A(s) família(s) na atenção básica: perspectivas dos profissionais na Estratégia Saúde da Família

Antonio Rubens dos Santos Dias, Sâmia Luiza Coêlho da Silva

Resumo


Este é um estudo qualitativo, exploratório e descritivo realizado em Teresina-Piauí, em 2019, com o objetivo de discutir as perspectivas de família(s) dos profissionais que fazem parte da Estratégia Saúde da Família numa Unidade Básica de Saúde. Participaram 12 profissionais (1 médico, 3 enfermeiros, 2 agentes comunitários de saúde, 2 técnicos de enfermagem, 2 técnicos de saúde bucal e 2 dentistas), aplicando-se um roteiro de entrevista semiestruturado. A análise dos dados foi fundamentada no método de análise de conteúdo. Duas categorias empíricas emergiram: “Perspectivas de família(s) sob diferentes olhares” e “Dinâmica do cotidiano no processo de trabalho”. Os profissionais compreendem que a família é um universo que transcende a perspectiva sacralizada e idealizada baseada apenas no amor entre seus membros, apreendendo, a partir dos seus processos de trabalho que novas constituições familiares se consolidaram e que tal feito implica em novas posturas na assistência das equipes da Estratégia Saúde da Família, em busca de um cuidado integral e de qualidade, contudo, destaca-se como um desafio a ser enfrentado a dinâmica e cotidiano de trabalho.


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Atenção primária à saúde; Pessoal de saúde; Família.

Referências


Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 2.436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional da Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2017 [citado em 18 jan 2021]. Disponível em:

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Giovanella L. Atenção básica ou atenção primária à saúde? Cad Saúde Pública [Internet]. 2018 [citado em 10 nov 2020]; 34(8):1-5. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00029818

Rosa LCS, Monte MIS. Políticas públicas no contexto neoliberal: rebatimentos na classe trabalhadora. Rev SODEBRAS [Internet]. 2015 [citado em 19 jan 2021]; 10(115):109-14. Disponível em: http://www.sodebras.com.br/edicoes/N115.pdf

Brito GEG, Mendes ACG, Santos Neto PM. O objeto de trabalho na Estratégia Saúde da Família. Interface (Botucatu) [Internet]. 2018 [citado em 10 jan 2020]; 22(64):77-86. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0672

Neves RG, Flores TR, Duro SMS, Nunes BP. Tendência temporal da cobertura da Estratégia Saúde da Família no Brasil, regiões e unidades da Federação, 2006-2016. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2018 [citado em 10 nov 2020]; 27(3):1-8. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742018000300008

Santos DS, Mishima, SM Merhy EE. Processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família: potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2018 [citado em 10 nov 2020]; 23(3):861-70. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018233.03102016

Ribeiro EM. As várias abordagens da família no cenário do Programa/Estratégia de Saúde da Família (PSF). Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2004 [citado em 10 jan 2020]; 12(4):658-64. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692004000400012

Almeida PF, Medina MG, Fausto MCR, Giovanella L, Bousquat A, Mendonça MHM. Coordenação do cuidado e atenção primária à saúde no Sistema Único de Saúde. Saúde Debate [Internet]. 2018 [citado em 10 nov 2020]; 42(esp):244-60. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018S116

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 2ed. São Paulo: Editora Atlas; 2002.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 [citado em 19 jan 2021]; 24(1):17-27. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v24n1/02.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2006. (Obra original publicada em 1977).

Silva LL, Félix SBCM. Gerência e trabalho em equipe na atenção primária. In: Archanjo DR, Archanjo LR, Silva LL. Saúde da família na atenção primária. Curitiba: Editora IBPEX; 2007. p. 78-98.

Fukai L. Família: aspectos conceituais e questões metodológicas em projetos. São Paulo: FUNDAP; 1998.

Bruschini C. Teoria crítica da família. In: Azevedo MA, Guerra VNA, organizadores. Infância e violência doméstica: fronteiras do conhecimento. São Paulo: Cortez; 1993. p. 49-77.

Mioto RCT. Família e saúde mental: contribuições para reflexão sobre processos familiares. Rev Katálysis [Internet]. 1998 [citado em 10 jan 2020]; (2):20-6. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/katalysis/article/view/5573

Teixeira SM. A família na política de assistência social: concepções e as tendências do trabalho social com famílias nos CRAS de Teresina. Teresina: EDUFPI; 2013.

