Trabalhos de conclusão de curso e a orientação híbrida na UEMA, Nina Rodrigues (MA): desafios e perspectivas discentes

Maurício José Morais Costa, João Batista Bottentuit Júnior

Resumo


Investigação objetiva descrever as percepções dos alunos acerca do processo de orientação híbrida de Trabalhos de Conclusão de Curso da Especialização em Educação Especial e Inclusiva da UEMA, Polo Nina Rodrigues, bem como destacar as dificuldades e os desafios dos discentes nesse processo. Consiste em um estudo exploratório e descritivo, de abordagem quantitativa e qualitativa, que utilizou a pesquisa bibliográfica e documental como instrumentos de fundamentação teórica, e questionários mistos no Google Forms, como instrumento de coleta de dados junto aos discentes da Especialização em Educação Especial e Educação Inclusiva do Polo de Nina Rodrigues, Maranhão (Brasil). Contextualiza teórica e historicamente a EaD, bem como seu desenvolvimento e consolidação no Brasil. Caracteriza o curso de Especialização em Educação Especial/Educação Inclusiva da UEMA/UAB. Aborda os AVAs, bem como detalha metodologia deste estudo. Descreve como o AVA apoia o desenvolvimento do TCC, a partir das percepções dos alunos acerca do processo de orientação à distância. Pontua que o processo de orientação com auxílio do AVA sagra-se como uma proposta híbrida de elaboração de TCC, onde o processo de orientação é ampliado mediante o uso de mais de um canal para fornecimento de diretrizes e informações, que não apenas o presencial.

Palavras-chave


Trabalhos de Conclusão de Curso. Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Orientação híbrida de Trabalhos de Conclusão de Curso. Universidade Estadual do Maranhão.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo. RBAAD, v. 10, p. 83-92, 2011.

ARETIO, L. G. Educación a Distancia hoy. Madri: Universidad Nacional de Educación a Distancia, 1994.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BELLONI, M. L. Educação a distância. 7. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2015.

BERNAL, C. A. Metodología de la investigación. 3. ed. Colombia: Perason Educación, 2010.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 1996.

BRASIL. Decreto Nº 5.800, de 8 de junho de 2006. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil - UAB. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2006.

COLPANI, R. Educação a Distância: identifcação dos fatores que contribuíram para a evasão dos alunos no curso de Gestão Empresarial da Faculdade de Tecnologia de Mococa. EAD em Foco, v. 8, n. 1, p. 1-13, 2018.

DIAS, A. J. V. L.; COELHO, A. L.; BRASILEIRO, T. S. A. O Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) e os desafios da gestão a distância. RECH- Revista Ensino de Ciências e Humanidades – Cidadania, Diversidade e Bem Estar, v. 2, n. 1, p. 134-149, 2018.

DILLENBOURG, P. Virtual Learning Environment. [S.l.]: TECFA, 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2020.

DOHMEM, G. Das Fernstudium, Ein neues pädagogisches Forschungs- und Arbeitsfeld. DIFF, 1967.

FILATRO, A.; PICONEZ, S. Evolução dos sistemas para educação a distância. In: MACIEL, C. Educação a Distância: Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Cuiabá: EdUFMT, 2013. p. 59-91.

GIOLO, J. Educação a Distância no Brasil: a expansão vertiginosa. RBPAE, v. 34, n. 1, p. 73-97, 2018.

HERMIDA, J. F. A Educação à Distância: história, concepções e perspectivas. Revista HISTEDBR On-line, p. 166-181, 2006.

KENSKI, V. M. O desafio da Educação a Distância no Brasil. Revista Educafoco, v. 2, p. 1-13, 2010.

MAIA, C.; MATTAR, J. ABC da EaD. São Paulo: Pearson Prentice, 2007.

MARTÍNEZ, P. P.; ZUMETA, A. C. Los LMS como herramienta colaborativa en educación: un análisis comparativo de las grandes plataformas mundial. [S.l.]: Latinacs, 2013.

MEHLECKE, Q. T. C.; TAROUCO, L. M. R. Ambientes de Suporte Para Educação a Distância: a mediação para aprendizagem cooperativa. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

MORAN, J. M. O que é educação à distância. São Paulo: ECA, USP, 2002.

MORAN, J. M. Desafios da educação a distância no Brasil. In: VALENTE, J. A.; MORAN, J. M.; ARANTES, V. A. Educação a Distância: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2011. p. 45-88.

OLIVEIRA, A. T. E. de. et al. Ferramentas e estratégias de interação e comunicação na prática da tutoria em EaD. Evidência, v. 13, n. 13, p. 71-85, 2017.

OLIVEIRA, M. S. A. A história da educação a distância e contexto atual. In: COELHO, F. J. F.; VELLOSO A. Educação a Distância: história, personagens e contextos. Curitiba: CRV, 2014. p. 15-35.

OUADOUD, M.; CHKOURI, M. Y.; NEJJARI, A. Learning Management System and the Underlying Learning Theories: Towards a new Modeling of an LMS. International Journal of Information Science & Technology - iJIST, v. 2, n. 1, p. 25-33, 2018.

PAIVA, V. M. de O. Ambientes virtuais de aprendizagem: implicações epistemológicas. Educ. rev., v. 26, n. 3, 2010.

PELLI, D.; VIEIRA, Flávio César Freitas. História da educação na modalidade à distância. São Carlos, SP: UFSCar, 2018.

POSSOLLI, G. E. Políticas de Educação Superior a distância e os pressupostos para formação de professores. 2012. Tese (Doutoramento em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

POSSOLLI, G. E. et al. Ambiente Virtual de Aprendizagem como ferramenta de apoio ao ensino presencial: relato de experiência no trabalho de conclusão de curso. Curitiba, PR: EDUCERE, 2015.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RIBEIRO, E. N.; MENDONÇA, G. A. A.; MENDONÇA, A. F. A importância dos ambientes virtuais de aprendizagem na busca de novos domínios da EAD. [S.l.]: ABED, 2007.

ROSA, M. F. L. Especialização em Educação Especial/Educação Inclusiva. São Luís: UEMANet, 2017.

SILVA, E. C. da. Indicadores de gestão para sistemas de educação a distância: estudo centrado no Instituto Federal do Rio Grande do Norte. Tese (Doutoramento em Tecnologia Educativa - Universidade do Minho, Braga, 2017.

SILVA, R. A. et al. Acessibilidade de AVAs para usuários PNEE: uma visão introdutória. Revista ACB, v. 16, n. 1, p. 217-233, 2011.

SILVA, K. V.; PEIXOTO, J.; PACHECO, A. S. V. Qualidade e Educação a Distância: a Percepção dos Diplomados do Curso de Administração da Universidade Federal de Santa Catarina. EaD em Foco, v. 7, n. 3, p. 52-65, 2017.

SZESZ JÚNIOR, A. et al. Acessibilidade em ambiente virtual de aprendizagem. R. bras. Ens. Ci. Tecnol., v. 9, n. 1, p. 1-24, 2016.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO. Edital Nº 02/2019 - PPG/UEMA: seleção simplificada para acesso ao curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Especial/Inclusiva, na modalidade a distância no âmbito do Sistema Universidade Aberta do Brasil - UAB em parceria com a Universidade Estadual do Maranhão. São Luís: UEMA, 2019. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2020.

VALENTE, J. A. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a graduação em midialogia In: BACICH, L.; MORAN, J. M. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 26-44.

VILLELA, A. P. O papel do tutor na Educação a Distância. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre, MG, 2018.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v13i2.4771

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.