Perfil epidemiológico de Mães trabalhadoras

Edneia de Oliveira Salum, Jéssica Carvalho Lima, Patrícia Ribeiro Marcacine, Henrique Porcatti Walsh, Shamyr Sulyvan de Castro, Isabel Aparecida Porcatti de Walsh

Resumo


Este é um estudo transversal, parte do Inquérito de Saúde da Mulher, realizado em 2014 com o objetivo de analisar o perfil epidemiológico de mães trabalhadoras da zona urbana do município de Uberaba-Minas Gerais. Para os dados, considerou-se o autorrelato. Participaram 454 mulheres, com média de idade de 45,38±12,84 anos, a maioria trabalhadora informal/autônoma, com 2,64±1,48 filhos. Houve associação entre maior média de idade com maior número de filhos e maior número de partos normais. Quanto menor a renda e a escolaridade, maior o número de filhos e de partos normais. As não brancas tiveram mais partos normais. Quanto às características do trabalho, as autônomas/por conta-própria tiveram maior número de filhos que as empregadas/assalariadas. Houve alto número de relatos de depressão pós-parto, que foi associada ao maior número de filhos.


Palavras-chave


Mulheres trabalhadoras; Depressão pós-parto; Mães.

Referências


Sousa LP, Guedes DR. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estud Av. [Internet]. 2016 [citado em 09 out 2019]; 30(87):123-39. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v30n87/0103-4014-ea-30-87-00123.pdf. DOI: 10.1590/S0103-40142016.30870008

Cavalcanti NCSB, Baía DCP. Ser mãe no mundo do trabalho: notas sobre os desafios da reinserção de mulheres no mercado de trabalho após a experiência de maternidade [Internet]. In: 13º Mundo de Mulheres, 11º Fazendo Gênero: transformações, conexões, deslocamentos; 2017; Florianópolis. Florianópolis: UFSC; 2017 [citado em 09 out 2019]. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499457316_ARQUIVO_Sermaenomundodotrabalho.pdf.

Afrianty TW, Burgess J, Issa T. Family-friendly support programs and work family conflict among Indonesian higher education employees. Equal Divers Incl. [Internet]. 2015 [citado em 03 fev 2020]; 34(8):726-41. Disponível em: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/EDI-04-2015-0026/full/html

Seierstad C, Kirton G. Having it all? women in high commitment careers and work–life balance in Norway. Gend Work Organ. [Internet]. 2015 [citado em 03 fev 2020]; 22(4):390-404. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/gwao.12099. DOI: https://doi.org/10.1111/gwao.12099

Costa FA. Mulher, trabalho e família: os impactos do trabalho na subjetividade da mulher e em suas relações familiares. Pretextos - Rev Grad Psicol PUC Minas [Internet]. 2018 [citado em 03 fev 2020]; 3(6):434-52. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/15986

Henriques IF, Walsh IAP, Meirelles MCCC, Pereira GA, Castro SS. Relation of common mental disorder, physical activity and body mass index in women, population-based study. J Phys Educ. [Internet]. 2017 [citado em 03 fev 2020]; 28:e2819. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jpe/v28/2448-2455-jpe-28-e2819.pdf. DOI: 10.4025/jphyseduc.v28i1.2819

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e Estados: Minas Gerais [Internet]. [Rio de Janeiro: IBGE; 2019] [citado em 30 set 2019]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mg.html

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. SIS 2014: em nove anos, aumenta a escolaridade e o acesso ao ensino superior [Internet]. [Rio de Janeiro: IBGE]; 2014 [citado em 03 fev 2020]. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo?view=noticia&id=1&idnoticia=2796&busca=1&t=sis-2014-en-nueve-anos-aumenta-la-escolaridad-y-el-acceso-educacion

Fundação João Pinheiro. Indicadores Básicos/Documento Metodológico. Bol PAD-MG/2011. 2012; 1(3).

Alves JED, Cavenaghi S. Tendências demográficas, dos domicílios e dasfamílias no Brasil. Aparte Inc Soc Deb. [Internet]. 2012:33. Disponível em: https://docplayer.com.br/16351970-Tendencias-demograficas-dos-domicilios-e-das-familias-no-brasil.html

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde: 2013: acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências: Brasil, grandes regiões e unidades da federação [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2015 [citado em 03 fev 2020]. 100p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94074.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil em síntese: população: taxas de fecundidade toatal [Internet]. [Rio de Janeiro: IBGE; 2013] [citado em 09 out 2019]. Disponível em: https://brasilemsintese.ibge.gov.br/populacao/taxas-de-fecundidade-total.html

Haidar FH, Oliveira UF, Nascimento LFC. Escolaridade materna: correlação com os indicadores obstétricos. Cad Saúde Pública [Internet]. 2001 [citado em 03 fev 2020]; 17(4):1025-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v17n4/5309.pdf

