FORMAÇÃO DOCENTE PARA O ENSINO DA LIBRAS: SINGULARIDADES E VALORIZAÇÃO DA LÍNGUA

Rosana Fátima Janes Constâncio

Resumo


RESUMO: O reconhecimento da Libras no Brasil foi promulgado com a Lei de Libras nº 10.436/02 e do Decreto nº 5626/05 possibilitou a oferta da disciplina de Libras sendo inicialmente ofertada nos cursos de licenciatura. Foi a partir destas legislações que estabeleceram normas e critérios para a implementação da disciplina de Libras que os cursos de licenciatura passaram a ofertar em uma perspectiva não somente de aprendizagem de uma língua, mas a fim de oportunizar a quebra de paradigmas. A criação e a oferta do curso de licenciatura em Letras Libras para formar profissionais aptos e qualificados para atuar na área educacional como professores de Libras emerge em atendimento às políticas públicas vigentes. Inicialmente o curso de licenciatura em Letras Libras foi ofertado somente para surdos no ano de 2006, e depois a partir do ano de 2008 houve a criação do curso de Bacharelado em Letras Libras para formar profissionais tradutores e intérpretes de Libras. Nesta perspectiva o presente artigo reflete sobre a formação docente para o ensino da Libras e o currículo que é contemplado nos cursos de licenciatura que ofertam obrigatoriamente a disciplina de Libras, pois nos demais cursos de bacharelado a disciplina de Libras é ofertada como optativa.


Palavras-chave


Formação docente;Libras;Língua de Sinais;Currículo;Ensino

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto nº 5626, de 22 de dezembro de2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm Acesso em 22/08/16.

_______. Lei Nº. 10.436 de 24 de abril de 2002. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, 2002. Disponível em: . Acesso em: 23/05/2015

CORACINI, Maria J. F. (Org.). A celebração do outro: arquivo, memória e identidade. Línguas (materna e estrangeira), plurilínguismo e tradução. Campinas: Mercado das Letras, 2007.

CONSTANCIO, Rosana de Fátima Janes; LIMA, Juliana Maria da Silva. O Universo Fronteiriço no Espaço Universitário vivenciado por estudantes surdos. In: VI Seminário Internacional: Fronteiras Étnico-culturais e Fronteiras da Exclusão, 2014, Campo Grande - MS. VI Seminário Internacional: Fronteiras Étnico-culturais e Fronteiras da Exclusão, 2014.

FIORIN, José L. Introdução à Linguística. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de; SANTOS, Lara Ferreira dos. Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: EdUFSCAR, 2013.

SELL, Fabíola Sucupira Ferreira; NEVES, Bruna Crescêncio. Desafios metodológicos para o desenvolvimento da disciplina de Libras no curso de pedagogia da modalidade a distância da Universidade do Estado de Santa Catarina. EmRede – Revista de Educação a Distância. Vol. 2, n. 1, 2015.

SILVA, Eliane Francisca Alves da. A aprendizagem de Português por sujeitos surdos falantes da LIBRAS: entre discursos e identidade. Três Lagoas: Campus de Três Lagoas, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2015. 116 f. (Dissertação de Mestrado).

SIMPLÍCIO, Valéria. O professor de Libras - língua brasileira de sinais nas séries finais do ensino fundamental, no ensino médio e no ensino superior: formação x habilitação. 2009. Disponível em < http://www.webartigos.com/artigos/o-professor-de-libras-lingua-brasileira-de-sinais-nas-series-finais-do-ensino-fundamental-no-ensino-medio-e-no-ensino-superior-formacao-x-habilitacao/27832/> Acesso em 11/09/18 às 15h.

SKLIAR, Carlos. B. (2013). A localização política da educação bilíngue para surdos. In C. Skliar. (Org.), Atualidade da Educação Bilíngue para Surdos: Processos e projetos

pedagógicos (pp. 7-14). Porto Alegre: Mediação.

XAVIER, Antônio C; CORTEZ, Suzana. Conversas com tradutores: virtudes e controvérsias da linguística. 2ª impr.- São Paulo: Parábola, 2005.




DOI: https://doi.org/10.18554/ifd.v6i1.3691

Apontamentos

  • Não há apontamentos.