Transformação curricular em uma escola de Educação Infantil no Piauí pelo viés da pesquisa e formação docente

Fabricia Pereira Teles

Resumo


Este artigo, de modo geral, apresenta recorte de uma pesquisa de doutorado que discute, centralmente, a reorganização do currículo de uma escola de Educação Infantil a partir da implementação de um projeto de intervenção organizado por Atividades Sociais. Tal reorganização foi possível mediante intenso processo de formação contínua na escola envolvendo pesquisadora, gestora e professoras. Especialmente, o texto propõe discutir a formação docente de professores de Educação Infantil numa perspectiva que foge dos moldes clássicos de formação e caminha na direção de uma nova perspectiva voltada para reflexão-crítica que articule teoria-prática. Para tanto é apresentado excertos reveladores do processo de transformação que o currículo da escola sofreu com as aprendizagens favorecidas no processo de formação. A discussão se assenta na pesquisa crítica de colaboração-PCCol e no projeto intervencionista-revolucionário de Vigotski. A materialidade da investigação foi produzida em encontros de formação em uma escola de Educação Infantil localizada na cidade de Parnaíba-PI. No caso, três excertos são apresentados e analisados com base na perspectiva argumentativa da linguagem que dá indícios reveladores da transformação da prática, via formação. O entrelaçamento da formação contínua e a intervenção de um projeto com base em Atividades Sociais na escola propiciou cenários para desenvolvimento de uma prática docente articulada com a teoria e consequentemente a transformação do currículo escolar.

Palavras-chave: Educação infantil. Formação contínua. Reorganização curricular


Palavras-chave


Educação Infantil; Formação Contínua; Reorganização Curricular

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Notas marginais sobre teoria e práxis. In: ______. Palavras e sinais: modelos críticos 2. ed. Petrópolis- RJ: Vozes, 1995. p.15-25.

ELKONIN, D. B. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ENGESTRÖM, Y. Teoria da Atividade Histórico-Cultural e suas contribuições à Educação, Saúde e comunicação: entrevista com Monica Lemos, Marcos Antonio Pereira-Queirol, Ildeberto Munis de Almeida. Interface: Comunicação Saúde e educação, v. 17, n. 46, p. 715-727, jul/set. 2013.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GIROUX, A. H. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

_____. A função e formação do professor/a no ensino para compreensão: diferentes perspectivas. IN: SACRISTÁN, Gimeno; PEREZ GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. São Paulo: Artmed, 1998. p. 353-379.

KISHIMOTO, T. M. Currículo de Educação Infantil: creches e pré-escolas. Significado do termo currículo, currículo de Educação Infantil: critérios de qualidade e instrumentos de implementação. Texto encomendado pela coordenação geral de Educação infantil do MEC, 1994 (mimeo).

KRAMER, S. Privação cultural e educação compensatória: uma análise crítica. Caderno de Pesquisa. São Paulo, n. 42, ago. 1982.Disponível em:

http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1550/1549. Acesso em: 01 nov. 2017.

_____. Propostas pedagógicas ou curriculares de Educação Infantil: para retomar o debate. Revista Pró-posições. v. 13, n. 2, mai/ago. 2002. Disponível em: http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/proposicoes/edicoes/texto373.html. Acesso em: 30 jan. 2017.

KUHLMANN JR. M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre-RS: Mediação, 2007.

LEITÃO, S.; LEITE. L. B-. Argumentação na linguagem infantil: algumas abordagens. In: DEL RÉ, A. (Org.). Aquisição da linguagem: uma abordagem psicolinguística. São Paulo: Contexto: 2010. p. 45-84.

LIBERALI, F.C. Atividade social nas aulas de Língua Estrangeira. São Paulo: Moderna, 2009.

______. Argumentação em contexto escolar. Campinas-SP: Pontes, 2013.

LIBERALI, F. C. et al. Projeto DIGIT-M-BRASIL: uma proposta de desencapsulação da aprendizagem escolar por meio dos multiletramentos. Revista Prolínguas. v. 10, n. 3, Nov/Dez 2015.

MAGALHÃES, M.C.C. Escolhas teórico-metodológicas em pesquisas com formação de professores: as relações colaborativos-críticas na constituição de educadores. In: MATEUS, E.; OLIVEIRA, N.B. (Org.). Estudos críticos de linguagem e formação de professores de línguas: contribuições teórico-metodológicas. Campinas, SP: Pontes, 2014. p. 17-47.

______. A linguagem na formação de professores como profissionais reflexivos e crítico. In:______. (Orgs). A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2004. p. 59-85.

MAGALHÃES. M.C.C. A pesquisa crítica de colaboração: construindo comunidades para aprendizagem e desenvolvimento, em projeto de formação de educadores. Projeto de pesquisa, 2015.

NEWMAN. F; HOLZMAN. L. Lev Vygotsky: cientista revolucionário. São Paulo: Loyola, 2014.

NININ, M. O. G. Da pergunta como ato monológico avaliativo à pergunta como espaço para expansão dialógica: uma investigação à luz da Linguística Aplicada sobre modos de perguntar. São Carlos-SP: Pedro & João, 2013.

______. Padrões de colaboração e argumentação: uma perspectiva crítica para a análise do desenvolvimento de educadores. In: LIBERALI, F.C. et all (Orgs.). Argumentação em contexto escolar: relatos de pesquisa. Campinas: Pontes Editores, 2016. p.175-204.

OLIVEIRA, Z. M. R. O trabalho do professor na Educação Infantil. 2. ed. São Paulo: Biruta, 2014.

PONTECORVO, C. Interação social e construção do conhecimento: confronto de paradigmas e perspectivas de pesquisa. In______. Discutindo se aprende: interação social, conhecimento e escola. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 45-61.

RAUPP, M. D. Concepções de formação das professoras de Educação Infantil na produção científica brasileira. In: VAZ, A. F; MONN, C. M. Educação Infantil e sociedade: questões contemporâneas. Nova Harmonia: São Paulo, 2012. p. 139-156.

RECH, H. L. Apontamentos sobre o conceito de práxis, indústria cultural, ideologia e educação em Theodor Adorno. Disponível em: http://www.educadernos.ufc.br/Art_06.pdf. Acesso em 13. jan. 2017.

SANCHES, E. C. Creche: realidade e ambigüidades. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente.7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.3888

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.