Integração latino-americana para a educação infantil: em foco as políticas intersetoriais recomendadas pela Unesco

Camila Maria Bortot, Ângela Mara de Barros Lara

Resumo


O objetivo do presente artigo foi examinar as orientações propaladas pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura nos relatórios Participación de Las Familias en La Educación Infantil Latinoamericana e Síntesis Regional de Indicadores de La Primera Infancia, ambos datados em 2004. Ilustrado por meio de Mapas Conceituais, os documentos evidenciam ‘boas práticas’ de programas de países da América Latina, e, orientam que a educação na primeira infância é uma oportunidade para se assegurar melhores resultados na educação posterior, tendo em vista que uma experiência educativa bem-sucedida nos primeiros anos ocasiona importantes benefícios sociais, educativos e econômicos no futuro. Tais orientações assinalam a uma Agenda Regionalmente Estruturada para a etapa analisada, por meio de ações intersetoriais entre educação-saúde das crianças e de suas famílias. Conclui-se que a ênfase em práticas intersetoriais se figuram como um dos antídotos para o alívio e gestão da pobreza, bem como a manutenção do capital humano futuro, para prefigurar, tendencialmente, na dinâmica geopolítica que envolvem as políticas para a educação infantil na América Latina.


Palavras-chave


UNESCO. América Latina. Políticas Intersetoriais. Educação Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


BALL, S.J. Educational reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

BID. Banco Interamericano de Desenvolvimento. Os primeiros anos: o bem-estar infantil e o papel das políticas públicas. Editado por: Samuel Berlinski, Nobert Schady. Washington: BID, 2016

BORTOT, Camila Maria. LARA, Ângela Mara de Barros. O kit educacional do UNICEF: Programa da Família Brasileira Fortalecida e suas implicações na gestão. Revista Administração Educacional – DAEPE-CE-UFPE, Recife-PE, v.9, n. 1 p. 42-65, jan/jun. 2018.

CAMPOS, Rosania. Educação Infantil e organismos Internacionais: uma análise dos projetos em curso na América Latina e suas repercussões no contexto nacional. Tese (doutorado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

CARCANHOLO, Marcelo. Neoconservadorismo com roupagem alternativa: a nova Cepal dentro do Consenso de Washington. In: CASTELO, Rodrigo (Org.). Encruzilhadas da América Latina no século XXI. Rio de Janeiro: Zahar. 2010. p. 69-79.

CEPAL. La pobreza infantil: un desafío prioritário. Desafios: Boletín de la infancia y adolescencia sobre el avance de los objetivos del desarrollo del Milenio, n. 10, mayo de 2010. Santiago, Chile: CEPAL/UNICEF, 2010a. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2017.

CEPAL. Panorama Social de América Latina. Santiago do Chile: CEPAL, 2015.

DALE, Roger, Globalização e educação: demonstrando a existência de uma ‘cultura educacional mundial comum’ ou localizando uma ‘agenda globalmente estruturada’ para a educação. Educação, Sociedade e Culturas, Porto, n. 16, p. 133- 169,2001.

DALE, Roger. Demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para educação”. Educação e Sociedade. v.25, nº 87, Campinas/SP, mai/ago, 2004.

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida Oto. Professor: protagonista e obstáculo da reforma. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.33, n.3, p. 531-541, set./dez. 2007.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 8. ed. Rio de Janeiro-RJ: Civilização Brasileira, 1991.

MÉNDEZ, Emilio Garcia. G. Infância, lei e democracia: uma questão de justiça. In: MÉNDEZ, Emilio Garcia; BELOFF, Mary (Org.). Infância, lei e democracia na América Latina: análise crítica do panorama legislativo no marco da Convenção Internacional dos Direitos da Criança (1990-1998). Blumenau: Edifurb, 2001. p.21-46.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração dos Direitos da Criança. Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas n.º 1386 (XIV), de 20 de novembro de 1959.

ONU. Organização das Nações Unidas. Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Adotado e aberto à assinatura, ratificação e adesão pela resolução 2200A (XXI) da Assembléia Geral das Nações Unidas, de 16 de Dezembro de 1966. Entrada em vigor na ordem internacional: 3 de Janeiro de 1976, em conformidade com o artigo 27.º.

PEREIRA, João Marcio Mendes. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiros (1944-2008). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

PINTO, Manuel; SARMENTO, Manuel Jacinto. As crianças: contextos e identidades. Minho. Portugal. Universidade do Minho / Centro de Estudos da Criança, 1997.

ROSEMBERG, Fúlvia. Organizações multilaterais, estado e políticas de Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.115, março 2002.

ROSEMBERG, Fúlvia; MARIANO, Carmem Lúcia Sussel. A convenção internacional sobre os direitos da criança: debates e tensões. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.141, p.693-728, set./dez. 2010.

SÁ-SILVA, Jackson Ronie; ALMEIDA, Cristóvão Domingos de; GUINDANI, Joel Felipe. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais v.1, n.1, jul. /2009. Disponível em: https://www.rbhcs.com/rbhcs/article/viewFile/6/pdf Acesso em: 18 de out. 2018.

SHIROMA, Eneida Oto; CAMPOS, Roselaine Fátima; GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva. v.23, n.2, p. 427- 446. jul./dez. 2005.

UNESCO. Síntesis regional de indicadores de la primera infancia. Santiago, Chile, mayo, 2004b. Disponível em:

UNESCO. Atención y educación de la primera infancia. Informe regional: América Latina y Caribe. Santigo, Chile, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

UNESCO/OREALC. Participación de las familias en la Educación Infantil Latinoamericana. Santiago, Chile, agosto, 2004a. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v11i4.3451

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.