Fragilidades que afastam e desafios para fixação dos médicos da Estratégia de Saúde da Família

Vera Gardênia Alves Viana, Maysa Ferreira Martins Ribeiro

Resumo


O objetivo deste estudo é compreender quais aspectos contribuem para afastar os médicos da Estratégia Saúde da Família. Estudo descritivo, exploratório de cunho qualitativo com aporte na Teoria Fundamentada nos Dados. A coleta de dados foi feita entre janeiro e julho de 2016, com entrevistas semiestruturadas. Participaram 10 médicos que atuam na Estratégia da Saúde da Família, em municípios do sudoeste baiano. O processo de análise sistemática dos dados permitiu construir um modelo teórico interpretativo do fenômeno do estudo, intitulado: Fragilidades que afastam e desafios para a fixação dos médicos da Estratégia Saúde da Família e comprometem a assistência, sustentado por três categorias: Déficits na formação médica e falta de incentivo para atuação na APS, representando condições que comprometem a fixação do médico na ESF; Influência político-partidária e Comodidades para atuação na ESF, que destaca ações e interações que fragilizam o sistema; e, Rotatividade e prejuízos na assistência, apontando as consequências do déficit na operacionalização do sistema. Falhas na formação, ausência de um plano de carreira e déficits operacionais afastam os médicos da Estratégia de Saúde da Família, comprometendo o direito da população à saúde.


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Atenção primária à saúde; Médicos de família; Reorganização de recursos humanos.

Referências


Giovanella L. Atenção básica ou atenção primária à saúde? Cad Saúde Pública [Internet]. 2018 [citado em 10 fev 2019]; 34(8):e00029818. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n8/1678-4464-csp-34-08-e00029818.pdf

Cecilio LCO, Reis AAC. Apontamentos sobre os desafios (ainda) atuais da atenção básica à saúde. Cad Saúde Pública [Internet]. 2018 [citado em 10 fev 2019]; 34(8)e00056917. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n8/1678-4464-csp-34-08-e00056917.pdf

Lima LD, Carvalho MS, Coeli CM. Médicos, política e sistemas de saúde. Cad Saúde Pública [Internet]. 2019 [citado em 10 fev 2019]; 35(1):e00237418. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v35n1/1678-4464-csp-35-01-e00237418.pdf

Reis V. Nota ABRASCO sobre a saída dos médicos cubanos do Mais Médicos [Internet]. Rio de Janeiro: ABRASCO; 18 nov 2018 [citado em 11 de fev 2019]. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/outras-noticias/notas-oficiais-abrasco/nota-abrasco-sobre-saida-dos-medicos-cubanosdo-programa-mais-medicos-para-o-brasil/38190/

Scheffer M, Cassenote A, Guilloux AGA, Biancarelli A, Miotto BA, Mainardi GM. Demografia médica no Brasil 2018. São Paulo, SP: FMUSP, CFM, CREMESP; 2018. 286p.

Lima CP. Comparando a saúde no Brasil com os países OCDE: explorando dados de saúde pública [Internet]. [dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas; 2016 [citado em 18 jan 2021]. 140p. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/16503

Chen LC. Striking the right balance: health workforce retention in remote and rural areas. Bull WHO [Internet]. 2010 [citado em 11 de fev 2019]; 88(5):323. Disponível em: https://www.who.int/bulletin/volumes/88/5/10-078477/en/

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Objetivos de desenvolvimento do milênio: relatório nacional de acompanhamento [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010 [citado em 18 jan 2021]. Disponível em: http://www.redeblh.fiocruz.br/media/relnacodm.pdf

Presidência da República (Brasil). Lei nº 13. 958 de 18 de dezembro de 2019. Institui o Programa Médicos pelo Brasil [Internet]. Brasília, DF; 2019 [citado em 11 nov 2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/L13958.htm

Presidência da República (Brasil). Lei nº 12871 de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências [Internet]. Brasília, DF; 2013 [citado em 11 fev 2019]. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12871.htm

Giovanella L, Bousquat A, Almeida PF, Melo EA, Medina MG Aquino R, et al. Médicos pelo Brasil: caminho para a privatização da atenção primária à saúde no Sistema Único de Saúde? Cad Saúde Pública [Internet]. 2019 [citado em 11 nov 2020]; 35(10):e00178619. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v35n10/1678-4464-csp-35-10-e00178619.pdf

Corbin J, Strauss A. Basics of qualitative research: techniques and procedures for developing Grounded Theory. 4th ed. Los Angeles (CA): SAGE; 2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2017 [citado em 06 abr 2017]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/

Stella RCR, Abdalla IG, Lampert JB, Perin GL, Aguilar-da-Silva RH, Costa NMSC. Cenários de prática e a formação médica na assistência em saúde. Rev Bras Educ Med. [Internet]. 2009 [citado em 18 fev 2019]; 33(Supl 1):63-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000500007

