O ensino de estatística e probabilidade por meio de jogos e resolução de problemas diante dos desafios do processo de formação docente

Beatriz Cristina da Silva Delalibera, Aline Resende Gomes, Daniel Fernando Bovolenta Ovigli

Resumo


O curso de formação inicial tem a responsabilidade de cumprir o desafio de preparar professores para uma educação significativa, que possibilite ao aluno interpretar e fazer conclusões por meio das mensagens disponibilizadas, auxiliando-o a se constituir em um cidadão capaz de tomar decisões. Para colaborarmos com as discussões sobre as contribuições dos cursos de licenciatura para o ensino de Probabilidade e Estatística, realizamos uma pesquisa bibliográfica de cunho qualitativo. Com a investigação notamos indicativos de que o ensino da Estatística e Probabilidade não pode ser realizado por meio de fórmulas e reproduções. Em uma vertente mais atual o professor assume o papel de mediador e incentivador no processo de construção do conhecimento ao proporcionar situações didáticas que desafiem e estimulem seus alunos mediante metodologias, a exemplo de resolução de problemas e jogos, o que também pode contribuir no processo de formação do professor a partir da reflexão sobre sua prática. 


Palavras-chave


Formação inicial. Jogos. Resolução de problemas.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, M. C.; AQUINO, O. F.; PUENTES, R. V. Formação de Professores no Brasil: história, políticas e perspectivas. In: Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.42, p.94-112, jun 2011. Disponível em: Acesso em: 29 ago. 2017.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Secretaria de Educação Fundamental – Ensino de 1ª a 4ª série – Brasília: MEC / SEF, vol. 3,1997.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Secretaria de Educação Fundamental – Ensino de 5ª a 8ª série – Brasília: MEC / SEF, vol. 3,1998.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais + (PCN+) - Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC, 2002.

BOLÍVAR, A. Construcción de la identidad profesional del profesorado. In: La identidad profesional del profesorado de secundaria: crisis y reconstrucción. Málaga, España: Ediciones Aljibe, 2006, 57-80.

BOGDAN, R. BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Editora Porto, 1994.

CAZORLA, I. M.; CASTRO, F. C. de. O papel da estatística na leitura do mundo: o letramento estatístico. Publicatio UEPG: Ciências Humanas, Linguísticas, Letras e Artes, Ponta Grossa, P. 45-53, jun. 2008. Disponível em: < http://www.revistas2.uepg.br/index.php/humanas/article/view/617/605> Acesso em: 28 de ago. de 2017.

CIAMPA, A. C. Identidade humana como metamorfose: a questão da família e do trabalho e a crise de sentido no mundo moderno. V.III, n°6, Interações, 1998. Disponível em: . Acesso em 13 de out. 2016.

DELLA NINA, C. T. et al. Um currículo de matemática em movimento. Ruth Portanova (Org.). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

DUBAR, C. Para uma teoría sociológica da identidade. ________. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Tradução Andréa Stahel M. da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

EVANGELISTA, B.; GUIMARÃES, G. Aprendizagem de alunos do 5º ano sobre escalas representadas em gráficos. In: SAMÁ, Suzi; SILVA, Mauren Porciúncula Moreira. (Org.). Educação estatística: ações e estratégias pedagógicas no ensino básico e superior. Curitiba, PR: CRV, 2015.

FONSECA, V. J. Probabilidade – uma proposta de ensino – O uso do Teorema da Multiplicação de Probabilidade como um facilitador e integrador de diversas abordagens deste assunto. 2013. 48 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GARCIA, C. M. Formação de professores – para uma mudança educativa. Tradução de Isabela Narciso. Portugal: Porto Editora, 1999.

GATTI, B. A. Políticas e práticas de formação de professores: Perspectivas no Brasil. XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP – Campinas: Junqueira&Marin Editores. Livro 2, p. 16, 2012. (Arquivo digital)

GATTI, B. A; BARRETTO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A.. Contexto contemporâneo, cultura, educação e políticas voltadas aos docentes. _______. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011. Disponível em: Acesso em: 29 ago. 2017.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

GRANDO, R. C. O Jogo suas possibilidades metodológicas no processo ensino-aprendizagem da matemática. 1995. 159 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

GRANDO, R. C. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. 2000. 239 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

LAVILLE, C; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Tradução de Heloísa Monteiro e Francisco Settineri. Porto Alegre: Artmed, 1999.

LOPES, C. E. O Ensino de Estatística e Probabilidade na Educação Básica e a Formação de Professores. Cad. Cedes. Campinas, vol. 28. n. 74. p. 57 – 73, jan. /abr. 2008. Disponível em: Acesso em 19 set. 2017.

MAGALHÃES, M. N. Desafios do Ensino de Estatística na Licenciatura em Matemática. In: SAMÁ, Suzi; SILVA, Mauren Porciúncula Moreira. (Org.). Educação estatística: ações e estratégias pedagógicas no ensino básico e superior. Curitiba, PR: CRV, 2015.

MARIM, V.; BARBOSA, A. C. I. Jogos Matemáticos: Uma proposta para o ensino das operações elementares. In: OLIVEIRA, C. C.; MARIM, V. (Org.). Educação Matemática: contextos e práticas docentes. Campinas, São Paulo: Editora Alínea, 2010.

MORENO, M. M. A.; CAZORLA, I. M.. Utilização do dotplot e do boxplot na aprendizagem da variabilidade estatística no Ensino Médio. In: SAMÁ, Suzi; SILVA, Mauren Porciúncula Moreira. (Org.). Educação estatística: ações e estratégias pedagógicas no ensino básico e superior. Curitiba, PR: CRV, 2015.

MOURA, M. O. O jogo e a construção do conhecimento. Série Ideias n. 10, São Paulo: FDE, 1992. p. 45-52 – disponível em Acesso em 06 set. 2017.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Pesquisa em Resolução de Problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. Bolema, Rio Claro, v. 25, n. 41, p. 73-98, 2011.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: ______ (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 8.ed. São Paulo: Cortez, 2012.

POLYA, G. A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático.

Tradução: Heitor Lisboa de Araujo. Rio de Janeiro: Interciência, 1995.

RIBEIRO, F. D. Jogos e modelagem na educação matemática. São Paulo: Saraiva, 2009.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação. v. 14 n. 40, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a12.pdf> Acesso em 13 set. 2017.

SMOLE, K. S. DINIZ, M. I. CÂNDIDO, P. Jogos de matemática de 1º a 5º ano. Cadernos do Mathema-Ensino Fundamental. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I.; PESSOA, N.; ISHIHARA, C. Jogos de matemática de 1º a 3º ano. Cadernos do Mathema-Ensino Médio. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SMOLE, K.S.; DINIZ, M.I.; MILANI, E. Jogos de matemática do 6° ao 9° ano. Cadernos do Mathema. Porto Alegre: Artmed 2007.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2719

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.