A imagem do professor de língua portuguesa: indícios de queixas

Patricia Soares Batista Teixeira

Resumo


O presente trabalho é parte integrante  do estudo realizado na dissertação de mestrado  que analisa  registros do licenciando sobre as práticas de ensino. Este tem como finalidade  verificar por meio de uma análise discursiva, elementos na escrita que delineiam a imagem do professor supervisor de estágio de língua portuguesa, bem como a imagem de si enquanto professor em formação. O objetivo é verificar nos escritos  possíveis indícios de queixas acerca do trabalho do profissional em exercício. As análises são fundamentadas no conceito pêchetiano de formações imaginárias, que designa o que o sujeito pode ou não dizer a partir da posição que ocupa. Os resultados mostram que  a imagem do professor supervisor para o professor em formação está muito aquém do esperado. Ele ainda é visto como alguém despreparado, cansado e sem criatividade. O corpus é constituído por excertos de relatórios finais de estágio supervisionado do curso de Letras de duas instituições federais  que  se encontram  disponíveis na  base de dados do Grupo de Pesquisa Gepadle (Grupo de estudos e pesquisas em análise do discurso leitura e escrita) que estuda o papel da escrita nas licenciaturas. 


Palavras-chave


Escrita. Queixas.Professor.

Texto completo:

PDF

Referências


BARZOTTO, Valdir Heitor. Leitura, escrita e relação com o conhecimento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2016. 182 p.

CARDOSO, Silvia Helena Barbi. Discurso e ensino. São Paulo: Ed. Autentica, 2017.

FAIRCHILD, T. A escrita sobre as práticas de ensino em licenciaturas do Brasil, da Costa Rica e de Honduras: registro, análise e produção de conhecimento. [s. n] Pará: Chamada universal MCTI/CNPQ nº 14/2014, 2010.

FERNANDEZ, Alicia. A mulher escondida na professora. Disponível em: http://br.groups.yahoo.com/group/digital_source/acesso em: 16/09/2017

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Contexto contemporâneo, cultura, educação e políticas voltadas aos docentes. Ministério da Educação. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011, p. 23-30. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002121/212183por.pdf>

PÊCHEUX & FUCHS (1975). A propósito da Análise Automática do Discurso. In: GADET & HAK (org.). Por uma análise automática do discurso. Campinas: Ed. Unicamp, 2014, p.91-106

POSSENTI, Sírio. Teoria do discurso: um caso de múltiplas rupturas. In: Introdução à linguística: domínios e fronteiras. Mussalim e Bentes (Orgs.) São Paulo: Ed. Cortez, 2004




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2737

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.