Cortez LR. The retention of physicians to primary health care in Brazil: motivation and limitations from a qualitative perspective. BMC Health Serv Res. [Internet]. 2019 [citado em 15 mar 2019]; 57:2019. DOI: 10.1186/s12913-018-3813-3. Disponível em:

https://bmchealthservres.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12913-018-3813-3

Goncalves RJ, Soares RA, Troll T, Cyrino EG. Ser médico no PSF: formação acadêmica, perspectivas e trabalho cotidiano. Rev Bras Educ Med. [Internet]. 2009[citado em 18 fev 2019]; 33(3):382-92. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbem/v33n3/09.pdf

Pierantoni CR, Vianna CMM, França T, Magnago C, Rodrigues MPS. Rotatividade da força de trabalho médica no Brasil. Saúde Debate [Internet]. 2015 [citado em 11 fev 2019]; 39(106):637-47. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151060003006

Alves SMC, Oliveira FP, Matos MFM, Santos LMP, Delduque MC. Cooperação internacional e escassez de médicos: análise da interação entre Brasil, Angola e Cuba. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2017 [citado em 18 fev 2019]; 22(7):2223-35. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017227.03512017

Organization for Economic Co-operation and Development (France). Health workforce policies in OECD countries: right jobs, right skills, right places [Internet]. Paris: OECD; 2016 [citado em 10 mar 2019]. Disponível em: http://www.oecd.org/publications/health-workforce-policies-in-oecd-countries-9789264239517-en.htm

Lima L, Pires DEP, Forte ECN, Medeiros F. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissionais de saúde da atenção básica. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 18 de fev 2019]; 18(1):17-24. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140003

Soratto J, Pires DEP, Trindade LL, Oliveira JSA, Forte ECN, Melo TP. Insatisfação no trabalho de profissionais da saúde na Estratégia da Saúde da Família. Texto & Contexto Enferm. [Internet]. 2017 [citado em 15 mar 2019]; 26(3):e2500016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v26n3/0104-0707-tce-26-03-e2500016.pdf

Albuquerque GS, Cordeiro G, Murakami VYC, Taveira BLS, Carvalho ILF, Lima RL, et al. Satisfação dos médicos no trabalho da atenção primária à saúde. Rev APS [Internet]. 2017 [citado em 15 mar 2019]; 20(2):221-30. Disponível em:

https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15878

Stralen ACSV, Massote AW, Carvalho CL, Girardi SN. Percepção de médicos sobre os fatores de atração e fixação em áreas remotas e desassistidas: rota da escassez. Physis [Internet]. 2017 [citado em 10 de mar 2019]; 27(01):147-72 DOI:

https://doi.org/10.1590/S0103-73312017000100008

Fontenelle LF. Mudanças recentes na Política Nacional da Atenção Básica: uma análise crítica. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 2012 [citado em 10 mar 2019]; 7(22):5-9. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(22)417

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 2.436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional da Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2017 [citado em 18 jan 2021]. Disponível em:

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Morosini MVGC, Fonseca AF, Lima LD. Política Nacional de Atenção Básica 2017: retrocessos e riscos para o Sistema Único de Saúde. Saúde Debate [Internet]. 2018 [citado em 15 de mar 2019]; 42(116):11-24. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v42n116/0103-1104-sdeb-42-116-0011.pdf

Andrade LR, Pinto ICM, Soares CLM, Silva VO. Provimento e fixação de médicos na atenção à saúde no estado da Bahia. Rev Adm Pública [Internet]. 2019 [citado em 11 de nov 2020]; 53(3):505-19. Disponível em:

https://www.scielo.br/pdf/rap/v53n3/1982-3134-rap-53-03-505.pdf

Massuda A. Mudanças no financiamento da Atenção Primária à Saúde no sistema de saúde brasileiro: avanço ou retrocesso? Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2020 [citado em 13 de nov 2020]; 25(4):1181-8. Disponível em:

https://www.scielosp.org/article/csc/2020.v25n4/1181-1188/

Machado HSV, Melo EA, Paula LGN. Medicina de família e comunidade na saúde suplementar do Brasil: implicações para o Sistema Único de Saúde e para os médicos. Cad Saúde Pública [Internet]. 2019 [citado em 13 de nov 2020]; 35(11):e00068419. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csp/2019.v35n11/e00068419/pt/

Cecílio LCO, Reis AAC. Notas sobre os desafios persistentes da atenção básica à saúde no Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2018 [citado em 01 mar 2020]; 34(8):e00056917. Disponível em: https://scielosp.org/pdf/csp/2018.v34n8/e00056917/pt




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v9i0.4462

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.