Produção do cuidado e as relações intersubjetivas com usuários hipertensos na Estratégia Saúde da Família

Geanne Maria Costa Torres, Inês Dolores Teles Figueiredo, José Auricélio Bernardo Cândido, Antonio Germane Alves Pinto, Maria Irismar de Almeida

Resumo


Trata-se de um estudo descritivo, com abordagem qualitativa, realizado em um Município do interior do Estado do Ceará, Brasil, em 2016, com o objetivo de analisar a produção do cuidado e as relações intersubjetivas com usuários hipertensos na Estratégia Saúde da Família. Os dados foram coletados por um checklist para observação sistemática não participante e foram tratados pela Análise de Conteúdo Temática. Participaram 14 usuários e dois profissionais: uma enfermeira e um médico. Duas categorias emergiram: “Produção do cuidado nas relações intersubjetivas: acolhimento, diálogo, escuta, vínculo”; e, “Elementos emanados na interação interpessoal: empatia, respeito mútuo, confiança, acompanhamento nas reflexões”. Nas observações, estas práticas ainda estão centradas na doença, necessitando fortalecer o diálogo no campo das tecnologias relacionais para aprimorar a produção do cuidado sob a perspectiva da intersubjetividade na atenção. Verifica-se a necessidade de impulsionar as tecnologias leves na equipe Saúde da Família que instrumentalizam novas habilidades direcionadas à comunicação, à subjetividade e à produção do cuidado.


Palavras-chave


Comunicação; Assistência Centrada no Paciente; Papel Profissional; Hipertensão; Estratégia Saúde da Família.

Referências


Silva SS, Assis MMA. Family health nursing care: weaknesses and strengths in the Unified Health System. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2015 [citado em 10 dez 2018]; 21(3):366-70. 49(4):603-609. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49n4/0080-6234-reeusp-49-04-0603.pdf

Silva AA, Terra MG, Mota MGC, Leite MT, Padoin SMM. Enfermagem e cuidado de si: percepção de si como corpo existencial no mundo. Rev Enferm UERJ [Internet]. 2013 [citado em 10 dez 2018]; 21(3):366-70. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v21n3/v21n3a15.pdf

Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2014. 174p. (Micropolítica do trabalho e o cuidado em saúde).

Carvalho MN, Franco TB. Cartografia de serviços de saúde mental: produção de si e da cidade para desinstitucionalizar. Physis [Internet]. 2015 [citado em 04 jan 2019]; 25(3):863-84. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/physis/v25n3/0103-7331-physis-25-03-00863.pdf

Lampert CDT, Scortegagna SA. Subjetividade e empatia no trabalho do cuidado. Farol Rev Estud Organizac Soc. [Internet]. 2016 [citado em 04 jan 2019]; 5(2):729-58. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/3133

Broca PV, Ferreira MA. Nursing staff and nonverbal communication. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 04 jan 2019]; 18(3):703-9. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-766037

Magalhães Júnior HM, Pinto HA. Primary Care as network ordinator and care coordinator: is it still utopia? Divulg Saúde Debate [Internet]. 2014 [citado em 04 jan 2019]; 51:14-29. Disponível em: http://cebes.org.br/site/wp-content/uploads/2014/12/Divulgacao-51.pdf

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 4ed. São Paulo: Hucitec Editora; 2007. 189p.

Almeida Q, Fófano GA. Tecnologias leves aplicadas ao cuidado de enfermagem na unidade de terapia intensiva: uma revisão de literatura. HU Rev. [Internet]. 2016 [citado em 09 jan 2019]; 42(3):191-6. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2494

Oliveira JSB, Suto SS, Silva RS. Tecnologias leves como práticas de enfermagem na atenção básica. Rev Saúde.Com [Internet]. 2013 [citado em 12 dez 2019]; 12(2):613-21. Disponível em: http://www.uesb.br/revista/rsc/ojs/index.php/rsc/article/view/379/383

Silva JAM, Peduzzi M, Orchard C, Leonello VM. Interprofessional education and collaborative practice in Primary Health Care. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2015 [citado em 12 dez 2019]; 49(Esp 2):16-24. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49nspe2/en_1980-220X-reeusp-49-spe2-0016.pdf

Lakatos EM, Marconi MA. Fundamentos de metodologia científica. 8ed. São Paulo: Atlas; 2017.

