“SOU ANALFABETA, MAS NÃO SOU PACATA": ESTRATÉGIAS CONSTRUÍDAS POR MULHERES NEGRAS POUCO ESCOLARIZADAS

Carmem Lucia Eiterer, Ediany Aparecida Pereira Lima

Resumo


A pesquisa teve apoio do CNPq, visou compreender as estratégias construídas por mulheres negras (pretas e pardas) educandas da Educação de Jovens e Adultos (EJA) para viverem com pouca ou nenhuma escolaridade em uma sociedade organizada através da escrita. Para isso, foram selecionadas cinco mulheres – com idade entre 27 e 67 anos – em processo de alfabetização na EJA. Buscou-se resgatar os eventos de letramento de que essas mulheres participam em sua vida cotidiana, para compreender quais soluções elas encontram para resolver situações que exigem leitura e escrita (na vida pessoal, profissional e na escola). Para isso, utilizou-se, enquanto procedimento metodológico, a abordagem de pesquisa qualitativa e como ferramenta, o estudo de caso com entrevistas, em dois momentos: no primeiro, as entrevistas foram individuais narrativas e no segundo, entrevistas semi-estruturadas. Foram articuladas as categorias gênero, raça, trabalho e geração e utilizaram-se os conceitos de vulnerabilidade social, estratégia, interseccionalidade e analfabetismo. Foi possível observar trajetórias comuns entre as entrevistadas: abandono, pobreza, violência doméstica, baixos salários. Confirmou-se a hipótese inicial de que as questões relativas a gênero, raça e pouca escolarização conjugadas produzem efeitos sociais na vida delas.


Texto completo:

PDF

Referências


AMNB, ARTICULAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES DE MULHERES NEGRAS BRASILEIRAS. Construindo a equidade: estratégia para implementação de políticas públicas para a superação das desigualdades de gênero e raça para as mulheres negras. Rio de Janeiro: AMNB, 2010.

BOGDAN, Robert; BILKEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. 11 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008

DA CRUZ, Neilton Castro. Casos pouco prováveis: trajetórias ininterruptas de estudantes da EJA no ensino fundamental. Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG, 2011. (Dissertação de Mestrado)

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução Joice Elias Costa – 3ª ed. – Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; DI PIERRO, Maria Clara. Preconceito contra o analfabeto. São Paulo, Cortez: 2007.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; SOARES, Leôncio. História da alfabetização de adultos no Brasil. In: ALBUQUERQUE, Eliana.; LEAL, Telma (Orgs.). A alfabetização de jovens e adultos em uma perspectiva de letramento. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

GOMES, Nilma Nilo. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela lei Federal nº10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

HERMANNS, H. Narratives Interview. In: FLICK, Uwe et al. (ed.). Handbuch Qualitative Sozialfordchung (2nd edn). Munich: Psychologie Verlags Union, 1995.

KAZTMAN, Rubem. et al. Vulnerabilidad, activos y exclusión social em Argentina y Uruguay. Santiago do Chile: OIT, 1999a.

KAZTMAN, Rubem. Seducidos y abandonados: el aislamiento social de los pobres urbanos. In.: Revista de la CEPAL, Santiago do Chile, n.75, p.171-189. dec. 2001. KLEIMAN, Ângela B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, Ângela B. (Org.). Os significados do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 1995. p. 15-64.

MARTUCCELLI, Danilo. Gramáticas del individuo. Buenos Aires: Losada, 2007.

PAIVA, Jane. Neoleitor. In: FRADE, Isabel Cristina, COSTA VAL, Maria das Graças; BREGUNCI, Maria das Graças de Castro (orgs). Glossário Ceale: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: UFMG / Faculdade de Educação, 2014.

REIS, Sônia Maria Alves de Oliveira. Mulheres camponesas e culturas do escrito: trajetórias de lideranças comunitárias construídas nas CEBS. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2014. (Tese de Doutorado).

SOUZA, Andréia Luciene Sol. “É tudo no dedão!” – Constrangimentos vividos por adultos em processo de alfabetização. Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG, 2015. (Dissertação de Mestrado).

XIMENES, Daniel de Aquino. Vulnerabilidade social. In: OLIVEIRA, D.A.; DUARTE, A.M.C.; VIEIRA, L.M.F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010.

YIN, Robert. Estudo de caso. 3ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2642

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.