(In) segurança dos monitores multiparamétricos na cirurgia cardíaca: um estudo de acurácia diagnóstica

Andrezza Serpa Franco, Amanda Moreno Miranda, Flavia Giron Camerini, Vanessa Galdino de Paula, Monica de Almeida Karam, Roberto Carlos Lyra da Silva

Resumo


Este é um estudo quantitativo, descritivo, com delineamento quase-experimental, com uso de simulador e, realizado em 2017 na cidade do Rio de Janeiro, e teve como objetivo avaliar a acurácia dos alarmes dos monitores multiparamétricos das principais arritmias nos pacientes em pós-operatório de cirurgia cardíaca. A primeira etapa constou da caracterização dos alarmes da unidade e avaliação da acurácia das variáveis de ritmo e frequência cardíaca dos monitores multiparamétricos provocadas pelo simulador de sinais vitais. Foram disparados 55 alarmes: frequência cardíaca, saturação, hipotensão e hipotermia somaram 84% (n=46). Na acurácia diagnóstica, os monitores foram 100% (n=7) sensíveis para assistolia e taquicardia ventricular sem pulso, enquanto a fibrilação ventricular sem pulso e a fibrilação atrial de alta resposta soaram alarmes em apenas 43% (n=3). A tecnologia avaliada tem alta especificidade; no entanto, não é completamente sensível a ritmos fatais, tais como fibrilação ventricular sem pulso ou fibrilação atrial de alta e de baixa resposta, tornando os equipamentos pouco seguros na perspectiva dos alarmes.


Palavras-chave


Alarmes clínicos; Confiabilidade dos dados; Cirurgia torácica; Arritmias cardíacas; Monitorização fisiológica.

Referências


Silva RCL, Kaczmarkiewicz CC, Cunha JJSA, Meira IC, Figueiredo NMA, Porto IS. O significado da tecnologia no pós-operatório imediato de cirurgia cardíaca. Rev SOCERJ [Internet]. 2010 [citado em 02 jan 2017]; 22 (4):210-8. Disponível em http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2009_04/a2009_v22_n04_02rcarlos.pdf

Emergency Care Research Institute. Health Device. Top 10 health technology hazards for 2018 [Internet]. 2017 [citado em 10 nov 2017]. Disponível em: https://www.ecri.org/Pages/default.aspx

Paine CW, Goel VV, Ely E, Stave CD, Stemler S, Zander M, et al. Systematic review of physiologic monitor alarm characteristics and pragmatic interventions to reduce alarm frequency. J Hosp Med [Internet]. 2016 [citado em 4 abril 2017]; 11(2):136-44. DOI: 10.1002/jhm.2520

Ribeiro GSR, Silva RCF, Márcia A, Silva GR. Violações no uso de equipamentos por enfermeiros na terapia intensiva. Texto & Contexto Enferm. [Internet]. 2017 [citado em 2 dez 2017]; 26(2):e6050015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v26n2/pt_0104-0707-tce-26-02-e6050015.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072017006050015

The Joint Commission. Alarm safety webinar [Internet]. 2013 [citado em 4 abril 2017]. Disponível em: https://www.jointcommission.org/assets/1/6/Alarm_Safety_webinar05113_transcript.pdf

Soares GMT, Ferreira DCS, Gonçalves MPC, Alves TGS, David FL, Henriques KMC, et al. Prevalência das principais complicações pós-operatórias em cirurgias cardíacas. Rev Bras Cardiol. [Internet]. 2011 [citado em 2 dez 2017]; 24(3):139-46. Disponível em: http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2011_03/a_2011_v24_n03_01prevalencia.pdf

Moreira DAR. Arritmias no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo [Internet]. 2001 [citado em 11 jan 2017]; 11(5). Disponível em http://geicpe.tripod.com/cirur_urct_arritmias.htm

Sendelbach S, Stacy Jepsen S. American Association of Critical Care Nurses (AACN). Alarm management: scope and impact of the problem [internet]. 2013 [citado em 02 jan 2017]. Disponível em: http://www.aacn.org/wd/practice/docs/practicealerts/alarm-managementpractice-alert.pdf

