Percepção da família acerca do suporte profissional recebido em um serviço de saúde mental infanto-juvenil

Ingrid Moreira dos Santos, Belisa Vieira da Silveira, Adaene Alves Machado de Moura, Sandra Cristina Pillon

Resumo


Este é uma pesquisa qualitativa realizada em Belo Horizonte/MG, ocorrida no primeiro semestre de 2018, com o objetivo de conhecer a percepção da família sobre o suporte profissional recebido em um serviço de saúde mental infanto-juvenil. Os dados foram coletados por entrevista com roteiro semiestruturado e os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo proposta por Bardin. Participaram nove familiares de adolescentes em tratamento e três profissionais de saúde. Três categorias foram construídas: Transtorno mental e Adolescência, Transtorno mental e Família e, Tratamento oferecido ao familiar no serviço. Os familiares relatam que gostariam que o serviço desenvolvesse atividades de escuta com mais frequência, uma vez que se sentiam fragilizados e receosos a respeito da condição clínica do adolescente. Em contrapartida, os profissionais de saúde realizam poucos encontros com os familiares devido à sobrecarga de trabalho. Percebe-se a necessidade de ações e atendimentos mais frequentes direcionados aos familiares para aliviar as angústias decorrentes do transtorno mental do adolescente em tratamento.


Palavras-chave


Serviços de saúde mental; Adolescente; Família.

Referências


Savage JE, Rose RJ, Pulkkinen L, Silventoinen K, Korhonen T, Gillespie N, et al. Early maturation and substance use across adolescence and young adulthood: a longitudinal study of Finnish twins. DevPsychopathol. [Internet]. 2017 [citado em 21 fev 2020]; 30(1):79-92. DOI: 10.1017/s0954579417000487

World Health Organization. Health for the World's adolescents: a second chance in the second decade [Internet]. Geneva: WHO; 2014 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: https://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/second-decade/en/

Sawyer SM, Afifi RA, Bearinger LH, Blakemore SJ, Dick B, Ezeh AC, et al. Adolescence: a foundation for future health. Lancet [Internet]. 2012 [citado em 21 fev 2020]; 379(1):1630-40. DOI: 10.1016/s0140-6736(12)60072-5

Organização Mundial da Saúde. OMS: 1 em cada 5 adolescentes enfrenta problemas de saúde mental [Internet]. Brasília, DF: OMS Brasil;2018 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-1-em-cada-5-adolescentes-enfrenta-problemas-de-saude-mental/

Martín Gutiérrez R, Payá González B. Las Psicosis de inicio temprano: una revisión. Rev Psiquiatr Infanto-Juv. [Internet]. 2016 [citado em 21 fev 2020]; 33(4):458-68. DOI: https://doi.org/10.31766/revpsij.v33n4a2

Trotman HD, Holtzman CW, Ryan AT, Shapiro DI, MacDonald AN, Goulding SM, et al. The development of psychotic disorders in adolescence: a potential role for hormones. Horm Behav. [Internet]. 2013 [citado em 21 fev 2020]; 64(2):411-9. DOI: 10.1016/j.yhbeh.2013.02.018

Jaworska N, MacQueen G. Adolescence as a unique developmental period. J Psychiatry Neurosci. [Internet]. 2015 [citado em 21 fev 2020]; 40:291-3. DOI: 10.1503/jpn.150268

Rodríguez-Meirinhos A, Antolín-Suárez L, Oliva A. Support needs of families of adolescents with mental illness: a systematic mixed studies review. Arch PsychiatrNurs. [Internet]. 2018 [citado em 21 fev 2020]; 32:152-63. DOI: https://doi.org/10.1016/j.apnu.2017.09.004

Huang L, Stroul B, Friedman R, Mrazek-Rochester P, Friesen B, Pires S, et al. Transforming mental health care for children and their families. AmPsychol. [Internet]. 2005 [citado em 21 fev 2020]; 60: 615-27. DOI: 10.1037/0003-066X.60.6.615

Martins PPS, Guanaes-Lorenzi C. Participação da família no tratamento em saúde mental como prática no cotidiano do serviço. Psicol Teor Pesqui. [Internet]. 2016 [citado em 21 fev 2020]; 32(4):1-9. DOI:10.1590/0102.3772e324216

Fernandes CSNNN, Nóbrega MPSS, Angelo M, Torre MI, Chaves SCS. Importância das famílias nos cuidados à pessoa com transtorno mental: atitudes de enfermeiros. Esc Anna Nery Rev Enf. [Internet]. 2018 [citado em 21 fev 2020]; 22(4):1-8. DOI: 10.1590/2177-9465-EAN-2018-0205

