O LÚDICO E AS BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Simone França de Sousa, Michelle França Lima

Resumo


O presente artigo tem por finalidade conhecer as Abordagens Pedagógicas que são mais utilizadas por educadores a fim de se verificar a possibilidade de inserção de atividades lúdicas. Não obstante, coube-nos realizar uma viagem no tempo para observar como a Educação Infantil figura na Legislação Federal. Para tanto, buscamos desde o Império até a República brasileira. Esta pesquisa segue uma abordagem qualitativa, pois permite ao pesquisador interagir com os dados encontrados, este trabalho realizou uma revisão bibliográfica documental, além de uma revisão teórica. Foi possível perceber com este estudo, portanto, que a Educação Infantil é um ambiente propício para desenvolver o lúdico, principalmente em situações que representam a realidade. Também entendemos que é preciso fomentar a formação continuada dos profissionais da educação a fim de aperfeiçoar o processo de ensino/aprendizagem.

PALAVRAS CHAVE: Educação Infantil; Lúdico; Legislação.


Palavras-chave


Formação; Linguagem; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


ARCE, A.; BALDAN, M. Vamos brincar de faz de conta? A brincadeira de papeis sociais e a importância da interação do professor. In: ARCE, Alessandra (Org.). Interações e brincadeiras na Educação Infantil. Campinas: Alínea, 2013. P.93-112.

AQUINO, O. Consciência Critica. 2009. Disponível em (http://sonhoslucidus.blogspot.com/2009/03/consciencia-critica.html). Acesso em 23/08/2019.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 16 de julho de 1934). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm Acesso em: 25/08/2019

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases - LEI Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Disponíveis em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf Acesso em: 25/08/2019.

BISSOLI, M.F. Educação e Desenvolvimento da personalidade da criança: contribuições da Teoria Histórico-Cultural. 281f. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Marília, 2005.

CAMARGO, M.B.C. A educação infantil teclando e navegando na tecnologia da informação-Campinas: SP, 2013.

KISHIMOTO, T. M. (org.). O brincar e suas teorias. SÃOPAULO: PIONEIRATHONSON Learning, 2002.

MARTINS, C. A. A participação de crianças e professora na constituição da brincadeira na educação infantil. 278f. 2009 a. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.

FEITOSA M. M. A.. Reflexão Acerca das Principais Abordagens Pedagógicas e a Postura do Professor. Disponível em: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/direito/reflexao-acerca-das-principais-abordagens-pedagogicas-e-a-postura-do-professor/19174 acesso 30/08/2019

OLIVEIRA, A. A. de. OBSERVAÇÃO E ENTREVISTA EM PESQUISA QUALITATIVA Universidade Federal de Alagoas, 2010 p. 22. Disponível em: https://www.webartigos.com/artigos/observacao-e-entrevista-em-pesquisa-qualitativa/43258/ acesso em: 20/08/2019.

SILVA, J. C. A apropriação da psicologia histórico-cultural na educação infantil brasileira: análise de teses e documentos oficiais no período de 2000 a 2009 -- São Carlos: UFSCar, 2013. Tese (Doutorado)

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.