O PIBID enquanto política educacional: repercussões para a formação de professores de Educação Física

Autores

  • Daiane Dalla Nora Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • João Francisco Magno Ribas Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2648

Palavras-chave:

Políticas públicas. Educação Física. Educação.

Resumo

O objetivo deste estudo consiste em analisar o PIBID enquanto política educacional e suas repercussões para a formação de professores de Educação Física. Para a compreensão do real fizemos uso da entrevista semiestruturada, com acadêmicos que participaram do subprojeto e estão cursando o Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Constatou-se que o PIBID – “Cultura esportiva da escola” enquanto política educacional é uma ação compensatória que acaba preenchendo lacunas da formação inicial. Além de ser uma política de adesão individual, própria da política neoliberal, que prejudica e desmobiliza ações coletivas desqualificando a formação de professores de Educação Física.

Biografia do Autor

Daiane Dalla Nora, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Graduada em Educação Física-Licenciatura (2011). Especialista em Educação Física Escolar (2013) pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Mestre em Educação Física (2015) pela UFSM. Atualmente é Doutoranda do Curso de Pós-Graduação em Educação e professora da rede municipal de Santa Maria. Participante do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho, Educação e Políticas Públicas - KAIRÓS. Realiza estudos na área de Educação Física, com ênfase em Formação de Professores, Trabalho Pedagógico e Políticas Públicas Educacionais.

João Francisco Magno Ribas, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Licenciado em Educação Física, pela Universidade Federal de Santa Maria (1988); Mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (1993); Doutor em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2002); Pós-doutor pelo Institut Nacional dÉducació Fisica de Catalunya (2009). Atualmente, é professor associado, do Departamento de Desportos Coletivos, do Centro de Educação Física, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), atuando em cursos na graduação, especialização e no Programa de Pós-graduação em Educação Física desta instituição. É vice-líder do GPELF ? Grupo de Pesquisa em Lazer e Formação de Professores, e líder do Grupo de Estudos Praxiológicos, GEP-Brasil, grupo que agrega pesquisadores deste tema no Brasil e Latino-América. É vogal da Associação Internacional de Praxiologia Motriz, AIPRAM. Pesquisa na área de Educação Física, com ênfase em praxiologia motriz, trabalho pedagógico, formação de professores, Pedagogia dos esportes. Integra o conselho editorial de periódicos nacionais e internacionais na área de Educação Física.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica – DEB. Relatório de Gestão 2009-2011 da CAPES. Brasília, Jul. 2012. p. 1-29. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/DEB_Pibid_Relatorio-2009_2011.pdf> Acesso em: 21 set. 2014.

_______. Ministério da Educação. Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica – DEB. Relatório de Gestão 2009-2013 da CAPES. Brasília, 2013. p. 1-329. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/2562014-relatrorio-DEB-2013-web.pdf>. Acesso em: 15ago. 2014.

COMITÊ NACIONAL. Em defesa da educação pública, gratuita e dos 10% do PIB para a educação pública já! Cartilha. Comitê Nacional em Defesa dos 10% do PIB para a Educação Pública Já! (ANDES-SN, ANEL, CSP-Conlutas, Oposição de Esquerda da UNE, FENET, ExNEEF, SINASEFE, CFESS). 2015.

FRIZZO, G. F. E. A Organização do trabalho pedagógico da Educação Física na escola capitalista. 2012, 265f. Tese (Doutorado em Ciências do Movimento Humano). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

MINAYO, M. C. de S. O desafio da Pesquisa Social. In: MINAYO, M. C. de S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 30. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 9-30.

PUIATI, L. L. Iniciação à docência na formação inicial de professores: possíveis relações entre cursos de licenciatura e subprojetos PIBID/CAPES na UFSM. 2014. 283f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade federal de Santa Maria. Santa Maria. 2014.

ROSA, C. L. L. PIBID: Formação Continuada para Professores de Educação Física. 2014. 114 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2014.

SANTOS JUNIOR, C. L. A Formação de Professores Em Educação Física: a Mediação dos Parâmetros Teórico-Metodológicos. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2005. 194p.

TAFFAREL, C. N. Z. et al. Formação de professores de educação física para a cidade e o campo. Revista Pensar a Prática, Goiás, v. 9, n. 2, p.153-179, jul/dez. 2006. Disponível em:

<https://www.revistas.ufg.br/index.php/fef/article/view/166/154?journal=fef>. Acesso em: 15 jan. 2015. Doi: https://doi.org/10.5216/rpp.v9i2.166

__________. Formação de professores de educação física: diretrizes para a formação unificada. Revista kinesis, Santa Maria, v. 3. 0, n. 1, p. 05-191, jan/jul. 2012. Doi: http://dx.doi.org/10.5902/010283085726

Downloads

Publicado

2018-08-29