Andrade CY, Dachs JNW. Acesso à educação por faixas etárias segundo renda e raça/cor. Cad Pesqui. [Internet]. 2007 [citado em 03 fev 2020]; 37(131):399-422. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v37n131/a0937131.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores 2009 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2009 [citado em 03 fev 2020]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv45767.pdf

Diniz CSG, Batista LE, Kalckmann S, Schlithz AOC, Queiroz MR, Carvalho PCA. Desigualdades sociodemográficas e na assistência à maternidade entre puérperas no Sudeste do Brasil segundo cor da pele: dados do inquérito nacional Nascer no Brasil (2011-2012). Saude Soc. [Internet]. 2016 [citado em 03 fev 2020]; 25(3):561-72. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v25n3/1984-0470-sausoc-25-03-00561.pdf

Enkin M, Keirse MJNC, Crowther C, Duley L, Hodnett E, Hofmeyr J. Guia para atenção efetiva na gravidez e no parto. 3ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.

D'Orsi E, Brüggemann OM, Diniz CSG, Aguiar JM, Ranier Gusman C, Torres JA, et al. Desigualdades sociais e satisfação das mulheres com o atendimento ao parto no Brasil: estudo nacional de base hospitalar. Cad Saúde Públ. [Internet]. 2014 [citado em 03 fev 2020]; 30(1):S154-S68. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0154.pdf

Pacheco VC, Silva JC, Mariussi AP, Lima MR, Silva TR. As influências da raça/cor nos desfechos obstétricos e neonatais desfavoráveis. Saúde Debate [Internet]. 2018 [citado em 03 fev 2020]; 42(116):125-37. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v42n116/0103-1104-sdeb-42-116-0125.pdf

Barata RB. Iniqüidade e saúde: a determinação social do processo saúde-doença. Rev USP [Internet]. 2001 [citado em 03 fev 2020]; 51(1):138-45. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/35108/37847

Lee S, McCann D, Messenger JC. Duração do trabalho em todo o mundo: tendências de jornadas de trabalho, legislação e políticas numa perspectiva global comparada [Internet]. Brasília: Genebra: OIT; 2009 [citado em 03 fev 2020]. Disponível em: http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---americas/---ro-lima/---ilo-brasilia/documents/publication/wcms_229714.pdf

Godoy MB, Gomes FA, Stefanello J, Monteiro JCS, Nakano AMS. Situação trabalhista da mulher no ciclo grávido-puerperal. Invest Educ Enferm. [Internet]. 2011 [citado em 03 fev 2020]; 29(1):47-53. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/iee/v29n1/v29n1a06.pdf

Nascimento GAF, Villas Bôas RV. Proteção da mulher: direito individual e social à igualdade de condições no mercado de trabalho e ao direito à maternidade. CONPEDI Law Rev. [Internet]. 2015 [citado em 03 fev 2020]; 1(6):156-72. Disponível em: https://indexlaw.org/index.php/conpedireview/article/view/3459/0. DOI: http://dx.doi.org/10.26668/2448-3931_conpedilawreview/2015.v1i6.3459

Meier A, Musick K, Flood S, Dunifon R. A well-being penalty for working mothers? Parental work arrangements and maternal well-being in two-parent families [Internet]. In: Population Association of America Annual Meeting Program; 2014; Boston. Alexandria, VA: PAA; 2014 [citado em 09 out 2019]. Disponível em: http://paa2014.princeton.edu/abstracts/141546

Folbre N. Should women care less? Intrinsic motivation and gender inequality. Brit J Ind Relat. [Internet]. 2012 [citado em 03 fev 2020]; 50(4):597-619. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/bjir.12000 26. Costa R, Pacheco A, Figueiredo B. Prevalência e preditores de sintomatologia depressiva após o parto. Rev Psiquiatr Clín. [Internet]. 2007 [citado em 03 fev 2020]; 34(4):157-65. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpc/v34n4/a01v34n4.pdf

Theme Filha MM, Ayers S, Gama SG, Leal MC. Factors associated with postpartum depressive symptomatology in Brazil: The birth in Brazil National Research Study, 2011/2012. J Affect Disord. [Internet]. 2016 [citado em 03 fev 2020]; 194:159-67. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26826865

Cox JL, Holden JM, Sagovsky R. Detection of postnatal depression. Development of the 10-item Edimburgh Postnatal Depression Scale. Br J Psychiatry [Internet]. 1987 [citado em 03 fev 2020]; 150:782-6. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3651732

Sit DK, Wisner KL. Identification of postpartum depression. Clin Obstet Gynecol. [Internet]. 2009 [citado em 03 fev 2020]; 52(3):456-68. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2736559/




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i2.4324

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.