A PRODUÇÃO TEXTUAL NA EJA: EXPERIÊNCIA EM UMA TURMA DO 8º ANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE UBERABA

Maxwell Gregory de Faria

Resumo


Este trabalho tem como objetivo apresentar um relato de experiência acerca da realização de uma sequência de atividades, desenvolvidas com alunos do 8º ano do Ensino de Jovens e Adultos de uma escola da rede municipal de Uberaba. A turma é heterogênea, composta por alunos de inclusão, com diferentes níveis de alfabetização. O propósito das atividades foi conduzir os alunos à produção de um texto dissertativo-argumentativo. Tal necessidade surgiu a partir do desejo dos alunos de realizarem a prova do ENCCEJA, que fornece certificado de conclusão do ensino fundamental para os alunos que obtiverem a nota mínima na avaliação. Partimos dos pressupostos teóricos da análise linguística para conduzir o trabalho, que consistiu na exibição de um filme, leitura de um conto, uma crítica e um artigo de opinião, produção escrita, reescrita coletiva e reescrita individual. Embasados nas teorias de Antunes (2005), Mendonça (2006), Ruiz (1998), observamos que a sequência de atividades se mostrou eficaz, pois conduziu os alunos a exporem suas opiniões e, consequentemente, a dissertar. A reescrita coletiva mostrou-se uma importante ferramenta para a realização das atividades, uma vez que esta prática incluiu no trabalho escolar os alunos que, sozinhos, seriam incapazes de realizar os trabalhos propostos. A reescrita individual, realizada oralmente com cada aluno, ampliou as possibilidades de correção em aula, favorecendo o diálogo entre os interlocutores do texto e possibilitou uma aproximação entre os sujeitos envolvidos na produção textual.


Palavras-chave


EJA; Escrita; Reescrita; Correção; Dissertação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Irandé Costa. Lutar com palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

ANTUNES, Irandé Costa. Língua, gêneros textuais e ensino: considerações teóricas e implicações pedagógicas. In: Perspectiva, Florianópolis, v.20, n.01, p.65-76, jan./jun. 2002.

BRASIL. Documento subsidiário de inclusão. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/docsubsidiariopoliticadeinclusao.pdf. Acesso em jul. 2018.

GERALDI, João Wanderley. Unidades básicas do ensino de português. In: GERALDI, J. W. (Org.).

O texto na sala de aula. 4. ed. São Paulo: Ática, 2006. p. 59-79.

INEP. Matrizes de referência para o ENCCEJA. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/encceja/matriz_competencia/Mat_LP_EF%20(1).pdf Acesso em jul. 2018.

MENDONÇA, Márcia; BUNZEN, Clécio (orgs.). Análise linguística no ensino médio: um novo olhar um novo objeto. In: Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006

RUIZ, Eliana Maria Severino Donaio. Como se corrige redação na escola? São Paulo: Contexto, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.