Escolarização e deficiência intelectual: entre otimismos e frustrações

Renata da Silva Andrade Sobral, Amelia Araujo Mesquita

Resumo


RESUMO

O presente artigo discute a escolarização de um aluno deficiente intelectual que concluiu a educação básica em escolas públicas do estado do Pará. Num contexto onde o índice de alunos com deficiência que concluem a educação básica ainda é muito escasso. A pesquisa teve por objetivo analisar como se constituiu a trajetória de escolarização de um aluno com Deficiente Intelectual que concluiu a educação básica no Estado do Pará, esta se desenvolveu numa abordagem qualitativa, por meio da memória individual de um sujeito com deficiência intelectual. Os dados são oriundos da entrevista semiestruturada e da análise documental, e foram tratados por meio da análise de conteúdo. Como resultado, identificamos que a escolarização do sujeito da pesquisa foi produzida na experiência entre os modelos integrativo e inclusivo, inclusive com forte demarcação institucional. No entanto, independente do modelo, em ambos os casos a escola reforçou estigmas que limitaram a capacidade de aprendizagem desse aluno. Os vinte seis anos que constituíram seu tempo de escolarização, revelam expectativas e frustações, reforçando a ideia de que o objetivo da escola deve ir além da contribuição no desenvolvimento de capacidades cognitivas, no entanto potencializar todas as capacidades do ser humano. 

T


Palavras-chave


Trajetória de Escolarização. Deficiência Intelectual. Escola.

Texto completo:

PDF

Referências


AIMI, D. R. S.; TAMBORIL, M. I. B. . Breve discussão sobre o atendimento educacional especializado para estudantes com deficiência intelectual. In: Seminário de Psicologia – SEP, 2011, Porto Velho. Pesquisas em Educação e em Saúde, 2011. p. 113-121.

ANTUNES, Katiuscia C. Vargas. História de Vida de alunos com deficiência intelectual: percurso escolar e a constituição do sujeito / Katiuscia C. Vargas Antunes. – 2012. 154 f. Tese (Doutorado) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Faculdade de Educação.

BAPTISTA, Cláudio Roberto (org.). Inclusão e escolarização: múltiplas perspectivas. -2ed.-Porto Alegre: Mediação,2015.192p.

BRASIL. Governo do Estado do Paraná. Diretrizes Curriculares da Educação Especial para a construção de Currículos Inclusivos. Secretaria de Estado de Educação.SEED, Curitiba,2006.

BRASIL. Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: . Acesso em 01 abril 2016.

BUENO, J.G.S.; MENDES, G.M.L.; SANTOS, R.A. Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara, SP: Junqueira&Marin; Brasília: CAPES, p.43-66, 2008.

CASTANHEIRA, A.O. Deixa que eu falo: A inclusão sob a ótica do estudante com Deficiência Intelectual. Rio de Janeiro,2014.142 f.

CRESWELL, John W. Projeto de Pequisa: método qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FANTACINI, R. A.F; DIAS, T. R. S . Professores do Atendimento Educacional Especializado e a Organização do Ensino para o Aluno com Deficiência Intelectual. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 21, n. 1, p. 57-74, Jan.-Mar., 2015.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Trad. de Laurent Léon Schaffter. São Paulo, Vértice/Revista dos Tribunais, 1990. Tradução de: La Mémorie collective.

LANGHI, R.; NARDI, R. Interpretando reflexões de futuros professores de física sobre sua prática profissional durante a formação inicial: a busca pela construção da autonomia docente. In: Reviata Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 3, p. 403-424, 2011.

LEITE, L. P. A intervenção reflexiva como instrumento de formação continuada do educador: um estudo em classe especial. 2003. 212 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2003.

OLIVEIRA, A.A.S.; LEITE, L.P. Construção de um sistema educacional inclusivo: um desafio político-pedagógico. Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Vol. 15, fascículo 57, Cesgranrio/RJ, 2007.

PLETSCH, Márcia Denise (Org.). Estratégias educacionais diferenciadas para alunos com necessidades especiais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2013, p. 17-32.

PLETSCH, MD; OLIVEIRA, M.C.P. de; ARAUJO, D.F. Considerações sobre a escolarização de crianças e jovens com deficiência intelectual. Perspectiva em Diálogo: Rev. Educ. e Soc., Naviraí, v. 2, n. 3, p. 39-49, jan.-jun. 2015.Disponivél em Home page: http://www.seer.ufms.br/index.php/persdia/index.

PLETSCH; ARAÚJO; LIMA. Experiências de formação continuada de professores: possibilidades para efetivar a inclusão escolar de alunos com Deficiência Intelectual. Rev. Periferia: Educação, cultura e comunicação. v.9 n.1 jan-jun 2017.

SANTOS, Teresa Cristina Coelho dos. Educação Inclusiva: práticas de professores frente à deficiência intelectual / Teresa Cristina Coelho dos Santos. – Natal, RN, 2012.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2614

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.