A relação de estudantes com a escolha do tema para seus projetos de pesquisa: mobilização e sentido para pesquisar

Uly Alves Moreira, Messias Dieb

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo categorizar os móbeis que impulsionam a escolha dos temas dos projetos de pesquisa elaborados pelas equipes que cursaram a disciplina de metodologia cientifica no semestre 2017.1, do curso de Pedagogia – noturno, da Universidade Federal do Ceará. Para tratar sobre esse assunto, fizemos uso da conceituação de Charlot (2000) sobre móbeis, mobilização e sentido. Trata-se de uma pesquisa quanti-qualitativa, na qual se utilizou como instrumento de construção de dados um questionário com questões objetivas e subjetivas. Após serem estudados e analisados os dados, a análise aponta como resultados os principais móbeis que se sintetizam em três grandes tipologias: 1) o desejo de conhecer melhor o tema, 2) a relação entre o trabalho do estudante e o tema e 3) a relação entre vivências e/ou situações de cunho pessoal dos estudantes e o tema. Essas tipologias de móbeis foram essenciais para o reconhecimento do tema como sendo relevante pelas equipes. Neste sentido, conclui-se que esses móbeis que impulsionaram os indivíduos na escolha do tema estão muito vinculados às suas histórias de vida e experiências particulares, sobre as quais os estudantes desejam trazer para a discussão e/ou conhecer mais aspectos ligados aos temas.


Palavras-chave


Educação; Estudantes universitários; Disciplinas eletivas.

Texto completo:

PDF

Referências


CAMPOS, Claudinei José Gomes. Método de Análise de Conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, ano 57, n. 5, p. 611 – 614, set./out. , 2004. Disponível em: . Acesso em: 12 jul 2018.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

GERHARDT, Tatiana Engel. Org. Métodos de pesquisa. Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GONÇALVES, Hortência de Abreu. Manual de metodologia da pesquisa científica. São Paulo: Avercamp, 2005.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003, p. 174.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.3093

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.