Modos como estudantes de Ensino Médio interpretam ironias em textos escritos

Carlos Henrique Rizzo

Resumo


Este artigo volta-se à análise do modo como estudantes adolescentes leem a ironia. Para isso, analisa comentários escritos por alunos de ensino médio de uma escola pública, a partir da leitura de um texto irônico retirado da internet. Nosso objetivo é evidenciar os modos por meio dos quais os alunos de ensino médio leem, e como eles reelaboram na escrita aquilo que leram. Partimos de dois questionamentos: 1) De que forma os alunos elaboram comentários escritos após a leitura de determinado texto?; e 2) Qual a medida em que os alunos de ensino médio recuperam a ironia (BENETTI, 2016) constitutiva do texto selecionado pelo professor para uma atividade didática? O corpus que constitui a análise é composto por 100 manuscritos de alunos de quatro turmas do ensino médio (duas de primeira série e duas de segunda série). Como metodologia fizemos análises quantitativas e qualitativas. Os resultados mostram que muitos alunos, ao lerem um texto calcado sobre contextos de incongruências, limitam-se a testemunhar apenas a superfície textual, adotando a leitura como um processo de decodificação. Já para os poucos que recuperam as estratégias discursivas de construção do texto irônico, esses demonstram terem empreendido um movimento de interpretação (ORLANDI, 2007) na leitura, aliando a materialidade textual à exterioridade.


Palavras-chave


Leitura. Escrita. Ensino Médio.

Texto completo:

PDF

Referências


AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 19, p. 25-42, jul./dez, 1990. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636824 . Acesso em: 20 nov. 2018.

BENETTI, Márcia. A ironia como estratégia discursiva da revista Veja. LÍBERO. ISSN impresso: 1517-3283/ISSN online: 2525-3166, n. 20, p. 37-46, 2016. Disponível em: http://seer.casperlibero.edu.br/index.php/libero/article/view/632. Acesso em: 05 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Secretaria da Educação Básica. Ministério da Educação. Orientações Curriculares para o Ensino Médio – Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, DF, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf. Acesso em: 10 nov. 2018.

BRITTO, Luiz Percival L. Em terra de surdos-mudos (um estudo sobre as condições de produção de textos escolares). In: GERALDI, João Wanderley. (org.) O texto na sala de aula. São Paulo : Ática, 1984.

CEGALLA, Domingos P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48. ed. São Paulo : Companhia Editora Nacional, 2008.

CIPRO NETO, Pasquale; INFANTE, Ulisses. Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo : Scipione, 2003.

GERALDI, João Wanderley. Prática de leitura na escola. In: _______ (org.) O texto na sala de aula. São Paulo : Ática, 1984.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

LEFFA, Vilson J. Perspectivas no estudo da leitura; Texto, leitor e interação social. In: LEFFA, Vilson J.; PEREIRA, Aracy, E. (Orgs.) O ensino da leitura e produção textual : Alternativas de renovação. Pelotas : Educat, 1999. p. 13-37.

MACHADO, Ida Lúcia. A ironia como fenômeno lingüístico-argumentativo. Revista de Estudos da Linguagem, [s.l.], v. 3, n. 2, p. 141-153, dez. 1995. ISSN 2237-2083. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/1017/1128. Acesso em: 20 nov. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.3.2.141-153 .

MACHADO, Ida Lucia. A ironia como estratégia comunicativa e argumentativa. Bakhtiniana: Revista de Estudos Discurso, São Paulo , v. 9, n. 1, p. 108-128, julho, 2014 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-45732014000100008&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 20 nov. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S2176-45732014000100008 .

MARCUSCHI, L.A. Leitura como processo inferencial num universo cultural cognitivo. In: BARZOTTO. Valdir. H. (org.) Estado de leitura. Campinas, SP: Mercados de Letras : Associação de Leitura do Brasil, 1999.

MONTEIRO, Loreta Russo. Figuras de Linguagem: da retórica à aula de língua portuguesa. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação (FE) da Universidade de São Paulo (USP), 2016.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Leitura: teoria e prática. São Paulo: Mercado Aberto e ALB, 1983.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Interpretação: autoria leitura e efeitos do trabalho simbólico. 5ª ed. Campinas : Pontes Editores, 2007.

PEREIRA, Carolina de Jesus. Meandros da interpretação: os textos e seus leitores. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação – USP, 2016.

POSSENTI, Sírio. A leitura errada existe. In: BARZOTTO. Valdir. H. (org.) Estado de leitura. Campinas, SP: Mercados de Letras : Associação de Leitura do Brasil, 1999.

RIOLFI, Claudia R.; MAGALHÃES, Mical. Modalizações nas posições subjetivas durante o ato de escrever. Estilos da Clínica, v. 13, n. 24, p. 98-121, 2008. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v13i24p98-121. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/estic/article/view/68524 . Acesso em: 12 nov. 2018.

RIOLFI, Claudia R.; IGREJA, Suelen G. Ensinar a escrever no ensino médio: cadê a dissertação?. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 311-324. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v36n1/a08v36n1.pdf . Acesso em: 20 nov. 2018.

SANTOS, Eliane Pereira; ALVES FILHO, Francisco. Relações dialógicas e a construção do sentido no gênero comentário on-line. Revista FSA, v. 9, n. 2, p. 144-160, 2012. Disponível em: http://www4.fsanet.com.br/revista/index.php/fsa/article/view/41/53. Acesso em: 06 nov. 2018.

SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias. São Paulo: SEE, 2011. 260 p. (Coordenação geral, Maria Inês Fini; coordenação de área, Alice Vieira). Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/237.pdf. Acesso em 01 nov 2018.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v12i2.3419

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.