Planejamento estratégico como ferramenta de gestão local na atenção primária à saúde

Inês Dolores Teles Figueiredo, Geanne Maria Costa Torres, José Auricélio Bernardo Cândido, Ana Patrícia Pereira Morais, Antonio Germane Alves Pinto, Maria Irismar de Almeida

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar saberes e práticas do planejamento estratégico, na perspectiva dos profissionais e gestores da Atenção Primária à Saúde. Trata-se de pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa, realizada com dez profissionais da Atenção Básica e Gestão, de um município da Região Metropolitana de Fortaleza, Ceará, Brasil, em 2016. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas e grupo focal, sendo tratados pela análise de conteúdo de Bardin. Os resultados evidenciam participantes entre 26 a 64 anos de idade, maioria do sexo feminino, graduados e tempo de atuação no serviço entre quatro meses a oito anos. Destacam a importância do planejamento estratégico, porém com uso deficitário dos instrumentos, especialmente, o relatório de gestão que favorece a análise, execução e tomada de decisão. Conclui-se que o planejamento estratégico cria novas possibilidades de transformar as práticas nos territórios, sendo imprescindível à gestão e ao fazer dos profissionais da Atenção Primária.


Palavras-chave


Planejamento em saúde; Atenção Primária à Saúde; Gestão em Saúde; Sistema Único de Saúde.

Referências


Lacerda JT, Calvo MCM, Berreta IQ, Ortiga AMB. Avaliação da gestão para o planejamento em saúde em municípios catarinenses. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2012 [citado em 07 out 2018]; 17(4):851-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n4/v17n4a08.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 399, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006. Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto [Internet]. 2006 [citado em 07 jan 2019]. Disponível em:

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0399_22_02_2006.html

Vilasbôas ALQ, Paim JS. Práticas de planejamento e implementação de políticas no âmbito municipal. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 [citado em 07 jan 2019]; 24(6):1239-50. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n6/05.pdf

Queirós OS, Costa DM, Souza ACS, Chaveiro LG, Silva ALAC, Silva DA, et al. Strategic planning of a family health unit - East Region of Goiânia. Rev Salud Pública [Internet]. 2010 [citado em 22 jan 2019]; 15(1):15-23. Disponível em: http://www.saludpublica.fcm.unc.edu.ar/sites/default/files/RSP10_1_05_art2_pp%2015_23.pdf

Anjos Filho NC, Souza AMP. A percepção sobre o trabalho em equipe multiprofissional dos trabalhadores de um Centro de Atenção Psicossocial em Salvador, Bahia, Brasil. Interface (Botucatu) [Internet]. 2017 [citado em 12 dez 2018]; 21(60):63-76. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0428.

Anunciação FC, Souza MKF. Planejamento em saúde: percepções e entendimentos sobre o Plano Municipal de Saúde. Rev Baiana Saúde Pública [Internet]. 2011 [citado em 12 dez 2018]; 35(4):845-58. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2011/v35n4/a2812.pdf

Vieira FS. Avanços e desafios do Planejamento no Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2009 [citado em 12 dez 2018]; 14(1):1565-77. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000800030

Monteiro MFV, Alves MNT, Carvalho ACO. Planificação da atenção primária à saúde: um relato de experiência. 2013 [citado em 12 nov 2018]. Disponível em:

https://docplayer.com.br/6050190-Planificacao-da-atencao-primaria-a-saude-um-relato-de-experiencia.html

Rizzoto MLF. Planejamento em saúde: aspectos históricos e metodológicos. Relatório Licença Sabática 01/09/2010 a 28/02/2011. Universidade Estadual do Oeste do Paraná; 2011. [citado em 12 nov 2018]. Disponível em: http://cac-php.unioeste.br/projetos/gpps/arq/relatorios/007.pdf

Carvalho ALB, Souza MF, Shimizu HE, Senra IMVB, Oliveira KC. A gestão do SUS e as práticas de monitoramento e avaliação: possibilidades e desafios para a construção de uma agenda estratégica. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2012 [citado em 20 jan 2019]; 17(4):901-11. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232012000400012&script=sci_abstract&tlng=pt

Silva BFS, Wandekoken KD, Dalbello-Araújo M, Benito GAV. A importância do planejamento como prática de gestão na microrregião de saúde de São Mateus (ES). Saúde Debate [Internet]. 2015 [citado em 20 jan 2019]; 39(104):183-96. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151040078

Junges JR, Barbiani R, Zoboli ELCP. Planejamento estratégico como exigência ética para a equipe e a gestão local da Atenção Básica em Saúde. Interface (Botucatu) [Internet]. 2015 [citado em 20 jan 2019]; 19(53):265-74. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/2015nahead/1807-5762-icse-1807-576220140331.pdf

Teixeira CF. Planejamento em saúde: conceitos, métodos e experiências. Salvador: EDUFBA; 2010. 161p.

