ESTRESSE E ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PROFESSORES: UM ESTUDO COMPARATIVO

Tatiane Lebre Dias, Maelison Silva Neves, Kelly Ambrozio Silveira, Sônia Regina Fiorim Enumo

Resumo


Este trabalho investigou os indicadores de estresse ocupacional e as estratégias de enfrentamento como processo de prevenção e intervenção de professores do ensino fundamental do Espírito Santo (ES) e professores da rede de educação profissional e tecnológica de Mato Grosso (MT). No estudo participaram 190 professores (109 do Espírito Santo e 81 de Mato Grosso), com predominância do sexo feminino (82,1%), que responderam a uma escala específica sobre estresse no trabalho docente e outra sobre estratégias de enfrentamento. De modo geral, verificou-se maior o percentual de professores que não indicaram presença de estresse (ES= 84,4%; MT= 85,2%). As estratégias de enfrentamento mais utilizadas pelos professores foram: a) ao quanto tem praticado: esquecer as coisas que aconteceram na escola, após o período de trabalho e, viver uma vida saudável; b) o quanto é efetivo: analisar e tentar manter os problemas em foco. Comparativamente os professores do ES apresentaram mais estratégias de enfrentamento. O uso de estratégias de enfrentamento diante das condições adversas encontradas pelos professores é um tema que precisa ser mais investigado com objetivo de melhorar a qualidade de vida e as condições de trabalho docente.

Palavras-chave: professores estresse estratégias de enfrentamento.


Texto completo:

PDF

Referências


ALDWIN, C. M. Stress, coping e development: an integrative perspective. Second Edition, Guilford Press, New York, 2007.

ALTOÉ, A. Políticas institucionais e seus desdobramentos sobre o trabalho docente: absenteísmo e presenteísmo. 2010. 138 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

CARLOTTO, M. S. A síndrome de burnout e o trabalho docente. Psicologia em Estudo, v. 7, n. 1, p. 21-29, 2002.

CLARO, G. R. A Saúde Mental do Professor do Ensino Fundamental em Curitiba.2009. 135 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2009.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Síndrome da exaustão persistente em educadores. 2008. Disponível em: http://cnte.org.br/index.php/comunicacao/noticias/859-sindrome-da-exaustao-persiste-entre-educadores.html. Acesso em: 25 de fevereiro, 2016.

FERREIRA, R. C.; SILVEIRA, A. P.; SÁ, M. A. B.; FERES, S. B. L.; SOUZA, J. G. S.; MARTINS, A. M. E. B. L. Transtorno mental e estressores no trabalho entre professores universitários da área da saúde. Trabalho, Educ. Saúde, v. 13, supl. 1, p. 135-155, 2015.

KYRIACOU, C. Stress-busting for teachers. Cheltenham: Stanley Thornes, 2000.

KYRIACOU, C. Teacher stress: Directions for future research. Educational Review, v. 53, n. 1, p. 27-35, 2001.

KYRIACOU, C. Social Support and Occupational Stress among Schoolteachers. Educational Studies, v. 7, n. 1, p. 55-60, 1981.

KYRIACOU, C.; CHIEN, P. Teacher stress in Taiwanese primary schools. Journal of Educational Enquiry, University of South Australian v. 5, n. 2, p. 86-104, 2004.

LIMA, E. C. Os sentimentos do professor gerados pelas suas vivências na prática docente: um estudo com docentes em uma escola pública no Piauí.2011. Dissertação. (Mestrado em Psicologia) – Universidade de Fortaleza, Fortaleza, 2011.

MAUES, O.C.; MOTA JUNIOR, W.P. da. A nova regulação educacional e o trabalho docente na pós-graduação brasileira. Linhas Críticas, Brasília, DF, v.17, n.33, p.385-402, 2011.

MENDES, A. R.Saúde docente: uma realidade detectada - em direção ao bem-estar e a realização profissional.2011. Dissertação. (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

MOTA, V. M. C. O exercício da docência e a preservação da saúde mental do professor: um estudo a partir de suas condições de trabalho e existência. 2011. 132p. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte, 2011.

NEVES, M. S. Trabalho docente e estresse: um estudo com professores do IFMT – Cuiabá. 2014. 180p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres, 2014.

NODARI, N. L.; FLOR, S. R. A.; RIBEIRO, A. S.; HAYASIDA, N. M. A.; CARVALHO, G. J. R. Estresse, conceitos, manifestações e avaliação em saúde: revisão de literatura. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano, v. 2, n. 1, p. 61-74, 2014.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educ. Soc., v. 25, n. 89, p. 1127-1144, 2004.

OLIVEIRA, M. G. M.; CARDOSO, C. L. Stress e trabalho docente na área de saúde. Estudos de Psicologia, v. 28, n. 2, p. 135-141, 2011.

RAMOS, F. P.; ENUMO, S. R. F. PAULA, K. M. P. Teoria Motivacional do Coping: uma proposta desenvolvimentista de análise do enfrentamento do estresse. Estudos de Psicologia, v. 32, n. 2, p. 269-279, 2015.

SANTOS, G. B. Os professores e seus mecanismos de fuga e enfrentamento. Trabalho, Educ. Saúde, v. 7, n. 2, p. 285-304, 2009.

SILVA, M. G. M. Trabalho Docente na Pós-Graduação: a lógica da produtividade em questão. 2008. 232p. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, 2008.

SILVEIRA, K. A.; ENUMO, S. R. F.; POZZATTO, R. N. PAULA, K. M. P. Indicadores de estresse e coping no contexto da educação inclusiva. Educ. Pesqui., v. 40, n. 1, p. 127-142, 2014.

SILVEIRA, K. A. A promoção do engajamento discente por professoras de classe inclusiva e suas relações com processo de estresse e coping docente. 2014. 216p. Tese (Doutorado em Psicologia) Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

SKINNER, H. A, EDGE, K., ALTMAN, J., & SHERWOOD, H. Searching for the structure of coping: A review and critique of category systems for classifying ways of coping. Psycological Bulletin, v. 129, n. 2, p. 216-269, 2003.

SOUSA, A. M. de. O perfil do adoecimento docente na Universidade de Brasília de 2006 a 2011.2013. 103 p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

SOUZA, V. F. S.; ARAUJO, C. C. F. Estresse ocupacional e resiliência entre profissionais da saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 35, n. 3, p. 900-915, 2015.

VIANA, C. M. Q. Q.; MACHADO, L. C. Desenvolvimento profissional docente e intensificação do trabalho: viver ou sobreviver. Em Aberto, v. 29, n. 97, p. 47-60, 2016.

VIEIRA, J.S.; GONÇALVES, V. B.; MARTINS, M. F. D. Trabalho docente e saúde das professoras da Educação Infantil de Pelotas, Rio Grande do Sul. Trabalho, Educ. Saúde, v. 14, n. 2, p. 559-574, 2016.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2609

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.