O ensino de estatística e probabilidade por meio de jogos e resolução de problemas diante dos desafios do processo de formação docente

Beatriz Cristina da Silva Delalibera, Aline Resende Gomes, Daniel Fernando Bovolenta Ovigli

Resumo


O curso de formação inicial tem a responsabilidade de cumprir o desafio de preparar professores para uma educação significativa, que possibilite ao aluno interpretar e fazer conclusões por meio das mensagens disponibilizadas, auxiliando-o a se constituir em um cidadão capaz de tomar decisões. Para colaborarmos com as discussões sobre as contribuições dos cursos de licenciatura para o ensino de Probabilidade e Estatística, realizamos uma pesquisa bibliográfica de cunho qualitativo. Com a investigação notamos indicativos de que o ensino da Estatística e Probabilidade não pode ser realizado por meio de fórmulas e reproduções. Em uma vertente mais atual o professor assume o papel de mediador e incentivador no processo de construção do conhecimento ao proporcionar situações didáticas que desafiem e estimulem seus alunos mediante metodologias, a exemplo de resolução de problemas e jogos, o que também pode contribuir no processo de formação do professor a partir da reflexão sobre sua prática. 


Palavras-chave


Formação inicial. Jogos. Resolução de problemas.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, M. C.; AQUINO, O. F.; PUENTES, R. V. Formação de Professores no Brasil: história, políticas e perspectivas. In: Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.42, p.94-112, jun 2011. Disponível em: Acesso em: 29 ago. 2017.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Secretaria de Educação Fundamental – Ensino de 1ª a 4ª série – Brasília: MEC / SEF, vol. 3,1997.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Secretaria de Educação Fundamental – Ensino de 5ª a 8ª série – Brasília: MEC / SEF, vol. 3,1998.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais + (PCN+) - Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC, 2002.

BOLÍVAR, A. Construcción de la identidad profesional del profesorado. In: La identidad profesional del profesorado de secundaria: crisis y reconstrucción. Málaga, España: Ediciones Aljibe, 2006, 57-80.

BOGDAN, R. BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Editora Porto, 1994.

CAZORLA, I. M.; CASTRO, F. C. de. O papel da estatística na leitura do mundo: o letramento estatístico. Publicatio UEPG: Ciências Humanas, Linguísticas, Letras e Artes, Ponta Grossa, P. 45-53, jun. 2008. Disponível em: < http://www.revistas2.uepg.br/index.php/humanas/article/view/617/605> Acesso em: 28 de ago. de 2017.

CIAMPA, A. C. Identidade humana como metamorfose: a questão da família e do trabalho e a crise de sentido no mundo moderno. V.III, n°6, Interações, 1998. Disponível em: . Acesso em 13 de out. 2016.

DELLA NINA, C. T. et al. Um currículo de matemática em movimento. Ruth Portanova (Org.). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

DUBAR, C. Para uma teoría sociológica da identidade. ________. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Tradução Andréa Stahel M. da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

EVANGELISTA, B.; GUIMARÃES, G. Aprendizagem de alunos do 5º ano sobre escalas representadas em gráficos. In: SAMÁ, Suzi; SILVA, Mauren Porciúncula Moreira. (Org.). Educação estatística: ações e estratégias pedagógicas no ensino básico e superior. Curitiba, PR: CRV, 2015.

FONSECA, V. J. Probabilidade – uma proposta de ensino – O uso do Teorema da Multiplicação de Probabilidade como um facilitador e integrador de diversas abordagens deste assunto. 2013. 48 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GARCIA, C. M. Formação de professores – para uma mudança educativa. Tradução de Isabela Narciso. Portugal: Porto Editora, 1999.

GATTI, B. A. Políticas e práticas de formação de professores: Perspectivas no Brasil. XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP – Campinas: Junqueira&Marin Editores. Livro 2, p. 16, 2012. (Arquivo digital)

GATTI, B. A; BARRETTO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A.. Contexto contemporâneo, cultura, educação e políticas voltadas aos docentes. _______. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011. Disponível em: Acesso em: 29 ago. 2017.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

GRANDO, R. C. O Jogo suas possibilidades metodológicas no processo ensino-aprendizagem da matemática. 1995. 159 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

GRANDO, R. C. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. 2000. 239 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

LAVILLE, C; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Tradução de Heloísa Monteiro e Francisco Settineri. Porto Alegre: Artmed, 1999.

LOPES, C. E. O Ensino de Estatística e Probabilidade na Educação Básica e a Formação de Professores. Cad. Cedes. Campinas, vol. 28. n. 74. p. 57 – 73, jan. /abr. 2008. Disponível em: Acesso em 19 set. 2017.

MAGALHÃES, M. N. Desafios do Ensino de Estatística na Licenciatura em Matemática. In: SAMÁ, Suzi; SILVA, Mauren Porciúncula Moreira. (Org.). Educação estatística: ações e estratégias pedagógicas no ensino básico e superior. Curitiba, PR: CRV, 2015.

MARIM, V.; BARBOSA, A. C. I. Jogos Matemáticos: Uma proposta para o ensino das operações elementares. In: OLIVEIRA, C. C.; MARIM, V. (Org.). Educação Matemática: contextos e práticas docentes. Campinas, São Paulo: Editora Alínea, 2010.

MORENO, M. M. A.; CAZORLA, I. M.. Utilização do dotplot e do boxplot na aprendizagem da variabilidade estatística no Ensino Médio. In: SAMÁ, Suzi; SILVA, Mauren Porciúncula Moreira. (Org.). Educação estatística: ações e estratégias pedagógicas no ensino básico e superior. Curitiba, PR: CRV, 2015.

MOURA, M. O. O jogo e a construção do conhecimento. Série Ideias n. 10, São Paulo: FDE, 1992. p. 45-52 – disponível em Acesso em 06 set. 2017.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Pesquisa em Resolução de Problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. Bolema, Rio Claro, v. 25, n. 41, p. 73-98, 2011.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: ______ (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 8.ed. São Paulo: Cortez, 2012.

POLYA, G. A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático.

Tradução: Heitor Lisboa de Araujo. Rio de Janeiro: Interciência, 1995.

RIBEIRO, F. D. Jogos e modelagem na educação matemática. São Paulo: Saraiva, 2009.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação. v. 14 n. 40, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a12.pdf> Acesso em 13 set. 2017.

SMOLE, K. S. DINIZ, M. I. CÂNDIDO, P. Jogos de matemática de 1º a 5º ano. Cadernos do Mathema-Ensino Fundamental. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I.; PESSOA, N.; ISHIHARA, C. Jogos de matemática de 1º a 3º ano. Cadernos do Mathema-Ensino Médio. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SMOLE, K.S.; DINIZ, M.I.; MILANI, E. Jogos de matemática do 6° ao 9° ano. Cadernos do Mathema. Porto Alegre: Artmed 2007.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2719

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.