Metodologias ativas e o uso do Facebook como interface colaborativa na Educação Superior

Maria Paula Mansur Mäder, Marilda Aparecida Behrens

Resumo


Este artigo apresenta observações e reflexões sobre a aplicação do Facebook como recurso de ensino-aprendizagem, considerando-o um suporte para promover aproximação e interação dos estudantes, numa turma de 26 alunos de uma disciplina específica de um curso superior de uma instituição privada de Curitiba. Caracteriza-se tal pesquisa como um procedimento de pesquisa-ação, de abordagem qualitativa que partiu de uma experiência empírica. A fim de proporcionar meios de aprendizagem mais acessíveis e próximos ao perfil dos alunos, todos da geração Y, foi criado pela professora um grupo fechado no Facebook, no qual foi promovida a interação dos alunos com o objetivo de verificar a aceitação e engajamento por meio de uma mídia social, no que diz respeito ao seu uso como recurso educacional. Coube ainda uma reflexão sobre a formação docente numa visão complexa para atuar nesse contexto e apreciação da ubiquidade como um desafio já instalado na realidade da educação.


Palavras-chave


Redes sociais. Formação docente. Ensino Superior.

Texto completo:

PDF

Referências


BACICH, L.; MORAN, J. M. Aprender e ensinar com foco na educação híbrida. Revista Pátio, v. 17, n. 25, p. 45-47, 2015.

_________________________. Metodologias Ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BEHRENS, M. O paradigma emergente e a prática pedagógica. 6ª ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

EBELING, F.; BOHADA, E. O Facebook no Ensino Superior: transgressão e transformação. In. ROSADO, L. A.; BOHADA, E.; FERREIRA, G. (Orgs.) Educação e Tecnologia: parcerias 2.0. Rio de Janeiro: Ed. Universidade Estácio de Sá, 2013.

GABRIEL, Martha. Educar. A (r)evolução digital na educação. São Paulo: Saraiva, 2013.

JONES, Vicki; JO, Jun H. Ubiquitous learning environment: An adaptive teaching system using ubiquitous technology. In: Beyond the comfort zone: Proceedings of the 21st ASCILITE Conference. 2004. p. 474.

MODESTO, Marcelo. Uso das redes sociais na educação avança, mas ainda apresenta grandes desafios. 20 de abril de 2011. Disponível em https://www.institutoclaro.org.br/em-pauta/uso-das-redes-sociais-na-educacao-avanca-mas-ainda-apresenta-grandes-desafios/ >Acesso em 27/02/2016.

MORAES, M.C. Complexidade e Transdisciplinaridade na Formação Docente. In: MORAES, M.C.; NAVAS, J.M. (orgs) Complexidade e Transdisciplinaridade em Educação: teoria e prática docente. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2010. P. 175-205.

SANTAELLA, Lucia. Desafios da ubiquidade para a educação. 04 de abril de 2013. Disponível em: Acesso em 27/02/2016.

__________. A aprendizagem ubíqua substitui a educação formal? Revista de Computação e Tecnologia da PUC-SP. v. 2 n. 1, p. 17-22, 2010.

__________. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SANTOS, A; SOMMERMAN, A. (orgs) Complexidade e Transdisciplinaridade: em busca da totalidade perdida. Conceitos e práticas na educação. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SANTOS, E.; WEBER, A. Educação e cibercultura: aprendizagem ubíqua no currículo da disciplina didática. Revista Diálogo Educacional da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, v.13, n. 38 p. 285-303. Curitiba, 2013.

TSUKAMOTO, N., FIALHO, N. e TORRES, P.L. A face educacional do Facebook. Um relato de experiência. In. PORTO, Cristiane, SANTOS, Edméia (Orgs.). Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar. Campina Grande: EDUEPB, 2014.

VALENTE, José Armando. Pesquisa, comunicação e aprendizagem com o computador. O papel do computador no processo ensino-aprendizagem. In: ALMEIDA, Maria Elizabeth; MORAN, José Manuel (Org.). Integração das Tecnologias na Educação. Brasília: Ministério da Educação/Seed, 2005.

________. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4/2014, p. 79-97. Editora UFPR.

VERGARA, Sylvia Constante. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 9ª ed. São Paulo: Atlas, 2007.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.3510

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.