Stefanelli MC, Carvalho EC. A contribuição nos diferentes contextos da enfermagem. 2ed. Barueri, SP: Manole; 2012.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196 [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 13 dez 2012 [citado em 12 dez 2019]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resoluces/2012/reso466.pdf

Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho MDB, Marcon SS. Hipertensão arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 12 dez 2019]; 22(4):547-53. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n4/pt_0104-1169-rlae-22-04-00547.pdf/

Andrade SSA, Stopa SR, Brito AS, Chueri OS, Szwarcwald SL, Malta DC. Prevalência de hipertensão arterial autorreferida na população brasileira: análise da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2015 [citado em 12 dez 2019]; 24(2):297-304. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000200012

Araújo TME, Martins GBF, Leal MSC, Souza ATS, Sousa AS, Freire VS. Prevalência da hipertensão arterial sistólica entre caminhoneiros que trafegam pela cidade de Teresina. SANARE [Internet]. 2015 [citado em 10 nov 2019]; 14(1):38-45. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/606

Oliveira MPR, Menezes IHCF, Sousa LM, Peixoto MRG. Training and Qualification of Health Professionals: factors associated to the quality of primary care. Rev Bras Educ Méd. [Internet]. 2016 [citado em 10 nov 2019]; 40(4):547-59. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbem/v40n4/1981-5271-rbem-40-4-0547.pdf

Costa JP, Jorge MSB, Vasconcelos MGF, Paula ML, Bezerra IC. Resolubilidade do cuidado na atenção primária: articulação multiprofissional e rede de serviços. Saúde debate [Internet]. 2014 [citado em 13 jan 2019]; 38(103):733-43. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38n103/0103-1104-sdeb-38-103-0733.pdf

Garuzi M, Achitti MCO, Sato CA, Rocha SA, Spagnuolo RS. Acolhimento na Estratégia Saúde da Família: revisão integrativa. Rev Panam Salud Publica [Internet]. 2014 [citado em 13 jan 2019]; 35(2):144-9. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/rpsp/v35n2/a09v35n2.pdf

Girão ALA, Freitas CHA. Usuários hipertensos na atenção primária à saúde: acesso, vínculo e acolhimento à demanda espontânea. Rev Gaúcha Enferm. [Internet]. 2016 [citado em 13 jan 2019]; 37(2):e60015. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/60015/37421

Lopes AS, Vilar RLA, Melo RHV, França RCS. The hospitality in Primary Health Care: relations of reciprocity between workers and users. Saúde Debate [Internet]. 2015 [citado em 13 jan 2019]; 39(104):114-23. DOI: 10.1590/0103-110420151040563

Camut L. Cuidado, integralidade e atenção primária: articulação essencial para refletir sobre o setor saúde no Brasil. Saúde Debate [Internet]. 2017 [citado em 07 abr 2020]; 41(115):1177-86. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711515

Valverde C. Comunicación terapéutica em enfermaría. Madri: DAE; 2007.

Engela MHT, Rodarte AC, Rotondaro Júnior A, et al. Uso das tecnologias em saúde na atenção básica às pessoas em condições de hipertensão arterial sistêmica. Rev Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J.) [Internet]. 2018 [citado em 07 abr 2020]; 10(1):75-84. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i1.75-84

Pinto AGA, Lucetti MDL, Santana KFS, Bezerra AM, Viana MCA, Jorge MSB. Gestão do cuidado e da clínica. REFACS [Internet]. 2019 [citado em 06 jan 2020]; 7(1):23-31. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/2169/pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i4.4236

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.