Campos MS. Família e proteção social: alcances e limites. In: Zola MB, organizador. Cooperação internacional para proteção de crianças e adolescentes: o direito à convivência familiar e comunitária. São Bernardo do Campo, SP: Fundação Criança de São Bernardo do Campo; 2008. p. 23-4.

Rosa LCS. A família como usuária de serviços e como sujeito político no processo de reforma psiquiátrica brasileira. In: Vasconcelos EM, coordenação. Manual de ajuda e suporte mútuos em saúde mental. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2008. (Textos de aprofundamento teórico-conceitual)

Dias MB. Manual de direitos das famílias. 4ed. São Paulo: RT; 2007.

Matos ACH. “Novas” entidades familiares e seus efeitos jurídicos. In: Pereira RC. Família e solidariedade: teoria e prática do direito de família. Rio de Janeiro: Lumen Juris; 2008. p. 35-48.

Santos AR, Carvalho MF, Santos RMM, Anjos SDS, Andrade CS. A produção do cuidado na atenção primária à saúde: uma compreensão teórico-filosófica. Ciênc Cuid Saúde [Internet]. 2018 [citado em 22 nov 2020]; 17(3):1-6. DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v17i3.39945

Galavote HS, Franco TB, Freitas PSS, Lima EFA, Garcia ACP, Andrade MAC, et al. A gestão do trabalho na estratégia saúde da família: (des)pontencialidades no cotidiano do trabalho em saúde. Saúde Soc. [Internet]. 2016 [citado em 10 jan 2020]; 25(4):988-1002. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902016158633

Ceccim RB, Kreutz JA. Prospecção de modelos tecnoassistenciais na atenção básica: protocolo de pesquisa colaborativa multissituada na educação em saúde coletiva. In: Ceccim RB, Kreutz JA, Paiva-de-Campos JD, Culau FS, Wottrich LAF, Kessler LL, organizadores. In-formes da atenção básica: aprendizados de intensidade por círculos em rede. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2016. p. 17-32.

Arantes LJ, Shimizu HE, Merchan-Hamann. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2016 [citado em 19 jan 2021]; 21(5):1499-509. DOI: 10.1590/1413-81232015215.19602015

Magnago C, Pierantoni CR. Dificuldades e estratégia de enfrentamento referentes à gestão do trabalho na Estratégia Saúde da Família, na perspectiva dos gestores locais: a experiência dos municípios do Rio de Janeiro (RJ) e Duque de Caxias (RJ). Saúde Debate [Internet]. 2015 [citado em 10 jan 2020]; 39(104):9-17. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151040194

Ramos EA, Kattah JAR, Miranda LM, Randow R, Guerra VA. Humanização na Atenção Primária à Saúde. Rev Med Minas Gerais [Internet]. 2018 [citado em 19 jan 2021]; 28(Supl 5):176-80. Disponível em: http://www.rmmg.org/exportar-pdf/2454/v28s5a27.pdf

Jorge MSB, Leitão IMTA, Sousa FSP, Brilhante APCR, Oliveira ACS. Gestão em Saúde: modelos, desafios e possibilidades. In: Silva RM, Jorge MSB, Silva Júnior AG., organizadores. Planejamento, gestão e avaliação nas práticas de saúde [Internet]. Fortaleza: Ed. UECE; 2015 [citado em 19 jan 2021]. p. 249-69. Disponível em: http://uece.br/eduece/dmdocuments/PLANEJAMENTO%20GESTAO%20E%20AVALIACAO%20NAS%20PRATICAS%20DE%20SAUDE%20-%20EBOOK%20-%20548pg.pdf

Gomes R, Lima VV. Princípios para a avaliação nos serviços de saúde. In: Silva RM, Jorge MSB, Silva Júnior AG., organizadores. Planejamento, gestão e avaliação nas práticas de saúde [Internet]. Fortaleza: Ed. UECE; 2015 [citado em 19 jan 2021]. p. 311-42. Disponível em: http://uece.br/eduece/dmdocuments/PLANEJAMENTO%20GESTAO%20E%20AVALIACAO%20NAS%20PRATICAS%20DE%20SAUDE%20-%20EBOOK%20-%20548pg.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v9i0.4270

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.