O ENSINO DE GRAMÁTICA: PRETÉRITO MAIS-QUE-PERFEITO

Yammar Leite de Araujo Andrade

Resumo


Em geral, o ensino de gramática é visto como ícone de aversão por grande parte de usuários da língua, seja no ambiente escolar ou fora dele. Tal aspecto nos convida a refletirmos acerca do tema a partir do contexto escolar. Nesse intuito, o presente artigo discute e analisa os protagonistas desse contexto de forma teórica e prática. Nele retomaremos diversos teóricos que subsidiaram as atividades propostas cujo objetivo era transformar a prática pedagógica nas aulas de língua portuguesa e, assim, levar o aluno a perceber que a gramática faz parte de seu contexto escolar de forma global e de todos os aspectos de uso da língua. Dentre as diversas possibilidades que há para o estudo de gramática, elegemos o uso do pretérito-mais-que-perfeito como fato linguístico específico, associando-o a prática de letramento literário aplicada a alunos dos anos finais do ensino fundamental.


Palavras-chave


Ensino de gramática – letramento literário – língua

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, I. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

BARBOSA, A.G. Saberes Gramaticais na escola. In: VIEIRA, S.R; BRANDÃO, S.F. (Org.). Ensino de Gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2009. p. 31-53.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998

CÂMARA JÚNIOR, J. M. História e estrutura da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Padrão,1979.

COSTA VAL, M. G.A gramática do texto, no texto. Revista de Estudos da Linguagem. Belo Horizonte. Faculdade de Letras da UFMG, v.10, n.2, p.107-133, jul./dez.2002.

CUNHA, C; CINTRA. L.F.L. Nova gramática do português contemporâneo3 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

FARACO, C.A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

FRANCHI, Carlos. Mas o que é mesmo gramática? São Paulo: Parábola. 2006.

KLEIMAN, A.B.; SEPULVEDA, C. Oficina de gramática – metalinguagem para principiantes. Capinas, SP: Pontes Editores, 2014.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática na escola. São Paulo: Contexto. São Paulo: Contexto, 2003.

PERINI, M. A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2010.

ROCHA LIMA, C.H.da. Gramática normativa da língua portuguesa. 46 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2007.

SAINT-EXUPÉRY, A.de. O Pequeno Príncipe; tradução de Dom Marcos Barbosa. – 49 ed. – Rio de Janeiro: Agir, 2015.

TRAVAGLIA, L.C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. São Paulo: Cortez, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.