ANÁLISE CONTRASTIVA DOS USOS DAS FORMAS “A GENTE” E “NÓS” NA FALA E NA ESCRITA DA CIDADE DE UBERABA

Marcelo Teodoro

Resumo


O jeito de falar do mineiro é extremamente discutido e comentado por apresentar peculiaridades, traços que são marcantes. Logo, é necessário que se realize uma pesquisa sociolinguística visando uma abordagem científica do tema. Neste estudo objetivamos comparar as ocorrências da expressão “a gente” confrontando com o uso do pronome “nós”. Para isso foi montado dois corpus distinto, um com textos produzidos por alunos do ensino médio, totalizando 83 textos. Estes textos foram selecionados aleatoriamente. Além deste corpus, realizamos entrevistas gravadas mediante a autorização com alunos também do ensino médio. No total entrevistamos dez alunos do gênero masculino e dez do gênero feminino. Cabe mencionar que este trabalho possui aprovação do comitê de ética da UFTM, visando garantir o anonimato dos informantes bem como não gerar nenhum tipo de constrangimento aos mesmos. De posse do material analisamos as ocorrências com a finalidade de gerar tabelas e gráficos para melhor interpretação dos resultados. Foi possível perceber que a variação entre a expressão “a gente” e do pronome “nós” é frequente, tanto na fala como também na escrita.


Palavras-chave


Variação Linguística; Escrita; Fala; Português Mineiro

Texto completo:

PDF

Referências


FRANCESCHINI, L. O uso dos pronomes pessoais NÓS/A GENTE em Concórdia-SC. UFPR. Anais do SILEL. Uberlândia: EDUFU, 2009.

LABOV, W. Padrões sociolingüísticos. Trad. Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008 [1ª ed.: Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972]

LOPES, C. R. S. Nós e a Gente no português falado culto no Brasil. D.E.L.T.A., v. 14, n. 2, p. 405-422, 1998.

MAIA, F. P. S. A Variação Nós/A Gente no Dialeto Mineiro: investigando a transição. Universidade Federal de Minas Gerais. Revista Abralin, 8, n.2. 2009.

MARTELOTTA,M.E.(org). Manual de linguística. São Paulo: Contexto, 2009.

MATTOS, S. E. R. Goiás na primeira pessoa do plural. 2013. 137 f., il. Tese (Doutorado em Linguística)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

OMENA, N. P. A referência variável da primeira pessoa do discurso no plural. In: NARO, Anthony et al. Relatório Final de Pesquisa: Projeto Subsídios do Projeto Censo à Educação. Rio de Janeiro, UFRJ, V. 2, 1986, p.286-319

PACHECO, C. da S. Alternância nós e a gente no português brasileiro e no português uruguaio da fronteira Brasil - Uruguai (Aceguá). 2014. 311 f., il. Tese (Doutorado em Linguística)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

SCHERRE, M. M. P, YACOVENCO, L. C.. A variação linguística e o papel dos fatores sociais: o gênero do falante em foco. Revista da ABRALIN, v. eletrônico, n. especial, 1ª parte, p. 121-146, 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 dez.2014.

TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 2000.

TEODORO, M. A. ; BARBOSA, J. B. O uso das formas “nós” e “a gente” em textos escolares. Relatório Final de IC, julho de 2015.




DOI: https://doi.org/10.18554/ifd.v6i1.3881

Apontamentos

  • Não há apontamentos.