Análise de conteúdo: proposta curricular de Santa Catarina na perspectiva da educação em direitos humanos

Simone Schelbauer Moreira Paes, Sabrina Moreira Paes, Mirian Célia Castellain Guebert

Resumo


A Declaração Universal de Direitos Humanos (DUDH) é documento que preza pela igualdade, o respeito às diversidades, a paz entre as nações, democratização e relevância da educação para a sociedade. A Educação na temática dos Direitos Humanos é considerada relevante e necessária nas redes de ensino. A promulgação das Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos (DNEDH), por meio da Resolução nº 1, de 30 de maio de 2012 organiza os processos educativos. O estado de Santa Catarina incluiu a Educação em Direitos Humanos na Proposta Curricular de 2014, sem referenciar as Diretrizes Nacionais. A ausência de tal menção definiu o objetivo deste trabalho que seria analisar de que forma a Proposta Curricular de Santa Catarina (PCSC) de 2014 contempla a Educação em Direitos Humanos. A metodologia utilizada foi a análise de conteúdo de Bardin. Os resultados obtidos foram baseados nos doze artigos considerados da DNEDH, sendo que nove estão contemplados na PCSC, totalizando 75% da implementação do que prevê a resolução 01/12. Contudo, a proposta está orientada por outros documentos nacionais que visam incluir uma Educação em Direitos Humanos, além de assegurar o direito de todos à educação e atender a diversidade da clientela contemporânea.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BITTAR, Eduardo. Educação e Metodologia para Direitos Humanos. São Paulo, Quartier Latin, 2008.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. São Paulo: Edunesp, 1998.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: 2006.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 8/2012. Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Publicado no DOU, Seção 1, p. 33, 2012b.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos.Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007.

BRASIL. Resolução nº 1 de 30 de maio de 2012, Estabelece Diretrizes Nacionais Para a Educação em Direitos Humanos. Diário Oficial da União, Brasília, nº 105, seção 1, p.48, 2012a.

CANDAU, Vera Maria. Educação em Direitos Humanos: políticas curriculares. In: LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Políticas de currículo em múltiplos contextos. São Paulo, Cortez, 2006.

CARBONARI, Paulo César. Direitos Humanos: reflexões para uma agenda abusada. In: BITTAR, Eduardo C.B.; TOSI, Giuseppe. Democracia e educação em direitos humanos numa época de insegurança. João Pessoa: Editora da Universidade, 2008.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 4. ed., rev., e atual. São Paulo: Saraiva, 2005.

COMPARATO, Bruno Konder. Módulo 1 - Introdução e Fundamentos filosóficos e históricos dos Direitos Humanos e a construção dos marcos regulatórios. Especialização em Educação em Direitos Humanos. UNIFESP, São Paulo, 2015.

FORTES, Erasto. Apresentação. In: SILVA, Aida Maria Monteiro; TAVARES, Celma. Políticas e Fundamentos da Educação em Direitos Humanos. São Paulo: Cortez, 2010.

FREIRE, Paulo. Concepções orientadoras do processo de aprendizagem do ensino nos estágios pedagógicos. Actas do Seminário Modelos e Práticas de Formação Inicial de Professores. Lisboa, 2001.

GOMES, Nilma Lino. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília:

Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

JASPERS, Karl. Philosophie. 3. ed. Berlim, 1932. In: HERSCH, Jeanne. Karl Jaspers. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1978. p.61-67.

LEFORT, Claude. A invenção democrática: os limites da dominação totalitária. São Paulo: Brasiliense, 1981.

SANTA CATARINA. Governo do Estado. Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia. Proposta curricular de Santa Catarina: Estudos Temáticos. Florianópolis: IOESC, 2005.

SANTA CATARINA. Governo do Estado. Secretaria de Estado da Educação. Proposta curricular de Santa Catarina: formação integral na educação básica. Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado da Educação, 2014.

SANTOS, Boaventura de Souza. A construção intercultural da igualdade e da diferença. In: SANTOS, B.S. A gramática do tempo. São Paulo: Cortez, 2006. p. 279-316.

SILVA, Aida Maria Monteiro. Direitos Humanos na Educação Básica: qual o significado? In: SILVA, Aida Maria Monteiro; TAVARES, Celma. Políticas e Fundamentos da Educação em Direitos Humanos. São Paulo: Cortez, 2010.

TOSI, Giuseppe. O que são esses “tais de direitos humanos”? In: FERREIRA, Lúcia de Fátima Guerra; ZENAIDE, Maria de Nazaré Tavares; PEQUENO, Marconi. Direitos Humanos na Educação Superior - Subsídios para a Educação em Direitos Humanos na Filosofia. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2010.

TAVARES, Celma; FILHO, Ivan Moraes. O direito Humano à Comunicação como base para uma educação cidadã. In: SILVA, Aida Maria Monteiro; TAVARES, Celma. Políticas e Fundamentos da Educação em Direitos Humanos. São Paulo: Cortez, 2010.

UN - UNITED NATIONS. Universal Declaration of Human Rights. Paris, 1948.

UNESCO. Evolução dos Direitos Humanos no Brasil. 2017. Disponível em: Acesso em 26 jan. 2017.

VIOLA, Solon Eduardo Annes. Políticas de Educação em Direitos Humanos. In: SILVA, Aida Maria Monteiro; TAVARES, Celma. Políticas e Fundamentos da Educação em Direitos Humanos. São Paulo: Cortez, 2010.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.3956

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.