Direito e interdisciplinaridade: as mudanças necessárias na prática educativa na sociedade de risco

Alboni Marisa Dudeque Pianovski Vieira, Amanda Ferraz da Silveira

Resumo


O advento da sociedade industrial e a expansão do modo de produção capitalista, baseados na apropriação da natureza e do trabalho, acabaram por encaminhar a humanidade para a sociedade de risco. Diante do contexto histórico de surgimento do modo de produção capitalista e da consolidação dos Estados nacionais, o Estado revela-se um agente essencial para a continuidade do desenvolvimento do sistema capitalista. Como base da estrutura de organização e funcionamento do Estado, o direito também está incluído no conjunto de elementos mantenedores da construção do risco. No entanto, diante deste cenário irrefutável, como a prática educativa da ciência do direito tem se comportado e reproduzido diante da crise socioambiental? O objetivo deste trabalho é analisar a necessidade de uma prática educativa interdisciplinar do Direito Socioambiental em face da sociedade de risco e da crise ecológica. Como metodologia, faz-se uso da combinação dos métodos de abordagem dialético e indutivo, dos métodos de procedimento monográfico e comparativo, e das técnicas de pesquisa bibliográfica e documental. Conclui-se que as modificações necessárias no Direito perpassam, necessariamente, pelo diálogo com outras disciplinas e devem abarcar também a prática educativa no seu ensino.


Palavras-chave


Sociedade de Risco. Prática educativa. Interdisciplinar.

Texto completo:

PDF

Referências


BECK, U. A sociedade do risco: em busca de uma nova modernidade. São Paulo: Editora 34, 2010.

BECK, U. La sociedad del riesgo global. España: Siglo Veintiuno, 2002.

BRASIL. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 02 set. 1981. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm. Acesso em: 18 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n. 5, de 17 de dezembro de 2018. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Direito e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 18 dez. 2018. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=104111-rces005-18&category_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192 . Acesso em: 15 jan. 2020.

CALEIRO, M. M.; SOUZA FILHO, C. F. M. Os Guarani e o direito ao centro da terra. 2018. 257f. Tese (Doutorado em Direito Econômico e Socioambiental) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2018.

CALEIRO, M.; WANDSCHEER, C. B. Sistemas jurídicos originários: entre o plural e o diverso. In: MARÉS, C. F.; TARREGA, M. C. V. B.; SANTAMARIA, R. A.; CALEIRO, M. (org.). Estados e povos na América Latina plural. 1. ed. Goiânia: Editora da PUC Goiás, 2016. p. 151-177.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Tradução: Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 2006.

CAPRA, F. As conexões ocultas. São Paulo: Cultrix, 2006.

CESARIO, R. R. et al. Espiral construtivista na pós-graduação: um relato de caso. PBL for the next generation - Blending active learning, technology and social justice. Santa Clara, Califórnia, USA, fevereiro de 2018. Disponível em: http://pbl2018.panpbl.org/wp-content/uploads/2018/02/Espiral-Construtivista-na-Pós-graduação.pdf. Acesso em: 8 out. 2019.

CORNETTA, A. A financeirização do clima: uma abordagem geográfica do mercado de carbono e suas escalas de operação. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2012.

DIEGUES, A. C. et al. (org.). Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. São Paulo: NUPAUB/USP, PROBIO/MMA e CNPq, 1999/2000. p. 31-32.

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec, 2001.

DWORKIN, R. M. O império do direito. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

FERREIRA, H. S. A dimensão ambiental da teoria da sociedade de risco. In: FERREIRA, H. S.; FREITAS, C. O. A. (org.). Direito socioambiental e sustentabilidade: Estados, Sociedade e Meio Ambiente. Curitiba: Letra da Lei, 2016. p. 108-158.

FOSTER, J. B. O conceito de natureza em Marx: materialismo e natureza. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2002. E-book. http://www.apeoesp.org.br/sistema/ck/files/4- %20Freire_P_%20Pedagogia%20da%20autonomia.pdf. Acesso em: 20 out. 2019

HART, H. L. A. O conceito de direito. 6. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

KELSEN, H. Teoria pura do direito. 8. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 3. ed. rev. e aum. Petrópolis: Vozes, 2004.

LIMA, V. V. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface, Botucatu, v. 21, n. 61, p. 421-434, junho 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832017000200421&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 out. 2019.

LÖWY, M. Ecologia e socialismo. São Paulo: Cortez, 2005.

LYRA FILHO, R. O que é direito? São Paulo: Brasiliense, 2012.

MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. 23. ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2015.

MANDEL, E. O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural, 1982. p. 333-334.

MESZÁROS, I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

PAIVA, M. R. F.; PARENTE, J. R. F.; BRANDÃO, I. R.; QUEIROZ, A. H. B. Metodologias ativas de ensino aprendizagem: revisão integrativa. SANARE, Sobral, v. 15, n. 2, p. 145-153, jun./dez.2016. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1049/595. Acesso em: 8 out. 2019.

PERALTA, C. E. Reforma fiscal verde e desenvolvimento sustentável: tributação ambiental no Brasil. Perspectivas. In: CARLI, A. A.; COSTA, L. A.; RIBEIRO, R. L. (org.). Tributação e sustentabilidade ambiental. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

SILVA, D. A. Tributos verdes: proteção ambiental ou uma nova roupagem para antigas finalidades? Disponível em: http://www.cidp.pt/publicacoes/revistas/ridb/2012/08/2012_08_4993_5023.pdf. Acesso em: 18 out. 2019.

SILVEIRA, A. F. Impactos socioambientais em Açailândia, Maranhão: a atuação do estado para viabilizar projetos de desenvolvimento na Amazônia. 2019. [238] p. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2019. Disponível em: http://www.biblioteca.pucpr.br/pergamum/biblioteca/img.php?arquivo=/00007c/00007c1f.pdf. Acesso em: 11 set. 2019.

SOUZA FILHO, C. F. M. A função social da terra. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2003.

SOUZA FILHO, C. F. M. Palestra no XIV Congresso Brasileiro do Magistério Superior de Direito Ambiental, Vitória, 2016. Disponível em: http://videos.ufes.br/video/0_1lhgk4nl. Acesso em: 17 out. 2019.

SOUZA FILHO, C. F. M. de. A essência socioambiental do constitucionalismo latino-americano. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, v. 41, n. 1, p. 197-215, jan./jun. 2017.

TIBLE, J. Marx selvagem. São Paulo: Annablume, 2013.

TUPIASSU, L. V. C. Tributação ambiental: a utilização de instrumentos econômicos e fiscais na implementação ao meio ambiente saudável. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

WALZER, M. Da tolerância. Tradução de Almiro Pisetta. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

WOOD, E. M. As origens agrárias do capitalismo. Revista Crítica Marxista, São Paulo, n. 10, 2000. 12-30. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/artigo6612_merged.pdf. Acesso em: 25 out. 2019.

WOOD, E. M. O império do capital. São Paulo: Boitempo, 2014.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v13i2.4776

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.