METODOLOGIAS ATIVAS: NOVAS TENDÊNCIAS PARA POTENCIALIZAR O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

Gercimar Martins Cabral Costa, Gilson Xavier de Azevedo

Resumo


O objetivo deste artigo é propor a análise sobre as novas metodologias ativas na educação como práticas pedagógicas inovadoras no processo de ensino e aprendizagem, de forma que proporcionem um melhor desenvolvimento do protagonismo desenvolvido pelos alunos. Como justificativa, aponta-se o fato de que as Metodologias Ativas, na educação, podem realmente provocar o despertar dos alunos, para uma nova visão crítico-reflexiva e por meio das novas metodologias torna-se possível uma melhor interação, visto que os atuais alunos, são mais ativos e gostam de ter voz ativa no processo de aprendizagem ao qual estão inseridos. O problema foi verificar e analisar a importância da utilização das metodologias ativas, em específico a PBL (Problem Based Learning), como meios motivadores para com o processo de ensino e aprendizagem. Optou-se pela pesquisa bibliográfica por meio de livros e artigos científicos, propondo o reforço elencado de outros autores para reforçar a importância da mudança e adaptação, e inovar o processo de ensino aprendizagem. Os resultados obtidos fundamentam que a utilização de novas metodologias, facilitam e promovem o melhor desenvolvimento dos alunos, o que conclui-se que torna-se fundamental para a construção de profissionais mais preparados para com a realidade prática, as quais irão vivenciar fora do ambiente de aprendizagem.

Palavras-chave


Metodologias Ativas; Método PBL; Ensino Aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E., e VALENTE, J. A. Tecnologias e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São Paulo: Paulus, 2011.

ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

ARAÚJO, Samira Maria; OLIVEIRA, Agostinho Carlos. Métodos Ativos de Aprendizagem: uma breve introdução. Jul, 2015. Anais do II Seminário de Educação Profissional, 11 e 12 de maio de 2017, Lajeado, RS / Edson Moacir Ahlert, Maria Claudete Schorr Wildner, Teresinha Aparecida Faccio Padilha (Orgs.) – Lajeado : Ed. da Univates, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2018.

AZEVEDO, Gilson Xavier de; ZANOTTO, Simone Maria; FERNANDES, Janice Aparecida de Azevedo. 30 Vantagens em Ser Professor. Juiz de Fora, MG: Editora Garcia: 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN + Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais - Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, 2002.

BARBOSA, Eduardo Fernandes. MOURA, Dácio Guimarães. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. B. Tec. Senac, Rio de Janeiro, v.39, n.2, p 48-67, maio/agosto de 2013.

BORGES, T.S; ALENCAR, G.; Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista; n° 04, p. 1 19-143, 2014.

BOUD, D.; FELETTI, G. The Challenge of Problem-Based Learning. London: Kongan Page, 1998.

COSTA, Gercimar M. C. AZEVEDO, Gilson X. de. PANIAGO, R. A. Clube dos Administradores: uma ideia sobre metodologias ativas na educação. XXI CONAD: a administração na era da informação, Goiânia, p. 135-147, 2016. Disponível em . Acesso em: 15 dez. 2018.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação?” Tradução: Antônio M. Magalhães. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, maio/ago. 2004.

DELISLE, R. How to use problem-based learning in the classroom. Alexandria: Ascd, 1997.

DEWEY, John. Como pensamos. 2. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1953.

_____. Vida e educação. 10. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

ENRICONE, D. (Org). Ser professor. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Educação como prática da liberdade. 10 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

______. Pedagogia do oprimido. 27 ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

______. Educação e atualidade brasileira. 3. Ed. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2003.

GADOTTI, Moacir. Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire; Brasília, DF: UNESCO, 1996.

GASQUE, Kelley Cristine Gonçalves Dias. Letramento Informacional: pesquisa, reflexão e aprendizagem. Brasília: Faculdade de Ciência da Informação / Universidade de Brasília, 2012.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4 ed. São Paulo: Atlas, 1994.

KOLB, David A. Experiential Learning: Experience as the Source of Learning and Development. Prentice-Hall, Inc., Englewood Cliffs, N.J. 1984.

MAZZEU, Francisco, J. C. Uma proposta metodológica para a formação continuada de professores na perspectiva histórico-social. Cad. CEDES [online]. 1998, v. 19, n. 44, pp. 59-72.

MELO, B. C.; SANT’ANA, G. A prática da Metodologia Ativa: compreensão dos discentes enquanto autores do processo ensino aprendizagem. Revista ESCS. Brasília, vol. 23, nº 4, p. 327-339, jun. 2012 Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2018.

MIZUKAMI, M.G.N. Ensino: As abordagens do Processo. São Paulo: EPU, 1986.

MORAN, Jose Manuel. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas; In: MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2000.

MOURA, Dácio Guimarães; BARBOSA, Eduardo F. Trabalhando com Projetos – Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais. Petrópolis: Vozes, 2006.

NOGUEIRA, Makeliny O. G. LEAL, Daniela. Teorias de aprendizagem - um encontro entre os pensamentos filosófico, pedagógico e psicológico. 2 ed. Curitiba: InterSaberes, 2015.

NÓVOA, A.. Entrevista Matrizes Curriculares. 2001. Disponível em: . Acesso em: 04 de jun. 2018.

OLIVEIRA, G. A. Uso de Metodologias Ativas em Educação Superior. In: Carlos Cecy; Geraldo Alécio de Oliveira; Eula Maria de Melo Barcelos da Costa (Org.). Metodologias Ativas: Aplicações e Vivências em Educação Farmacêutica. 1ed. Brasília - DF: Conselho Federal de Farmácia, 2013, v. 01, p. 13-40.

PEREIRA, Rodrigo. Método Ativo: Técnicas de Problematização da Realidade aplicada à Educação Básica e ao Ensino Superior. In: VI Colóquio internacional. Educação e Contemporaneidade. São Cristóvão, SE. 20 a 22 setembro de 2012.

ROCHA, Cleomar. Reunião InMídias do Curso de Pós-Graduação em Inovação em Mídias Interativas - UFG, via Skype em 27 mar. 2018.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. São Paulo: Cortez Editora, 32ª edição, 1999.

SAVIANI, Dermeval. Educação socialista, pedagogia histórico-crítica e os desafios da sociedade de classes. In: LOMBARDI, José Claudinei; SAVIANI, Dermeval (Org.) Marxismo e Educação: debates contemporâneos. Campinas: Autores Associados, 2005.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SILBERMAN, Mel. Active Learning – 101 Strategies do teach any subject. Ed. Allyn and Bacon, Massachusetts, 1996.

SOUZA, C. S., IGLESIAS, A. G., FILHO, a. p., Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais - Aspectos gerais. Revista FMRP. Ribeirão Preto, v. 47, n. 3, p. 284-292, jun. 2014. Disponível em: http://revista.fmrp.usp.br/2014/vol47n3/6_Estrategias-inovadoras-para-metodos-de-ensinotradicionais-aspectos-gerais.pdf. Acesso em: 15 mar. 2018.

TITONE, R. Metodologia didactica. Madrid: Rialp, 1966.

VALENTE, José Armando. Aprendizagem Ativa no Ensino Superior: a proposta da sala de aula invertida. Departamento de Multimeios, Nied e GGTE - Unicamp e Ced – PucSP. São Paulo: 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2018.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2 ed. São Paulo; Atlas, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.