Relações sociais de adolescentes com transtorno do déficit de atenção com hiperatividade

Fernanda Bachur Resende, Erika Renata Trevisan, Andrea Ruzzi Pereira

Resumo


Esta é uma pesquisa exploratória e descritiva, de natureza qualitativa, realizada em 2016, com o objetivo de analisar e descrever as relações sociais de adolescentes com transtorno do déficit de atenção com hiperatividade em tratamento no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil. Participaram cinco adolescentes em tratamento, utilizando um roteiro de entrevista semiestruturado que abordou as relações sociais e aspectos sobre o entretenimento. Obtiveram-se três categorias: Entretenimento, Amizade e Família. Verificou-se boas relações sociais com amigos e familiares; e que o entretenimento se faz presente na vida diária dos adolescentes. Apesar da presença de transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, os adolescentes não são excluídos por seus amigos e familiares.


Palavras-chave


Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade; Participação social; Adolescente.

Referências


Presidência da República (Brasil). Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 16 jul 1990 [citado em 27 out 2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Garcia NR, Pacciulio AM, Panúncio-Pinto MP, Pfeifer LI. Intervenção terapêutica ocupacional junto a adolescentes com câncer em contexto hospitalar. Rev Bras Cancerol. [Internet]. 2011 [citado em 27 out 2019]; 57(4):519-24. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/site/arquivos/n_57/v04/pdf/08_artigo_intervencao_terapeutica_ocupacional_junto_adolescentes_com_cancer_em_contexto_hospitalar.pdf

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2004 [citado em 25 jun 2020]. 86 p. (Série F. Comunicação e educação em saúde). Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf

Santos DFM, Tuleski SC, Franco AF. TDAH e boa avaliação no IDEB: uma correlação possível? Psicol Esc Educ. [Internet]. 2016 [citado em 27 de out 2019]; 20(3):515-22. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539201502031037

Oliveira CT, Dias ACG. Psicoeducação do transtorno do déficit de atenção/hiperatividade: o que, como e para quem informar? Temas Psicol. [Internet]. 2018 [citado em 27 de out 2019]; 26(1):243-61. DOI: http://dx.doi.org/10.9788/tp2018.1-10pt

American Occupational Therapy Association. Estrutura da prática da terapia ocupacional: domínio e processo. Rev Ter Ocup USP [Internet]. 2018 [citado em 27 de out 2019]; 26(esp):1-49. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26iespp1-49

Rohde LA, Miguel Filho EC, Benetti L, Gallois C, Kieling C. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade na infância e na adolescência: considerações clínicas e terapêuticas. Rev Psiquiatr Clin. [Internet]. 2004 [citado em 27 de out 2019]; 31(3):124-31. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpc/v31n3/a02v31n3.pdf

Braun V, Clarke V. Successful qualitative research: a practical guide for beginners. London: Sage; 2013. 396p.

Bardin L. Análise de conteúdo. 4ed. Lisboa, Portugal: Edições 70; 2010.

Classificação Internacional das Doenças - CID - 10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artmed; 1993. 105p.

Brandolise, FM. Desenvolvimento humano, brincadeira, educação infantil e as contribuições de Vigotski e Winnicott [dissertação]. Piracicaba, SP: Universidade Metodista de Piracicaba; 2018. 126p.

Ribeiro, FS, Santos, FH. Enhancement of numeric cognition in children with low achievement in mathematic after a non-instrumental musical training. Res Dev Disabil. [Internet]. 2017 [citado em 27 de out 2019]; 62:26-39. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ridd.2016.11.008

Sutoo D, Akiyama K. Music improves dopaminergic neurotransmission: demonstration based on the effect of music on blood pressure regulation. Brain Res. [Internet]. 2004 [citado em 27 de out 2019]; 1016(2):255-62. DOI: https://doi.org/10.1016/j.brainres.2004.05.018

Rangel Júnior EB, Loos H. Escola e desenvolvimento psicossocial segundo percepções de jovens com TDAH. Paidéia (Ribeirão Preto) [Internet]. 2011 [citado em 27 de out 2019]; 21(50):373-82. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2011000300010

Coelho, CMM. Inclusão escolar. In: Maciel DA, Barbato S. organizadoras. Desenvolvimento humano, educação e inclusão social. 2ed. Brasília, DF: UNB; 2015. p. 59-76.

Cunha ACT. Importância das atividades lúdicas na criança com hiperatividade e défice de atenção segundo a perspectiva dos professores [dissertação]. Lisboa, Portugal: Escola Superior de Educação João de Deus; 2012. 105p.

Costa RDB, Costa CB, Mosmann CP, Falcke D. Experiências na família de origem que repercutem no clima familiar dos descendentes. Estud Pesqui Psicol. [Internet]. 2018 [citado em 27 de out 2019]; 18(2):408-25. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v18n2/v18n2a02.pdf

Amoris TKB. Patologização e TDAH: a importância de considerar a influência do meio, dos aspectos sociais e culturais. Rev Cient Eletr Psicol. [Internet]. 2018 [citado em 27 de out 2019]; 31(1):79-88. Disponível em: http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/qbthx1YD5rdU20V_2019-3-8-17-26-39.pdf

Silva VMB. O diagnóstico do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e seu tratamento medicamentoso: vivências de mães de crianças diagnosticadas (dissertação). Maringá, PR: Universidade Estadual de Maringá; 2016. 128p.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i0.4747

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.