A importância do desenvolvimento de aspectos socioemocionais para a gestão do conhecimento nas organizações

Cibele Pacheco Gomide, Antônio Fernando Gomes Alves

Resumo


A sociedade já se deu conta de que a produção intelectual gera mais riqueza que a industrial, contudo, os profissionais continuam a enfrentar barreiras para implantar as práticas de GC (Gestão do Conhecimento), a maior das quais talvez seja a dificuldade em criar um ambiente propício à geração de conhecimento e ao compartilhamento. A partir disso, 31 profissionais do conhecimento foram questionados sobre se os aspectos socioemocionais impactam a GC, tendo 97% deles concordando em que esses aspectos impactam as práticas de GC. Todavia, apenas 19% já implantaram algum tipo de ação para o desenvolvimento de habilidades socioemocionais, sendo a falta de conhecimento suficiente sobre o assunto a principal justificativa apontada pelo gestor e ou a alta gestão. Dessa forma, este artigo salienta a importância de aprofundar a questão e munir esses profissionais de conhecimento e ferramentas para o melhor desenvolvimento das práticas da gestão do conhecimento, tão valioso para as organizações.


Texto completo:

PDF

Referências


ABED, A. L. Z. O desenvolvimento das habilidades socioemocionais como caminho para a aprendizagem e o sucesso escolar de alunos da educação básica. São Paulo: Ministério da Educação e Cultura – Conselho Nacional de Educação / UNESCO, 2014. Disponível em <. Acesso em: 03 dez. 2016.

ARGYRIS, C. Ensinando pessoas inteligentes a aprender. Gestão do conhecimento, 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001.

BARROS, J. S; CIUPAK L. F; PAIVA, M. R; TOMAÉL, M. I. Gestão do conhecimento: ações e ferramentas para a superação de barreiras no compartilhamento do conhecimento. PontodeAcesso, v. 4, n. 2, p. 33-57, 2010. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

BERLO, D. K. O processo da comunicação (Introdução à teoria e prática). Rio-Lisboa: Fundo de Cultura, 1970.

CAMANHO, R. Produtividade 4.0: a gestão das conversas. Revista ESPM, jul/ago 2016.

CATANIA, C. Aprendizagem: Comportamento, Linguagem e Cognição. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

CHIAVENATO, I. Iniciação à teoria das organizações. Barueri: Manole, 2010.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: SENAC, 2003. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

CORRADO, C. A; HAO, J. X.. Brands as Productive Assets: Concepts, Measurement, and Global Trends. Economic Research Working, No. 13, 2014. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

DAVENPORT, T. H; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DAZA, R. P. Gestão do conhecimento versus gestão das habilidades criativas nas organizações. Revista de Administração, São Paulo, v.38, n.1, p.84-92, jan./fev./mar. 2003. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

DEL PRETTE, Z. A. P; DEL PRETTE, A. Psicologia das habilidades sociais: terapia e educação. Petrópolis: Vozes, 1999.

DEL PRETTE, Z. A. P; DEL PRETTE, A. Um sistema de categorias de habilidades sociais educativas. Paideia, v. 18, n. 41, p. 517-530, 2008. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

DEL PRETTE, Z. A. P; DEL PRETTE, A. Desenvolvimento interpessoal e educação escolar: o enfoque das habilidades sociais. Temas em psicologia, v. 6, n. 3, p. 217-229, 1998. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

FLORIANO, P. R. Sete obstáculos ao compartilhamento do conhecimento e três maneiras de superá-los. Biblioteca Terra Fórum Consultores, 2009. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2012.

GOMES, A. F. A. A emergência de uma nova relação homem-trabalho na sociedade atual. Integração, São Paulo, ano XV, n. 59, p. 333-342, out./nov./dez., 2009. Disponível em ftp://ftp.usjt.br/pub/revint/333_59.pdf>. Acesso em: 03 dez. 2016.

GONDIM, S. M. G; MORAIS, F. A; BRANTES, C. A. A. Competências socioemocionais: fator-chave no desenvolvimento de competências para o trabalho. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 14, n. 4, p. 394-406, 2014. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. Publicação original em 1781. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

KONDER, Leandro. O que é dialética. 25ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1981.

LEUCH, V; CARVALHO, H. G; KOVALESKI, J. L. Barreiras culturais à gestão do conhecimento em indústrias de grande porte dos Campos Gerais–no Estado do Paraná: um enfoque na percepção dos funcionários. XXV ENEGEP, v. 29, 2005. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2016.

MATTOS, L. A. Gestão estratégica do conhecimento: um estudo de caso. 2010. Tese (Mestrado em Organizações e Desenvolvimento) UNIFAE, Curitiba. Disponível em: . Acesso em: 03 dez. 2016.

MESQUITA, F. S. B. Gestão do conhecimento e criação de valor: um estudo exploratório em empresas brasileiras. 2006. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) Fundação Getúlio Vargas, São Paulo. Disponível em:

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 14. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2005.

NONAKA, I; TOYAMA, R; HIRATA, T. Managing Flow: Teoria e Casos de Empresas Baseadas no Conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2011.

REBELO, Sabrina et al. Barreiras à implantação da gestão do conhecimento em organizações públicas. In: CONTECSI-International Conference on Information Systems and Technology Management. 2012. p. 2229-2240. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. de 2016.

SENGE, Peter M. A quinta disciplina: caderno de campo: estratégias e ferramentas para construir uma organização que aprende. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1995. 543p.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2015.

SILVEIRA, R. R. Diretrizes para mitigar as barreiras à implementação da gestão do conhecimento em organizações. 2011. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) Programa de Pós-graduação da UFSC, Santa Catarina. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. de 2016.

SIQUEIRA, M. M. M. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SZULANSKI, G. The process of knowledge transfer: a diachronic analysis of stickness. Organizational Behavior and Human Decision Processes, v. 82, n. 1, p. 9-27, 2000. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. de 2016.

TAKEUCHI, H; NONAKA, I. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

TAKEUCHI, H; NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TOUGH, P. Uma questão de caráter: por que a curiosidade e a determinação podem ser mais importantes que a inteligência para uma educação de sucesso. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

WILLIAMS, R. L; BUKOWITZ, W. R. Manual de gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2002.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v10i2.2601

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.