CLÍTICOS ACUSATIVOS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Maridelma Laperuta-Martins, Luciana Vedovato, Eduarda Corvelloni Coutinho

Resumo


O objetivo da pesquisa aqui reportada é discutir a respeito dos clíticos acusativos de terceira pessoa do Português Brasileiro (PB) e como/se esse fenômeno gramatical é ensinado numa escola do interior do Paraná. Para a pesquisa, partimos da hipótese de que, apesar de a língua estar em constante mudança, o ensino da gramática normativa ainda continua desconsiderando-a. A metodologia empregada foi de cunho etnográfico colaborativa, a qual consistiu na observação de aulas regulares e ministração de aulas sobre o conteúdo clíticos acusativos e aplicação de testes de percepção, além da pesquisa bibliográfica: análise comparada entre o constante de gramáticas do Português e do PB. O artigo analisa e discute, de acordo com a Teoria Sociolinguística, as abordagens das gramáticas sobre a variável clítico acusativo de terceira pessoa e como os alunos receberam o conteúdo a respeito desses clíticos por meio das aulas ministradas num período de aproximadamente dois meses. Como resultado, pudemos constatar que as diferentes abordagens dos clíticos nas gramáticas não são consideradas no ensino de língua portuguesa e os testes de percepção relevaram que os alunos não se identificam com os clíticos acusativos como objeto, ao contrário, o objeto nulo e o pronome reto são seus preferidos

Palavras-chave


Sociolinguística; Cliticos Acusativos; Educação; Gramáticas

Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, M. A norma oculta – língua e poder na sociedade brasileira. SP: Parábola, 2005.

__________. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação lingüística. São Paulo: Parábola, 2007.

__________. Não é errado falar assim! Em defesa do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2009.

__________. Preconceito Linguístico. 56ªed. São Paulo: Parábola, 2015.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37ªed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

__________ Nós cheguemu na escola, e agora? sociolinguística & educação. São Paulo: Parábola, 2006.

__________. O professor pesquisador – introdução à pesquisa qualitativa. SP: Parábola, 2013.

CASTILHO, Ataliba T. de; ELIAS, V. Pequena gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

CASTILHO, Ataliba Teixeira de. Nova gramática do português brasileiro. SP: Contexto, 2010.

CYRANKA, Lucia Furtado Marcondes. Atitudes lingüísticas de alunos de escolas publicas de Juiz de Fora-MG. 2007. – Tese – Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.

CYRANKA, Lucia Furtado Marcondes. Sociolinguística aplicada à educação. In: MOLLICA, M. C. e FERRAREZI, Jr, C. Sociolinguística, sociolinguísticas – uma introdução. S.P.: Contexto, 2016

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. Clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português do Brasil. In: TARALLO, Fernando. Fotografias sociolinguísticas. São Paulo: Pontes, 1989.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira – desatando alguns nós. SP: Parábola, 2008.

__________. O Brasil entre a norma culta e a norma curta. In: BAGNO, M.; LAGARES, X. (orgs) Políticas da norma e conflitos linguísticos. SP: Parábola, 2011.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. (Org) Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

INFANTE, Ulisses. 36 Lições práticas de gramática. São Paulo: Scipione, 2003.

LABOV, William. Padrões Sociolinguísticos. (trad) Bagno, Scherre, Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MOLLICA, Maria Cecilia. Introdução à sociolinguística: o tratamento da variação. 4ªed. São Paulo: Contexto, 2017.

OLIVEIRA, Marilza de. Ensino da língua portuguesa: os clíticos acusativos, 2005 [pdf.]. Disponível em: www.fflch.usp.br/dlcv/lport/pdf/maril013. Acesso em 10 de abril de 2018.

OLIVEIRA, Solange Mendes. Objeto direto nulo, pronome tônico de 3ª pessoa, SN anafórico e clítico acusativo no português brasileiro: uma análise de textos escolares. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. Vol. 5, n. 9, agosto de 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br].

PERINI, Mario A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2010.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1996.

SCHERRE, M. M. P. Doa-se lindos filhotes de poodle. SP: Parábola, 2005.

WEINREICH, Uriel, HERZOG, Marvin, LABOV, William. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. (trad) Bagno – São Paulo: Parábola, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.