Literatura clássica na atualidade: práticas curriculares inclusivas no Ensino Médio

Andreia Alexandre Silva Duarte, Eliana Marques Zanata

Resumo


As práticas de ensino que envolvem a literatura clássica na atualidade mostram-se uma proposta desafiadora, uma vez que adolescentes têm diversos atrativos externos, com ênfase nas tecnologias disponíveis e, além disso, professores contam com alunos PAEE (Público-Alvo da Educação Especial) nas salas de aula. O objetivo geral: promover e avaliar as possibilidades de associação da leitura de poema clássico à análise de materiais multimodais, como proposta para a formação do leitor crítico e participativo nas aulas de literatura no Ensino Médio, incluindo os alunos PAEE. Objetivos específicos: apresentar e analisar a proposta de intervenção na área de literatura clássica disponível no Currículo Oficial de Estado de São Paulo; mapear as ações dos alunos que caracterizam seu envolvimento com a atividade proposta; verificar a disponibilidade e ação dos docentes frente à aplicabilidade da atividade proposta. Pesquisa ação-participante de abordagem qualitativa, contou com três docentes de Língua Portuguesa, 42 adolescentes, dos quais quatro caracterizam-se como PAEE. As atividades propostas incluíram: leitura do poema, roda de conversa, musicalização e produção textual espelhada em um poema clássico. Os estudantes com e sem deficiência utilizaram estratégias que contribuíram para a realização das tarefas, demonstrando melhoria na competência leitora. A adoção de práticas de maneira contextualizada motivou os alunos a ler os clássicos com autonomia e protagonismo, impactando a aprendizagem de todos independentemente das especificidades de cada um.


Palavras-chave


Literatura. Práticas Curriculares. Multimodalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB). Orientações curriculares para o ensino médio. Brasília: MEC, SEB, 2008. V. 1: Linguagens, códigos e suas tecnologias.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996, v. 134, n. 248, seção I, p. 27833-27841.

BRASIL. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. UNESCO, Jomtiem/Tailândia, 1990.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Fundamental (SEF). Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos. Língua Portuguesa. Brasília: MEC, SEF, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Secretaria de Educação Especial - MEC/SEESP, 2001.

BRASIL. Ministério da educação/secretaria de educação básica. Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2006. (http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_ internet.pdf)

CANCLINI, N. G. Leitores, espectadores e internautas. São Paulo: Iluminuras, 2008.

CORREIA, L.M. Alunos com Necessidades Educativas Especiais nas classes regulares. Porto: Porto Editora, 1997.

COSSON, R. Letramento Literário. São Paulo: Contexto, 2006.

FILIPOUSKI, A. R. Formação de leitores de literatura juvenil na escola contemporânea: tarefa (im)possível?, São Paulo, v. 18, n.18, p. 160, 2012.

FREDERICO, Enid Yatsuda; OSAKABE, Haquira. PCNEM – literatura. Análise crítica. In: Brasil. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB).

GLAT, R.; NOGUEIRA, M. L. de L. Políticas educacionais e a formação de professores para a educação inclusiva no Brasil. In: Revista Integração. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial, ano 14, vol. 24, 2002.

GUIMARÃES, A. H. T.; RODRIGUES, S. D. A. O uso da literatura contemporânea para o ensino de leitura e literatura no ensino médio: uma proposta de acordo com os preceitos freirianos. In: Revista Colineares, ano 15, n. 2, vol. 2, 2015.

MARTINS, M. H. O que é leitura. 19.ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 2007.

MELCHIORI, L. E.; LEPRE, R. M.; MARTINS, M. F. A. O desenvolvimento humano e sua importância na aprendizagem. In:

CAPELLINI, V. L. F.; RODRIGUES, O. M. P. R. (Org). Fundamentos da educação inclusiva. Bauru-SP, UNESP/FC, 2009.

MENDES, E. G.; VILARONGA, C. A. R. Inclusão escolar e a formação do professor para o ensino colaborativo ou co-ensino no Brasil. In: SADAO, O; BRAGA, T. M. S.; CHACÓN, M. C. M.; MONTALVO, D. (Editores). Reflexiones internacionales sobre La formación de profesores para la atención a los alunos com necesidades educativas especiales. Universidad de Alcalá, Alcalá de Henares (Espanha, 2014).

PINHEIRO, Hélder. Teoria da literatura, crítica literária e ensino. In: _____; Nóbrega, Marta (Orgs). Literatura: da crítica à sala de aula. Campina Grande:Bagagem, 2006. p. 111-126.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SEE/SP. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Caderno do professor, (Língua Portuguesa). São Paulo: IMESP, 2014.

_______. Caderno do aluno, (Língua Portuguesa). São Paulo: IMESP, 2014.

THIOLLENT, M. (1986). Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez.

SILVA, M.; PEREIRA, M. M. Letramento Literário e Ensino de Literatura no Ensino Médio. Dialogia, São Paulo: n. 26, p. 37-52, maio/ago. 2017.

UNESCO. Declaração de Salamanca e Enquadramento da Ação na Área das Necessidades Especiais. In: Conferência Mundial sobre Educação para as Necessidades Especiais: Acesso e Qualidade, Salamanca. Disponível em: . Acesso: 9 jan. 2018.

WARSCHAUER, C. Rodas em rede: oportunidades formativas na escola e fora dela. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.3520

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.