Práticas experimentais aplicadas ao ensino de Química como ferramenta para a aprendizagem

Sandra Cadore Peixoto, Tiago Barboza Baldez Solner, Gabriel de Oliveira Soares, Leonardo Fantinel

Resumo


Considerando que os recursos didáticos podem ser facilitadores dos processos de ensino e aprendizagem, a proposta deste estudo é relatar uma experiência com a utilização de atividades experimentais na sala de aula de Química/Ciências. Para tal, inicialmente elaborou-se um material de apoio, intitulado “Aprendendo Química”, visando favorecer a execução das atividades experimentais conjugadas com as teóricas. Após, as atividades foram aplicadas em uma turma do Ensino Fundamental de uma Escola Pública do município de Paraíso do Sul - RS, constituída por dezessete alunos do 9º ano, buscando incentivar professores à diversidade de atividades na prática docente e despertar nos alunos o interesse em adquirir conhecimento. Após o desenvolvimento das atividades experimentais, solicitou-se aos alunos que preenchessem um questionário constituído por quatro questões objetivas, com o intuito de avaliar o contexto do aluno perante a Ciência. Frente a isso, a utilização das atividades experimentais descritas neste trabalho, contribuíram para os processos de ensino e aprendizagem relacionados à Ciências/Química, pois permitiu que os alunos se apropriassem dos conhecimentos de forma a poder transformar o seu aprendizado. Os resultados evidenciaram aspectos positivos para a aprendizagem dos alunos, instigando o protagonismo do estudante. Por fim, a experimentação teve um papel relevante na aprendizagem escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, A. M. P.; VAMUCCHI, A. I.; BARROS, M. A.; GONÇALVES, M. E. R.; DE REY, R. C. Ciências no ensino fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Scipione, 2010.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 22, jan-abr 2003. p. 89-100.

FEITOSA, R. A. LEITE, R. C. M.; FREITAS, A. L. P. Projeto Aprendiz: interação universidade-escola para realização de atividades experimentais no ensino médio. Ciênc. educ. (Bauru) [online], v.17, n.2, 2011. p.301-320.

FERREIRA, L. H., HARTWIG, D. R.; OLIVEIRA, R. C. Ensino experimental de Química: uma abordagem investigativa contextualizada. Química Nova na Escola, v. 32, n. 2, 2010. p. 101-106.

FONSECA, M. R. M. Completamente química: química geral. São Paulo: FTD, 2001.

GUIMARES, C. C.; Experimentação no Ensino de Química: Caminhos e descaminhos rumo à aprendizagem significativa. Química Nova na Escola, v. 31, n. 3, 2009. p. 198-202.

MALDANER, O. A.; ZANON, L. B. Fundamentos e Propostas de Ensino de Química para a Educação Básica no Brasil. Ijuí: UNIJUÍ, 2007.

SANTOS, W.L.P; SCHNETZLER, R.P. Educação em Química: compromisso com a cidadania. 4. ed. Ijuí: UNIJUÍ, 2010.

SAVIANI, O. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 7. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2006.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.3857

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.