx.doi.org/10.1590/0102.3772e324221

Medeiros-Costa ME, Maciel RH, Rêgo DP, Lima LL, Silva MEP, Freitas JG. A síndrome do esgotamento profissional no contexto da enfermagem: uma revisão integrativa da literatura. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2017 [citado em 05 abr 2019]; 51:e03235. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v51/pt_1980-220X-reeusp-51-e03235.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1980-220x2016023403235

Schmidt DRC, Paladini M, Biato C, Pais JD, Oliveira AR. Qualidade de vida no trabalho e burnout em trabalhadores de enfermagem de unidade de terapia intensiva. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2013 [citado em 05 abr 2019]; 66(1):13-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v66n1/v66n1a02.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000100002

Prado RT, Leite JL, Castro EAB, Silva LJ, Silva IR. Desvelando os cuidados aos pacientes em processo de morte/morrer e às suas famílias. Rev Gaúcha Enferm. [Internet]. 2018 [citado em 05 abr 2019]; 39:e2017-0111. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v39/1983-1447-rgenf-39-e2017-0111.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2017-0111




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i4.3671

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.