A PROPOSTA PEDAGÓGICA DO PROGRAMA BB EDUCAR: UMA ANÁLISE A PARTIR DO CONCEITO DE CURRÍCULO INTEGRADO

Maria Clarisse Vieira, Luciana de Oliveira Pinto

Resumo


O objetivo do presente texto é analisar a organização do trabalho pedagógico do Programa BB Educar, da Fundação Banco do Brasil (FBB), voltado para a alfabetização de jovens e adultos, no que tange à sua estrutura curricular. O estudo do material relativo ao Programa e da prática pedagógica vivenciada em diversas turmas do BB Educar é feito com base no modelo de interpretação do currículo de Sacristán (2000). O artigo mostra que o Programa possui uma proposta curricular flexível, que se aproxima do conceito de currículo integrado proposto por Santomé (1998), uma vez que favorece a reflexão crítica acerca dos valores e ideologias que permeiam as questões políticas, econômicas, sociais e culturais que os envolvem.


Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel. Educação de jovens-adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública in: SOARES, Leôncio; GIOVANETTI, Maria Amélia; GOMES, Nilma (Orgs). Diálogos na EJA. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. 1934.

________. Ministério da Educação. Alfabetização: Exigência cívica. Brasília, 1966.

________. Decreto nº 91.980, de 25.11.85. Brasília, 1985.

________. Ministério da Educação. Educação para jovens e adultos: ensino fundamental: proposta curricular -1º segmento. Brasília, 2001.

________. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 3, de 15 de junho de 2010. Institui Diretrizes Operacionais para a EJA. Brasília, 2010.

________. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão/IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD 2015. Rio de Janeiro, 2016.

DI PIERRO, Maria Clara; VÓVIO, Claudia; ANDRADE, Eliane. Alfabetização de jovens e adultos no Brasil: lições da prática. Brasília: UNESCO, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

________. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

________. Cartas à Guiné-Bissau. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio. In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise (Orgs). Ensino médio integrado: Concepções e contradições. São Paulo (SP): Editora Cortez, 2012.

______. Fundamentos científicos e técnicos da relação trabalho e educação no Brasil de hoje. In LIMA, Júlio; NEVES, Lúcia (Orgs). Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006.

FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL - FBB. Programa BB Educar: Apostila do alfabetizador. Brasília, 2004.

_____Programa BB Educar. Diário do Alfabetizador. Brasília, 2007a.

_____Programa BB Educar. Dialogando com o alfabetizador. Brasília, 2007b.

_____ Programa BB Educar: Bagagem de mão. Brasília, 2015.

GALVÃO, Ana Maria; DI PIERRO, Maria Clara. Preconceito contra o analfabeto. São Paulo: Cortez, 2013.

GDF/SEDF – Governo do Distrito Federal/Secretaria de Estado de Educação. Currículo em Movimento da Educação Básica: Educação de Jovens e Adultos. Vol. 6. Brasília (DF), 2014.

HADDAD, Sérgio. A participação da sociedade civil brasileira na educação de jovens e adultos e na CONFINTEA VI. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 41, 2009.

HADDAD, Sérgio; DI PIERRO, Maria Clara. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, n. 14, mai/jun/jul/ago, 2000.

MACHADO, Margarida. A educação de jovens e adultos no Brasil pós-Lei nº 9.394/96: a possibilidade de constituir-se como política pública. Revista Em Aberto, v. 22, n. 82, 2009.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008.

RESES, Erlando; VIEIRA, Maria Clarisse; REIS, Renato. Presença e pegadas de Paulo Freire no Distrito Federal. Revista Linhas Críticas, FE/UnB, v. 18, n. 37, p. 529-549, 2012.

RIBEIRO, Vera Masagão. Educação de jovens e adultos: proposta curricular para o 1º segmento do ensino fundamental. São Paulo: Ação Educativa, Brasília: MEC, 1997.

SACRISTÁN, José. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SANTOMÉ, Jurjo. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

SILVA, Tomaz. Documentos de identidade: Uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

TACCA, Maria Carmem; CARVALHO, Olgamir; COELHO FILHO, Paulo. Projeto de avaliação externa do Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos – BB Educar. 1ª Etapa (Análise Geral do Programa) Volume I (Diagnostico do Programa BB Educar). Fundação Universitária de Brasília e Fundação Banco do Brasil. Brasília, 2002.

VIEIRA, Maria Clarisse. Memórias-testemunhos de educadores: Contribuições da Educação Popular a Educação de Jovens e Adultos. Curitiba: CRV, 2016.

VIGOTSKI, Lev. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

________. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKI, Lev; LURIA, Alexander; LEONTIEV, Alexis. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2014.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2613

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.