O morrer para graduandos em Enfermagem: a contribuição da Psicologia

Gheysa Alves Mendonça, Valtuir Duarte Souza Júnior, Nivea Lourenço Mendes Santos, Álvaro Silva Santos

Resumo


A morte para a enfermagem representa uma experiência calcada no saber científico com influência de determinações psicossociais, requerendo assim subsídios de natureza psicológica. O objetivo deste estudo é investigar a percepção de estudantes de enfermagem frente ao processo de morrer e a morte em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com análise de contribuição da psicologia. Pesquisa qualitativa com utilização de entrevista individual semiestruturada e método de Adaptação da Análise de Conteúdo. Os dados foram divididos em duas categorias: concepção prévia e contextualização da situação. A falta de preparo teórico prática e de apoio psicológico para lidar com a morte mostrou-se evidente. A psicologia deve proporcionar subsídios para o exercício da enfermagem através de ações para compreensão e enfrentamento do processo de morrer e da morte.


Palavras-chave


Psicologia; Enfermagem; Atitude frente a morte

Texto completo:

PDF

Referências


Combinato DS, Queiroz M. Morte: Uma visão psicossocial. Estudos de Psicologia (Natal). 2006; 11:209-216.

Oliveira WIA, Amorin RC. A morte e o morrer no processo de formação do enfermeiro. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2008; 29: 191-198.

Rodrigues JC. Higiene e ilusão. Rio de Janeiro: NAU; 1995.

Elias N. A solidão dos moribundos, seguido de envelhecer e morrer. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2001.

Bellato R, Araújo AP, Ferreira HF, Rodrigues PF. Abordagem do processo do morrer e da morte feita por docentes em um curso de graduação em enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem. 2007; 20:255-263.

Rezende T, Silva RM. A qualidade de vida no trabalho dos profissionais da área de enfermagem: Um estudo a partir do modelo teórico de Hackman & Oldham. Estudos e Pesquisas em Psicologia. 2008; 8:685-703.

Borges ADVS, Silva EF, Toniollo PB, Mazer SM, Valle ERM, Santos MA. Percepção da morte pelo paciente oncológico ao longo do desenvolvimento. Psicologia em Estudo. 2006; 11(2):361-369.

Oliveira JBA, Lopes RGC. O processo de luto no idoso pela morte de cônjuge e filho. Psicologia em Estudo. 2008; 13: 217-221.

Oliveira EA, Santos MA, Mastropietro AP. Apoio psicológico na terminalidade: Ensinamentos para a vida. Psicologia em Estudo. 2010; 15: 235-244.

Kovács MJ. Desenvolvimento da tanatologia: Estudos sobre a morte e o morrer. Paidéia (Ribeirão Preto). 2008; 18:457-468.

Kovács MJ. Educação para morte: Desafio na formação de profissionais de saúde e educação. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003.

Minayo MCS. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes; 2000.

Ministério da Saúde. Resolução Nº 196, de 10 de outubro de 1996. (1996, 10 de outubro). Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos.

Brasília, DF: Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde.

Gomes R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. (Orgs.) Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes; 2007, p. 79-108.

Bousso RS, Poles K, Rossato LM. Desenvolvimento de conceitos: novas direções para a pesquisa em tanatologia e enfermagem [Número especial]. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2009; 43:1331-1336.

Bernieri J, Hirdes A. O preparo dos acadêmicos de enfermagem brasileiros para vivenciarem o processo morte-morrer. Texto & Contexto em Enfermagem. 2007; 16:89-96.

Benincá CRS. Apoio psicológico à enfermagem diante da morte: Estudo fenomenológico. [Tese de Doutorado] Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; 2002.

Esquerdo FA, Pegoraro RF. Contribuições da psicologia para a formação do técnico em enfermagem: Concepções dos alunos. Psicologia em Estudo. 2010; 15:255-264.

Beuter M, Girardon-Perlini NMO, Oliveira SG, Ribeiro AC. Bioética e saúde pública: Desafios e perspectivas. In: Anais Seminário Internacional, Santa Maria; 2009.

Bretas JRS, Oliveira JR, Yamaguti L. Reflexões de estudantes de enfermagem sobre morte e o morrer. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2006; 40:477-483.

Menezes RA. Em busca da boa morte: Antropologia dos cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2004.

Freire P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa (25a ed.). São Paulo: Paz e Terra; 2002.

Pinho LMO, Barbosa MA. A relação docente-acadêmico no enfrentamento do morrer. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2010; 44: 107-112.

Pinho LB, Santos SMA. Estágio de docência em enfermagem psiquiátrica: Uma experiência durante a pós-graduação. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2006; 27: 176-184.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v1i1.492

Apontamentos

  • Não há apontamentos.