Prefeitura Municipal de Maracanaú. Secretaria Municipal de Saúde. Relatório de Gestão, 2014. Maracanaú, CE: Prefeitura Municipal. 283p.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [Internet]. Brasília, DF: CNS; 2013 [citado em 10 fev 2019]. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Lino ALPS, Alecrim ES. Mulher e desenvolvimento: desigualdades no mercado de trabalho. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress [Internet]; 2017; Florianópolis. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2017 [citado em 26 fev 2019]. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1503430334_ARQUIVO_Artigo_completo_Mulheres_Desigualdades_Trabalho_ALPS_MM_FG.pdf

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Brasil). PNAD 2009 - Primeiras análises: o mercado de trabalho brasileiro em 2009 [Internet]. Brasília, DF: IPEA; 2010 [citado em 26 fev 2019]. (Comunicados do Ipea; v. 62). Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/100923_comunicadoipea62.pdf

Siqueira RAN. Tendências da educação matemática na formação de professores. (monografia). Ponta Grossa, PR: ¬ Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 2007. 50 f.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Brasil). Mulheres e trabalho: breve análise do período 2004-2014 [Internet]. Brasília, DF: IPEA; 2016 [citado em 20 jan 2019]. (Nota Técnica; n. 24). Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/6524/1/Nota_n24_Mulheres_trabalho.pdf

Eberhardt LD, Carvalho M, Murofuse NT. Vínculos de trabalho no setor saúde: o cenário da precarização na macrorregião Oeste do Paraná. Saúde Debate [Internet]. 2015 [citado em 20 fev 2019]; 39(104):18-29. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151040432

Pinto AGA, Lucetti MDL, Santana KFS, Bezerra AM, Viana MCA, Jorge MSB. Clinical and care management in the assistance of users of the Family Health Strategy. REFACS [Internet]. 2019 [citado em 10 fev 2019]; 7(1):23-31. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/2169/pdf

Ferreira J, Cellupi IC, Baseggio L, Geremia DS, Madureira VSF, Souza JB. Planejamento regional dos serviços de saúde: o que dizem os gestores? Saúde Soc. [Internet]. 2018 [citado em 20 fev 2019]; 27(1):69-79. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v27n1/1984-0470-sausoc-27-01-69.pdf

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Curso de Especialização Multiprofissional na Atenção Básica. Planejamento na Atenção Básica: versão adaptada do curso de Especialização Multiprofissional em Saúde da Família. [Internet]. Universidade Federal de Santa Catarina, Lacerda JT, Botelho LJ, Colussi CF. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2013 [citado em 20 fev 2019]. 64 p. (Eixo 2 – O trabalho na Atenção Básica). Disponível em: https://unasus2.moodle.ufsc.br/pluginfile.php/19819/mod_resource/content/3/AtencaoBasica_4Planejamento.pdf

Araújo, LG. Orçamento público: instrumento de planejamento e controle no município de Queluz SP [Internet]. [monografia]. Curitiba: Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 2014 [citado em 20 fev 2019]. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/3738/1/CT_GPM_2013_14.pdf

Merhy EE. O conhecer militante do sujeito implicado: o desafio de reconhecê-lo como saber válido. In: Franco TB, Peres MAA, Foschiera MMP. Acolher Chapecó: uma experiência de mudança do modelo assistencial, com base no processo de trabalho. São Paulo: Hucitec; 2004. (Saúde em debate; n. 157).

Sutil ADC, Lima RCD, Freitas PSS, Felsky CN, Galavote HS. The manager’s speech of the Family Health Strategy on decision making in healthcare management: a challenge for the Unified Health System. Saúde Debate [Internet]. 2015 [citado em 20 fev 2019]; 39(104):172-82. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v39n104/0103-1104-sdeb-39-104-00172.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). Manual de planejamento no SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz; 2015.

Mendes EV. Os sistemas de serviços de saúde: o que os gestores deveriam saber sobre essas organizações complexas. Fortaleza: Escola de Saúde Pública do Ceará; 2002.

Silva CSSL, Koopmans FF, Daher DV. O Diagnóstico Situacional como ferramenta para o planejamento de ações na Atenção Primária a Saúde. Revista Pró-univer SUS [Internet]. 2016 [citado em 26 mar 2019]; 7(2):30-3. Disponível em: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RPU/article/view/345/526

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Brasil). A gestão do SUS. Brasília, DF: CONASS; 2015. 133p.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i1.4454

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.