DIDÁTICA E EPISTEMOLOGIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA: CRÍTICAS E PROPOSTAS

Renato Kraide Soffner

Resumo


Apresenta-se uma reflexão sobre as práticas didáticas da Educação Básica brasileira, criticando o modelo prescritivo, conteudista e reducionista das mesmas. Assumimos as angústias dos profissionais da Educação Básica, em seu anseio por auxílio objetivo e suporte metodológico a serem providos pela pesquisa em educação. Nossa hipótese de trabalho indica que tal pesquisa, e também a formação de professores, deveriam prover métodos e práticas que gerassem resultados reais suficientes para justificar todo o investimento feito em investigação educativa no Brasil. Concluímos que apenas as inovações pedagógicas com bases teóricas poderão auxiliar no processo de construção de verdadeira práxis educativa, e mostramos alguns caminhos e propostas.


Palavras-chave


Educação básica. Didática. Epistemologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, Fernando. A epistemologia do professor. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BORDENAVE, Juan Diaz; PEREIRA, Adair Martins. Estratégias de ensino-aprendizagem. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

BROOKS, Jacqueline G. Construtivismo em sala de aula. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BRUER, J. T. Schools for thought: a science of learning in the classroom. Cambridge: MIT Press, 1993.

CHRISTENSEN, C. M. Inovação na sala de aula: como a inovação de ruptura muda a forma de aprender. Porto Alegre: Bookman, 2009.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Capes 60 anos: revista comemorativa. Brasília: CAPES, 2011.

ERNELING, Christina E. Towards discursive education: philosophy, technology and modern education. Cambridge: Cmabridge University Press, 2010.

FREIRE, Paulo R. Pedagogia do oprimido. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GEE, J. P. What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave Macmillan, 2003.

KAPP, K. M. Gadgets, games, and gizmos for learning: tools and techniques for transferring know-how from boomers to gamers. San Francisco: John Wiley and Sons, 2007.

LOWMAN, J. Mastering the techniques of teaching. 2. ed. San Francisco: Jossey-Bass, 1995.

MORIN, Edgar. O método III: o conhecimento do conhecimento/1. 2. ed. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1996

PAPERT, S. Mindstorms: Children, computers and powerful ideas. Brighton: Harvester Press, 1980.

PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1998.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

PIAGET, Jean. A epistemologia genética. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1973.

PIAGET, Jean. Para onde vai a educação. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

POLANYI, Michael. Personal knowledge. Chicago: The University of Chicago Press, 1974.

POLANYI, Michael. The tacit dimension. Chicago: The University of Chicago Press, 2009.

POPPER, Karl Raimund. A vida é aprendizagem: epistemologia evolutiva e sociedade aberta. Lisboa: Eduções 70, 2001.

SAVIANI, Demerval. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. 11. ed. Campinas: Editores Associados, 2008.

SOFFNER, Renato Kraide. Estratégia, conhecimento e competências. Piracicaba: Degáspari, 2007.

TAPSCOTT, D. Growing up digital: the rise of the Net Generation. New York: McGraw-Hill, 1998.

TISHMAN, S.; PERKINS, D. N.; JAY, E. A cultura do pensamento na sala de aula. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

VENN, W.; VRAKKING, B. Homo zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009.

VIGOTSKI, Lev S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2673

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.