Didática e epistemologia da educação básica brasileira: críticas e propostas

Renato Kraide Soffner

Resumo


Apresenta-se uma reflexão sobre as práticas didáticas da Educação Básica brasileira, criticando o modelo prescritivo, conteudista e reducionista das mesmas. Assumimos as angústias dos profissionais da Educação Básica, em seu anseio por auxílio objetivo e suporte metodológico a serem providos pela pesquisa em educação. Nossa hipótese de trabalho indica que tal pesquisa, e também a formação de professores, deveriam prover métodos e práticas que gerassem resultados reais suficientes para justificar todo o investimento feito em investigação educativa no Brasil. Concluímos que apenas as inovações pedagógicas com bases teóricas poderão auxiliar no processo de construção de verdadeira práxis educativa, e mostramos alguns caminhos e propostas.


Palavras-chave


Educação básica. Didática. Epistemologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, Fernando. A epistemologia do professor. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BORDENAVE, Juan Diaz; PEREIRA, Adair Martins. Estratégias de ensino-aprendizagem. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

BROOKS, Jacqueline G. Construtivismo em sala de aula. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BRUER, J. T. Schools for thought: a science of learning in the classroom. Cambridge: MIT Press, 1993.

CHRISTENSEN, C. M. Inovação na sala de aula: como a inovação de ruptura muda a forma de aprender. Porto Alegre: Bookman, 2009.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Capes 60 anos: revista comemorativa. Brasília: CAPES, 2011.

ERNELING, Christina E. Towards discursive education: philosophy, technology and modern education. Cambridge: Cmabridge University Press, 2010.

FREIRE, Paulo R. Pedagogia do oprimido. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GEE, J. P. What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave Macmillan, 2003.

KAPP, K. M. Gadgets, games, and gizmos for learning: tools and techniques for transferring know-how from boomers to gamers. San Francisco: John Wiley and Sons, 2007.

LOWMAN, J. Mastering the techniques of teaching. 2. ed. San Francisco: Jossey-Bass, 1995.

MORIN, Edgar. O método III: o conhecimento do conhecimento/1. 2. ed. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1996

PAPERT, S. Mindstorms: Children, computers and powerful ideas. Brighton: Harvester Press, 1980.

PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1998.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

PIAGET, Jean. A epistemologia genética. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1973.

PIAGET, Jean. Para onde vai a educação. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

POLANYI, Michael. Personal knowledge. Chicago: The University of Chicago Press, 1974.

POLANYI, Michael. The tacit dimension. Chicago: The University of Chicago Press, 2009.

POPPER, Karl Raimund. A vida é aprendizagem: epistemologia evolutiva e sociedade aberta. Lisboa: Eduções 70, 2001.

SAVIANI, Demerval. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. 11. ed. Campinas: Editores Associados, 2008.

SOFFNER, Renato Kraide. Estratégia, conhecimento e competências. Piracicaba: Degáspari, 2007.

TAPSCOTT, D. Growing up digital: the rise of the Net Generation. New York: McGraw-Hill, 1998.

TISHMAN, S.; PERKINS, D. N.; JAY, E. A cultura do pensamento na sala de aula. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

VENN, W.; VRAKKING, B. Homo zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009.

VIGOTSKI, Lev S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2673

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.