A escrita narrativa no processo de (auto)formação do pesquisador educacional

Joelson de Sousa Morais, Maria Divina Ferreira Lima

Resumo


A escrita narrativa é um modo privilegiado de saber, fazer e dizer a experiência do sujeito em processos de formação, na construção da pesquisa e na aprendizagem experiencial. O presente artigo é uma incursão tanto teórica, como epistemológica e fruto de nossas experiências como professores e pesquisadores no contexto da pós-graduação strictu sensu. Além do mais, muitas das ideias apresentadas neste, são oriundos de estudos e pesquisas que realizamos e que nos acompanham, nos quais produzimos algumas reflexões que se amparam no âmbito da abordagem narrativa (auto)biográfica em educação. Os objetivos buscam: compreender como se dá o processo de (auto)formação do pesquisador mediado pela escrita narrativa, bem como refletir acerca das contribuições da tessitura narrativa no contexto da formação e (auto)formação profissional do pesquisador educacional. A questão balizadora que nos propomos a discutir é: de que forma a escrita narrativa pode contribuir nos processos de (auto)formação do pesquisador educacional? Metodologicamente, primamos por: narrativas da experiência, registros dos nossos diários de pesquisa, experiência e formação, e o dispositivo da memória, para produzir os conhecimentos e os saberes tecidos nessa produção. Os resultados elucidam que a escrita narrativa é um potente meio de reflexão, (auto)formação e transformação do pesquisador, que, produzidas em contextos múltiplos, plurais e fruto das variações linguísticas e interculturais dos quais fazem parte e expressam os sujeitos em seus escritos, acabam contribuindo, para a valorização de sua subjetividade, possibilitando a constituição de processos emancipatórios substanciais em sua vida, experiência e profissão.


Palavras-chave


Escrita; Pesquisa narrativa (auto)biográfica; (Auto)formação; Conhecimento científico.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Introdução e tradução do russo Paulo Bezerra; prefácio à edição francesa Tzetan Todorov. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução aos cuidados de Valdemir Miotello & Carlos Alberto Faraco. 3ªed. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017.

BAKHTIN, M. O homem ao espelho: apontamentos dos anos 1940. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.

BENJAMIN, W. O narrador. In.: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet; prefácio Jeanne Marie Gagnebin. 8.ed São Paulo: Brasiliense, 2012. P.213-240.

BRAGANÇA, I. F. de S. Histórias de vida e formação de professores: diálogos entre Brasil e Portugal. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012. Disponível em: . Acesso em: 24/02/2020.

BRAGANÇA, I. F. de S. Pesquisaformação narrativa (auto)biográfica: trajetórias e tessituras teórico-metodológicas. In.: ABRAHÃO, M. H; M. B.; CUNHA, J. L. da; BÔAS, L. V. (Orgs). Pesquisa narrativa (auto)biográfica: diálogos epistêmico-metodológicos. Curitiba: CRV, 2018. P.65-81.

CUNHA, M. I. da. Narrativas e formação de professores: uma abordagem emancipatória. In.: SOUZA, E. C.; GALLEGO, R. de C. (Orgs). Espaços, tempos e gerações: perspectivas (auto)biográficas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. P.199-214.

DELORY-MOMBEGER, C. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, v.17, n.51, set.-dez. 2012. P.523-740. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v17n51/02.pdf>. Acesso: 26/04/2020.

GOODSON, I. F. Currículo, narrativa pessoal e futuro social. Tradutor: Henrique Carvalho Calado; revisão da tradução: Maria Inês Petrucci-Rosa e José Pereira de Queiroz. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2019.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. Tradução de José Cláudio, Júlia Ferreira; revisão Maria da Conceição Passeggi, Marie-Christine Josso. 2. ed. rev. E ampl. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

LIMA, M. E. C. de C.; GERALDI, C. M. G.; GERALDI, J. W. O trabalho com narrativas na investigação em educação. Educação em revista. Belo Horizonte, v.31, n.01, p.17-44, Jan./Mar. 2015. Disponível em: . Acesso: 17/04/2020.

MORAIS, J. de S.; BRAGANÇA, I. F. de S. A narrativa como experiência ressignificada no tempo. In.: Anais do VII Seminário Vozes da Educação: Resistências políticas e poéticas na vida e na educação: Regina Leite Garcia, presente! 1.ed. São Gonçalo, RJ: UERJ, Faculdade de Formação de Professores, 2019. P.379-390.

PASSEGGI, M. da C. Narrar é humano! Autobiografar é um processo civilizatório. In.: PASSEGGI, M. da C.; SILVA, V. B. (Orgs.). Invenções de vidas, compreensão de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p.103-130.

PINEAU, G. A autoformação no decurso da vida: entre a hetero e a ecoformação. In.: NÓVOA, António; FINGER, Mathias (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010. P.97-118.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa. Tradução Claudia Berliner. Revisão da tradução Márcia Valéria Martinez de Aguiar. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

SOUZA, E. C. de. Acompanhar e formar – mediar e iniciar: pesquisa (auto)biográfica e formação de formadores. In.: PASSEGGI, M. da C.; SILVA, V. B. da (Orgs.). Invenções de vidas, compreensão de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. P.157-177.




DOI: https://doi.org/10.18554/ifd.v7i2.4463

Apontamentos

  • Não há apontamentos.