Ter e ser familiar de pessoa privada de liberdade: repercussões na experiência de mães e companheiras

Maria das Graças de Mendonça Silva Calicchio, Reni Aparecida Barsaglini

Resumo


O presente estudo tem por objetivo analisar as repercussões imateriais e materiais de privação de liberdade de familiar postas na experiência de mães e companheiras. Trata-se de uma pesquisa qualitativa e exploratória, realizada com mães e companheiras de pessoas privadas de liberdade de uma Penitenciária Estadual Masculina do Estado de Mato Grosso em 2018. Para a coleta dos dados, valeu-se das técnicas do grupo focal e da entrevista compreensiva, sendo uma complementar a outra, utilizando roteiros com questões temáticas e flexíveis, adotando-se a análise temática não tradicional para o tratamento dos dados. Foram construídas duas categorias: Repercussões imateriais do aprisionamento de familiar: continuidades e descontinuidades na identidade feminina e os efeitos sociomorais; e, Repercussões materiais do aprisionamento de familiar. Verificou-se as seguintes repercussões: construção da identidade social da mulher (persistência, constrangimentos, humilhações, sacrifícios), sociomorais (vergonha, estigmatização, exclusão social) e materiais (aumento das despesas domésticas, dificuldade de acesso ao Auxílio-Reclusão). O aprisionamento ultrapassa e atinge os familiares, tensionando valores, normas, deveres e obrigações sociais, morais e financeiras.


Palavras-chave


Prisioneiros; Família; Mulheres; Prisões.

Referências


Ministério da Justiça e Segurança Pública (Brasil). Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Brasília, DF: Ministério da Justiça e Segurança Pública; 2019.

Pimenta VM. Por trás das grades: o encarceramento em massa no Brasil. 1ed. Rio de Janeiro: Revan; 2018. 216p.

Spagna LMN. Mulher de bandido: a construção de uma identidade virtual. Rev Estud Direito Univ Brasília. 2008; 7:203-28.

Wacquant L. As prisões da miséria. 2ed. Rio de Janeiro: Ed. Zahar; 2011. 119p.

Minayo MCS, Constantino P. Deserdados sociais: condições de vida e saúde dos presos do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2015. 252p.

Godoi R. Fluxo em cadeias: as prisões de São Paulo na virada dos tempos [tese]. São Paulo, SP: Universidade de São Paulo; 2015. 246p.

Pereira EL. Famílias de mulheres presas: promoção da saúde e acesso às políticas sociais no Distrito Federal. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2016 [citado em 12 maio 2019]; 21(7):66-74. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n7/1413-8123-csc-21-07-2123.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015217.16792015

Cabral Y, Medeiros, BA. A família do preso: efeitos da punição sobre a unidade familiar. Rev Transgr Ciênc Crim Debate [Internet]. 2014 [citado em 23 fev 2019]; 2(1):50-71. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/transgressoes/arti-cle/view/6652

Barsaglini R. Repercussões dos adoecimentos crônicos nos estudos de experiência: tipos, momentos e mediadores. Oficina CES [Internet]. 2019 [citado em 12 nov 2018]; 452:1-30. Disponível em: https://ces.uc.pt/pt/publicacoes/outras-publicacoes-e-colecoes/oficina-do-ces/numeros/oficina-452

Raynaut C. Interfaces entre a antropologia e a saúde: em busca de novas abordagens conceituais. Rev Gaúcha de Enferm. [Internet]. 2006 [citado em 27 jun 2019]; 27(2):149-65. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/459

Hall AS. identidade cultural na pós-modernidade. 11ed. Rio de Janeiro: Lamparina; 2006. 102p.

Sarti CA. A família como ordem simbólica. Psicol USP [Internet]. 2004 [citado em 05 maio 2019]; 15(3):11-28. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusp/v15n3/24603.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S010365642004000200002

Lima JSF. Mulher fiel: as famílias das mulheres dos presos relacionados ao primeiro comando da capital [dissertação]. São Carlos, SP: Universidade Federal de São Carlos; 2013. 164p.

Goffman E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4ed. Rio de Janeiro: LTC; 2015. 158p.

Junqueira MH, Souza PDM, Lima VAA. A percepção de familiares de ex-apenados sobre a experiência do cárcere e do processo de inclusão social. Mnemosine [Internet]. 2015 [citado em 12 set 2019]; 11(2):74-99. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.-br/index.php/mnemosine/article/view/41589

Pancieri AC. Traficantes grávidas no banco dos réus: um estudo feminista crítico sobre do controle penal sobre mulheres em situação de maternidade no Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2017. 85p.

Calicchio MMS. Além das celas: experiência de mulheres com familiar em cumprimento de pena em regime fechado, Mato Grosso [tese]. Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso; 2019. 196p.

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Rev Pesqui Qual. [Internet]. 2017 [citado em 12 abr 2018]; 5(7):1-12. Disponível em: https://ojs.netlink.com.br/index.php/rpq/article/view/-82/59

Gatti BA. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Liber Livro; 2012. 41p.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa. 14ed. São Paulo: Hucitec; 2014. 407p.

Kaufman JC. A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo. 3ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2013. 202p.

Bardin L. Análise de conteúdo. 2reimp. São Paulo: Almedina Brasil; 2011. 279p.

Schutz A. Sobre a fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Vozes; 2012. 356p.

Barcinski M, Capra-Ramos C, Weber JLA, Dartora T. Marianismo e a vitimização de mulheres encarceradas: formas alternativas de exercício do poder feminino. EX ÆQUO Assoc Port Estud Mulh. [Internet]. 2013 [citado em 09 set 2019]; 28:87-100. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/aeq/n28/n28a08.pdf

Ferreccio V. Familiares de detenidos: exploraciones en torno a prácticas de equilibrio institucional en prisiones de Santa Fe, Argentina. Esp Abierto [Internet]. 2015 [citado em 29 abr 2019]; 24(10):113-43. Disponível em: https://www.redalyc.org/arti-culo.oa? id=12236226006

Mestre SO. “Mães guerreiras”: uma etnografia sobre mães de jovens encarcerados em Porto Velho/RO [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas; 2016. 160p.

Comfort ML. Doing time together: love and family in the shadow of the prison. Chicago, USA: University of Chicago Press; 2008. 275p.

Novellino MSF. Os estudos sobre feminização da pobreza e políticas públicas para mulheres. In: Anais do XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais; 2004; Caxambu. Caxambu, MG: ABEP; 2004. p. 20-4.

Santos AF, Souza SC. O agravamento do processo de feminilização da pobreza a partir das atuais propostas de Reforma do Regime Geral de Previdência Social no Brasil. Juris [Internet]. 2015 [citado em 23 set 2019]; 24:11-38. Disponível em: https://periodicos.-furg.br/juris/article/view/6332

Ministério da Economia (Br), Instituto Nacional de Seguro Social. Auxílio-reclusão: desmistifique boatos e entenda quem realmente tem direito. Brasília, DF: Ministério da Economia, Instituto Nacional do Seguro Social; 2019.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i3.4028

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.