Escolarização e deficiência intelectual: entre otimismos e frustrações

Renata da Silva Andrade Sobral, Amelia Araujo Mesquita

Resumo


RESUMO

O presente artigo discute a escolarização de um aluno deficiente intelectual que concluiu a educação básica em escolas públicas do estado do Pará. Num contexto onde o índice de alunos com deficiência que concluem a educação básica ainda é muito escasso. A pesquisa teve por objetivo analisar como se constituiu a trajetória de escolarização de um aluno com Deficiente Intelectual que concluiu a educação básica no Estado do Pará, esta se desenvolveu numa abordagem qualitativa, por meio da memória individual de um sujeito com deficiência intelectual. Os dados são oriundos da entrevista semiestruturada e da análise documental, e foram tratados por meio da análise de conteúdo. Como resultado, identificamos que a escolarização do sujeito da pesquisa foi produzida na experiência entre os modelos integrativo e inclusivo, inclusive com forte demarcação institucional. No entanto, independente do modelo, em ambos os casos a escola reforçou estigmas que limitaram a capacidade de aprendizagem desse aluno. Os vinte seis anos que constituíram seu tempo de escolarização, revelam expectativas e frustações, reforçando a ideia de que o objetivo da escola deve ir além da contribuição no desenvolvimento de capacidades cognitivas, no entanto potencializar todas as capacidades do ser humano. 

T


Palavras-chave


Trajetória de Escolarização. Deficiência Intelectual. Escola.

Texto completo:

PDF

Referências


AIMI, D. R. S.; TAMBORIL, M. I. B. . Breve discussão sobre o atendimento educacional especializado para estudantes com deficiência intelectual. In: Seminário de Psicologia – SEP, 2011, Porto Velho. Pesquisas em Educação e em Saúde, 2011. p. 113-121.

ANTUNES, Katiuscia C. Vargas. História de Vida de alunos com deficiência intelectual: percurso escolar e a constituição do sujeito / Katiuscia C. Vargas Antunes. – 2012. 154 f. Tese (Doutorado) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Faculdade de Educação.

BAPTISTA, Cláudio Roberto (org.). Inclusão e escolarização: múltiplas perspectivas. -2ed.-Porto Alegre: Mediação,2015.192p.

BRASIL. Governo do Estado do Paraná. Diretrizes Curriculares da Educação Especial para a construção de Currículos Inclusivos. Secretaria de Estado de Educação.SEED, Curitiba,2006.

BRASIL. Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: . Acesso em 01 abril 2016.

BUENO, J.G.S.; MENDES, G.M.L.; SANTOS, R.A. Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara, SP: Junqueira&Marin; Brasília: CAPES, p.43-66, 2008.

CASTANHEIRA, A.O. Deixa que eu falo: A inclusão sob a ótica do estudante com Deficiência Intelectual. Rio de Janeiro,2014.142 f.

CRESWELL, John W. Projeto de Pequisa: método qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FANTACINI, R. A.F; DIAS, T. R. S . Professores do Atendimento Educacional Especializado e a Organização do Ensino para o Aluno com Deficiência Intelectual. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 21, n. 1, p. 57-74, Jan.-Mar., 2015.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Trad. de Laurent Léon Schaffter. São Paulo, Vértice/Revista dos Tribunais, 1990. Tradução de: La Mémorie collective.

LANGHI, R.; NARDI, R. Interpretando reflexões de futuros professores de física sobre sua prática profissional durante a formação inicial: a busca pela construção da autonomia docente. In: Reviata Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 3, p. 403-424, 2011.

LEITE, L. P. A intervenção reflexiva como instrumento de formação continuada do educador: um estudo em classe especial. 2003. 212 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2003.

OLIVEIRA, A.A.S.; LEITE, L.P. Construção de um sistema educacional inclusivo: um desafio político-pedagógico. Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Vol. 15, fascículo 57, Cesgranrio/RJ, 2007.

PLETSCH, Márcia Denise (Org.). Estratégias educacionais diferenciadas para alunos com necessidades especiais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2013, p. 17-32.

PLETSCH, MD; OLIVEIRA, M.C.P. de; ARAUJO, D.F. Considerações sobre a escolarização de crianças e jovens com deficiência intelectual. Perspectiva em Diálogo: Rev. Educ. e Soc., Naviraí, v. 2, n. 3, p. 39-49, jan.-jun. 2015.Disponivél em Home page: http://www.seer.ufms.br/index.php/persdia/index.

PLETSCH; ARAÚJO; LIMA. Experiências de formação continuada de professores: possibilidades para efetivar a inclusão escolar de alunos com Deficiência Intelectual. Rev. Periferia: Educação, cultura e comunicação. v.9 n.1 jan-jun 2017.

SANTOS, Teresa Cristina Coelho dos. Educação Inclusiva: práticas de professores frente à deficiência intelectual / Teresa Cristina Coelho dos Santos. – Natal, RN, 2012.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2614

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.