Mondor TA, Finley GA. The perceived urgency of auditory warning alarms used in the hospital operating room is inappropriate. Canadian J Anesth. [Internet]. 2003 [citado em 11 dez 2017]; 50(3):221-8. Disponível em: https://link.springer.com/content/pdf/10.1007%2FBF03017788.pdf

Cvach M. Monitor alarm fatigue: an integrative review. Biomed Instrum Technol. [Internet]. 2012 [citado em 12 dez 2017]; 46(4):268-77. Disponível em: https://www.aami-bit.org/doi/pdf/10.2345/0899-8205-46.4.268

Bridi AC, Silva RCL, Farias CCP, Franco AS, Santos VLQ. Tempo estímulo-resposta da equipe de saúde aos alarmes de monitorização na Terapia Intensiva: implicações para segurança do paciente grave. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2014 [citado em 09 dez 2017]; 26(1):28-35. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v26n1/0103-507X-rbti-26-01-0028.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20140005

Franco AS, Bridi AC, Silva RCL, Oliveira RSL. Tempo estímulo-resposta aos alarmes do balão intraórtico: práticas para cuidado seguro. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2017 [citado em 06 jan 2018]; 70(6):1206-11. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v70n6/pt_0034-7167-reben-70-06-1206.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0432.

Weill G, Motamed C, Eghiaian A, Monnet X, Suria S. Comparison of Proaqt/Pulsioflex® and oesophageal Doppler for intraoperative haemodynamic monitoring during intermediate-risk abdominal surgery. Anaesth Crit Care Pain Med. [Internet]. 2019 [citado em 11 mai 2019]; 38(2):153-9. DOI: https://doi.org/10.1016/j.accpm.2018.03.011

Nunes AA; Martinez EZ; Ana LW; Pazin-Filho A; Coelho EB; Mello LM. Testes diagnósticos no contexto da avaliação de tecnologias em saúde: abordagens, métodos e interpretação. Medicina (Ribeirão Preto, Online) [Internet]. 2015 [citado em 11 maio 2019]; 48(1):8-18. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v48i1p8-18

Sowan AK, Tarriela AF, Gomez TM, Reed CC, Rapp KM. Nurses’ perceptions and practices toward clinical alarms in a transplant cardiac intensive care unit: exploring key issues leading to alarm fatigue. JMIR Hum Factors [Internet]. 2015 [citado em 12 abr 2019]; 2(1):e3.2015. Disponível em: https://humanfactors.jmir.org/2015/1/e3/pdf. DOI: http://doi.org/10.2196/humanfactors.4196

Welch J. Alarm fatigue hazards: the sirens are calling. Patient Saf Qual Healthcare [Internet]. 2012 [cited 2012 jun 16]; 9(3):26-9,32-3. Disponível em: http://psnet.ahrq.gov/resource.aspx?resourceID=24671

Sobral MLP, Barbieri LR, Gerônimo GM S, Trompieri DF, Souza TA, Rocca JMG, et al. O impacto da fibrilação atrial no pós-operatório de revascularização do miocárdio. Relampa, Rev Lat-Am Marcapasso Arritm. [Internet]. 2013 [citado em 13 jun 2019]; 26(3):137-43. Disponível em: http://www.relampa.org.br/detalhe_artigo.asp?id=901

Magalhães LP, Figueiredo MJO, Cintra FD, Saad EB, Kuniyoshi RR, Teixeira RA, et al. II Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial. Arq Bras Cardiol. [Internet]. 2016 [citado em 13 jun 2019]; 106(4 Supl 2):1-22. Disponível em:

http://publicacoes.cardiol.br/2014/diretrizes/2016/02_II%20DIRETRIZ_FIBRILACAO_ATRIAL.pdf

Ministério da Saúde (Brasil), Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Diretoria Colegiada. Resolução-RDC Nº 2, de 25 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o gerenciamento de tecnologias em saúde em estabelecimentos de saúde [Internet]. D.O.U. Brasília, DF, 25 jan 2010 [citado em 13 jun 2019]; Seção 1(16): 79. Disponível em: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rdc-2-de-25-de-janeiro-de-2010

Ministério da Saúde (Brasil). Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC Nº 20, de 26 de março de 2012 [Internet]. 2012 [citado em 13 jun 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2012/rdc0020_26_03_2012.html




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i1.3897

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.