Bademli K, Duman ZC. Effects of a family to family support program on mental health and coping strategies of caregivers of adults with mental illness: a randomized controlled study. ArchPsychiatrNurs. [Internet]. 2014 [citado em 21 fev 2020]; 28:392-8. DOI: 10.1016/j.apnu.2014.08.011

Silva EM, Jorge MSB, Queiroz MVO. Perspectiva da família na convivência com o ser portador de esquizofrenia. Rev Rene [Internet]. 2016 [citado em 21 fev 2020]; 4(2):53-60. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/5698/4085

Jiménez L, Hidalgo V, Baena S, León A, Lorence B. Effectiveness of Structural–Strategic Family Therapy in the treatment of adolescents with mental health problems and their families. InterJEnvironResPublic Health [Internet]. 2019 [citado em 21 fev 2020];16(7):1-14. DOI: 10.3390/ijerph16071255

Brasil. Lei Federal 10.216 de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental [Internet]. Brasília, DF; 2001 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm

Ministério da Saúde (Br). Atenção psicossocial a criança e adolescente no SUS: tecendo redes para garantir direitos [Internet]. Brasília, DF;2014 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_psicossocial_criancas_adolescentes_sus.pdf

Eassom E, Giacco D, Dirik A, Priebe S. Implementing family involvement in the treatment of patients with psychosis: a systematic review of facilitating and hindering factors. BMJ Open [Internet]. 2014 [citado em 21 fev 2020]; 4(10):1-12. DOI: 10.1136/bmjopen-2014-006108

Oliveira RMP, Loyola CM. Família do paciente psiquiátrico: o retrato de uma ilustre desconhecida. Acta Sci, Health Sci. [Internet]. 2004 [citado em 21 fev 2020]; 26(1):213-22. DOI: 10.4025/actascihealthsci.v26i1.1679

Gil AC. Como elaborar projeto de pesquisa.5ed. São Paulo: ATLAS S.A.; 2010. 184 p.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Públ. [Internet]. 2008 [citado em 21 fev 2020]; 24(1):17-27. DOI: 10.1590/S0102-311X2008000100003

Bardin L. Análise de conteúdo. Pinheiro LA, tradutor. São Paulo: Edições 70; 2016.

Guedes OS, Daros MA. O cuidado como atribuição feminina: contribuições para um debate ético. Serv Soc Rev. [Internet]. 2009 [citado em 21 fev 2020]; 12(1):122-34. DOI: 10.5433/1679-4842.2009v12n1p122

Duarte RA. Configurações familiares e papel da mulher na política de saúde mental no Brasil. Gênero [Internet]. 2015 [citado em 21 fev 2020]; 16(1):155-78. DOI: 10.22409/rg.v16i1.750

Apter G, Bobin A, Genet MC, Gratier M, Devouche E. Update on mental health of infants and children of parents affected with mental health issues. Curr Psychiatry Rep. [Internet]. 2017 [citado em 21 fev 2020]; 19(10):72. DOI: 10.1007/s11920-017-0820-8

World Health Organization. The health and social effects of nonmedical cannabis use [Internet]. Geneva: WHO; 2016 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: https://www.who.int/substance_abuse/publications/msbcannabis.pdf

Pereira MAO, Pereira JA. Transtorno mental: dificuldades enfrentadas pela família. RevEscEnferm USP [Internet]. 2003 [citado em 21 fev 2020]; 37(4):92-100. DOI:101590/S0080-62342003000400011

Avanci JQ, Assis SG, Oliveira RVC, Ferreira RM, Pesce RP. Fatores associados aos problemas de saúde mental em adolescentes. Psicol Teor Pesq. [Internet]. 2007 [citado em 21 fev 2020]; 23(3):287-94. DOI: 10590/S0102-37722007000300007

Thiengo DL, Cavalcante MT, Lovisi GM. Prevalência de transtornos mentais entre crianças e adolescentes e fatores associados: uma revisão sistemática. J Bras Psiquiatr. [Internet]. 2014 [citado em 21 fev 2020]; 63(4):360-72. DOI: 10590/0047-2085000000085

Ministério da Saúde (Br). Legislação em saúde mental: 1990-2004 [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2004 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/legislacao_saude_mental_1990_2004_5ed.pdf

Lebow JL, Stroud CB. Family therapy. New York: American Psychological Association; 2016.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i0.4643

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.