A formação universitária e a escuta da violência

Bruna Afonso Gibim, Anamaria Silva Neves

Resumo


Esta é uma pesquisa qualitativa ancorada no método psicanalítico, realizada em 2016 e que teve como objetivo apreender os desafios e as possibilidades do profissional em formação frente à escuta da violência. O estudo se configurou com base em 18 encontros de 2013 a 2015 do Projeto de Extensão (Re)significando a dor e superando o silêncio: a assistência à vítima de violência sexual”, formado por 13 graduandos dos cursos de Enfermagem, Medicina e Psicologia de uma universidade pública federal. Apresenta-se falas dos alunos sobre a compreensão da violência após a participação no grupo com uso do grupo operativo e grupo de discussão e, como registro para análise, utilizou-se o diário clínico. A pesquisa permitiu identificar desafios na formação universitária em relação à escuta do sofrimento e demonstrou a importância de reconhecer e dar lugar às mobilizações que a escuta da violência produz nos sujeitos que se abrem, ética e politicamente, para tal escuta.


Palavras-chave


Violência; Psicanálise; Universidades; Saúde Pública.

Referências


Schafranski MD. A educação e as transformações da sociedade. Publicatio UEPG [Internet]. 2005 [citado em 24 jun 2020]; 13(2):101-12. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/humanas/article/view/550/549

Cerqueira C, Lima RS, Bueno S, Neme C, Ferreira H, Coelho D, et al. Atlas da violência 2018. Brasília, DF: IPEA; 2018.

Waiselfisz JJ. Mapa da violência: os jovens do Brasil. Brasília, DF: Juventude Viva; 2014.

Sanches L, Araujo G, Ramos M, Rozin L, Rauli P. Violência sexual infantil no Brasil: uma questão de saúde pública. Rev Iberoamer Bioét. [Internet]. 2019 [citado em 28 out 2019]; 0(9):1-13. DOI: https://doi.org/10.14422/rib.i09.y2019.003

Nunes AJ, Sales MCV. Violência contra crianças no cenário brasileiro. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2016 [citado em 28 out 2019]; 21(3):871-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015213.08182014

Duarte BAR, Junqueira MAB, Guiliani CD. Vítimas de violência: atendimento dos profissionais de enfermagem em atenção primária. REFACS [Internet]. 2019 [citado em 28 out 2019]; 7(3):401-11. DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i3.3760

Nicolau IF, Prado JA, Gonçalves LPP, Pacheco RF, Souza SD. Considerações acerca da atuação da psicologia frente a situações de violência em um hospital de urgência e emergência. Rev Méd Minas Gerais [Internet]. 2018 [citado em 25 jun 2020]; 28(5):98-104. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/2444

Bezerra B. Prefácio: tecendo a rede. In: Vieira MCT, Vicentin MCG, Fernandes MIA, editores. Tecendo a rede: trajetórias da saúde mental em São Paulo. Taubaté: Cabral Editora Universitária; 1999. p. 4-7.

Pichon-Rivière E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes;1983.

Fernandes, WJ. Os diferentes objetivos do trabalho grupal. In: Fernandes WJ, Svartman B, Fernandes BS, organizadores. Grupos e configurações vinculares. Porto Alegre: Artmed; 2003. p. 185-99.

Fernandes, WJ. Grupos de reflexão e grupos de discussão. In: Fernandes WJ, Svartman B, Fernandes BS, organizadores. Grupos e configurações vinculares. Porto Alegre: Artmed; 2003. p. 200-15.

Iribarry IN. O que é pesquisa psicanalítica? Ágora [Internet]. 2003 [citado em 25 jun 2020]; 6(1):115-138. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/agora/v6n1/v6n1a07.pdf

Minerbo M. Tentativa e erro na escuta do infantil. Percurso. 2009; 21(42):57-66.

Bondía JL. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Rev Bras Educ. [Internet]. 2002 [citado em 25 jun 2020]; 26(9):20-8. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf

Silva MD. O cuidado na saúde pública: potencialidades de uma clínica em movimento. ECOS [Internet]. 2016 [citado em 25 jun 2020]; 6(1):64-76. Disponível em: http://www.periodicoshumanas.uff.br/ecos/article/view/1843/0

Cazanatto E, Martta MK, Bisol CA. A escuta clínica psicanalítica em uma instituição pública: construindo espaços. Psicol Ciênc Prof. [Internet]. 2016 [citado em 25 jun 2020]; 36(2):486-96. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=282046232021

Pichon-Rivière E. Teoria do vínculo. São Paulo: Martins Fontes; 1988.

Zugno DS, Mafalda DRS, Martins RV, Ubessi LD. A clínica psicanalítica em uma equipe de saúde mental do SUS. Rev Contexto Saúde [Internet]. 2015 [citado em 28 out 2019]; 15(28):32-40. DOI: https://doi.org/10.21527/2176-7114.2015.28.32-40

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde [Internet]. 2ed. 5reimpr. Brasília, DF: Editora MS; 2010 [citado em 25 jun 2020]. (Série B. Textos básicos de saúde). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento_praticas_producao_saude.pdf

Aragão R, Marin ISK. Entre o estranho e o familiar: desafios para a prevenção. Estilos Clín. [Internet]. 2014 [citado em 25 jun 2020]; 19(1):57-66. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/estic/v19n1/a04v19n1.pdf

Ceccarelli PR. Laço social: uma ilusão frente ao desamparo. Reverso [Internet]. 2009 [citado em 25 jun 2020]; 31(58):33-41. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/reverso/v31n58/v31n58a04.pdf

Marin ISK. Sofrimento e violência na contemporaneidade: destinos subjetivos. In: Sandler PC, organizador. Leituras psicanalíticas da violência. São. Paulo: Casa do Psicólogo; 2004. p. 85-100.

Gomes LRS, Neves AS. A clínica de família: interrogações sobre o traumático, a dinâmica vincular e a violência como organizadores do grupo familiar. Estilos Clínica [Internet]. 2016 [citado em 28 out 2019]; 21(1):152-69. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/estic/article/view/117780

Ferrari V, Pellion F. Experiências discursivas na universidade: o saber e os discursos. Subjetividades [Internet]. 2011 [citado em 25 jun 2020]; 11(3):1231-64. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/rmes/article/view/5018

Freud S. Deve-se ensinar a psicanálise nas universidades? In: Freud S. Obras completas. São Paulo: Companhia das Letras; 1919. v. 19, p. 286-7.

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Notificação de violências interpessoais e autoprovocadas [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2017 [citado em 25 jun 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/notificacao_violencias_interpessoais_autoprovocadas.pdf

Marin ISK. Violências. São Paulo: Escuta Fapesp; 2002.

Costa LBL, Gibim BA, Tilio R. Considerações acerca da clínica: relato de experiência de estágio com mulheres em situação de violência. In: Pereira D, organizador. Diversidade: diferentes, não desiguais. Ponta Grossa: Atena Editora; 2019. p. 88-93.

Nunes RM, Maurano D. A escuta como estratégia de resistência política. Psicanálise Barroco [Internet]. 2015 [citado em 25 jun 2020]; 13(2):102-16. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/psicanalise-barroco/article/view/7336/6464




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i0.4745

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.