Simulação realística de atendimento a incidentes com múltiplas vítimas pelo programa de residência em enfermagem

Luana Vilela Vilaça, Bianca Vechia Penido, Marielle Aparecida Santos, Cíntia Machado Dutra, Lúcia Aparecida Ferreira, Suzel Regina Ribeiro Chavaglia

Resumo


O atendimento pré-hospitalar às vítimas de trauma é decisivo para seu prognóstico. Em situações de múltiplas vítimas o atendimento se torna mais complexo. A formação e o treinamento de profissionais aptos a agir assertivamente em situações críticas é fundamental no sucesso do atendimento. Este estudo teve como objetivo discorrer sobre a vivência na organização e desenvolvimento da simulação realística de atendimento à múltiplas vítimas desenvolvido por dois serviços de atendimento pré-hospitalar móvel vigentes na cidade em parceria com o programa de residência de enfermagem em urgência e trauma. Trata-se de um relato de experiência utilizando simulação realística de atendimento pelo método Simple Triage And Rapid Treatment. Por meio desta metodologia, os profissionais tiveram a oportunidade de evidenciar suas limitações. O processo de aprendizagem por meio de situações simuladas se mostrou útil e efetivo para avaliar desempenhos e habilidades, além de viabilizar e incentivar a cooperação mútua entre as equipes.


Palavras-chave


Atendimento pré-hospitalar; Incidentes com feridos em massa; Simulação; Equipe de busca e resgate; Educação continuada.

Referências


- Organização Pan Americana de Saúde. Traumas matam mais que as três grandes endemias: malária, tuberculose e AIDS [Internet]; 2017 [citado em 06 jul 2018]. Disponível em: https://www.paho.org/bra.../index.php?option=com_content&view=article&id=2989:traumas-matam-mais-que-as-tres-grandes-endemias-malaria-tuberculose-e-aids&Itemid=839

– Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas no Brasil [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2015 [citado em 06 jul 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2014_analise_situacao.pdf

- Valentim ALE, Paes GO, Carvalho SM. Utilizando serviços de emergência do Sistema Único de Saúde mediante simple triage and rapid treatment. Rev Enf Profissional [Internet]. 2014 [citado em 06 ago 2018];1(1):194-04. Disponível em: https://pt.slideshare.net/EduardoFranciele/revista-enfermagem-profissional

- Simões RL, Duarte Neto C, Maciel GSB, Furtado TP, Paulo, DNS. Atendimento pré-hospitalar à múltiplas vítimas com trauma simulado. Rev. Col. Bras. Cir. [Internet]. 2012 [citado em 28 mar 2018];39(3):230-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912012000300013

- Campos AL. Atendimento de emergência realizado por profissionais de enfermagem, médico, bombeiros e demais profissionais treinadas a vitimas de acidentes e catástrofes. Rev Med Saúde Brasília [Internet]. 2015 [citado em 05 ago 2018]; 4(1):84-6. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/rmsbr/article/view/5514

- American College of Surgeons. PHTLS: Prehosp Trauma Life Support. 9thed. Chicago: National Association of Emergency Medical Technicians; 2018.

- Oliveira FAG. Análise do Método START para triagem em incidentes com múltiplas vítimas: uma revisão sistemática [Internet]. [Monografia]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2013 [citado em 05 jul 2018]. 39 p. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/13977/1/Fernando%20Antonio%20Gouveia%20Oliveira.pdf.

- Intrieni ACU. O enfermeiro no APH e o método START: uma abordagem de autonomia e excelência. Rev UNILUS Ens Pesqu. [Internet]. 2017 [citado em 18 jul 2018]; 14(34):112-28. Disponível em: http://revista.lusiada.br/index.php/ruep/article/view/793

- Brasil, Ministério da Saúde. Portaria n. 1863, de 29 de setembro de 2003. Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências [Internet]. Brasília; 2003 [citado em 20 ago 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2003/prt1863_26_09_2003.html

- Teixeira CRS, Kusumota L, Braga FTMM, Gaioso VP, Santos CBS, Silva VLS et al. O uso de simulador no ensino de avaliação clínica em enfermagem. Texto Contexto Enferm. [Internet]. 2011 [citado em 01 ago 2018];20(esp):187193. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000500024. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104070

- Negri EC, Mazzo A, Martins JCA, Pereira Junior GA; Almeida RGSA, Pederlosi CE. Simulação clínica com dramatização: ganhos percebidos por estudantes e profissionais de saúde. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2017 [citado em 18 jul 2018]; 25: e2916. DOI: 10.1590/1518-8345.1807.2916. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v25/pt_0104-1169-rlae-25-e2916.pdf

- Kaneko RMU, Lopes MHBM. Cenário em simulação realística em saúde: o que é relevante para a sua elaboração? Rev Esc Enferm. USP [Internet]. 2019 [citado 06 ago 2018]; 53: e03453. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342019000100602&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/s1980-220x2018015703453

- Kaneko RM, Couto TB, Coelho MM, Taneno AK, Barduzzi NN, Barreto JK, et al. Simulação in situ, uma metodologia de treinamento multidisciplinar para identificar oportunidades de melhoria na segurança do paciente em uma unidade de alto risco. Rev Bras Educ Med [Internet]. 2015 [citado em 11 ago 2018];39(2):286-93. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v39n2e00242014




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i1.3887

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.