O dialogismo: sequencialidade, posicionamento, pluralidade e historicidade na análise da prática educativa

Janaína Aguiar Mendes Galvão

Resumo


Partindo das ideias seminais de Bakhtin e Volochinov, neste artigo descrevemos a construção de uma postura dialógica para pesquisar práticas educativas, como também a possibilidade de criar um modelo pedagógico que privilegie quatro aspectos chave que fazem parte do dialogismo: sequencialidade, posicionamento, pluralidade e historicidade. Sequencialidade: o significado é produto da negociação sequencial do que projeta cada turno de fala em interação. Posicionamento: toda participação social constrói uma posição própria e em relação com a dos demais participantes de uma conversa. Pluralidade: o diálogo envolve reconhecer outras lógicas, outras vozes. Historicidade: o currículo escolar invoca uma história de desenvolvimento de uma conversa disciplinar. Para cada caso, explicamos, com exemplos, a maneira pela qual os conceitos descritos são utilizados para pesquisa e análise das práticas educativas. Finalmente, argumentamos que é necessário considerar estes quatro aspectos na construção de qualquer modelo pedagógico que invoque o dialogismo como fundamento epistemológico de sua proposta.

 


Palavras-chave


Dialogismo. Interação. Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. 4 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução M. E. G. G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV, V. N.). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: HUCITEC, 1999.

BERNSTEIN, B. Vertical and horizontal discourse: an essay. British Journal of Education, v. 20, n. 2, p. 157-173, 1999.

CARLINO, P. Escribir, leer y aprender en la universidad: una introducción a la alfabetización académica. México: Fondo de Cultura Económica, 2005.

CARLINO, P. Alfabetización académica: un cambio necesario, algunas alternativas posibles. Educere, 6(20), 409–420, 2003.

COLLINS, A. & HALVERSON, R. Rethinking education in the age of technology: The digital revolution and the schools. Nueva York: Teachers College Press, 2006.

DAVIES, B. & HARRÉ, R. Positioning: The discursive production of selves. Journal for the Theory of Social Behaviour, 20(1), 43–63, 1990.

DI PIETRO, S. El concepto de socialización y la antinomia individuo/sociedad en Durkheim. Revista Argentina de Sociología, (003), 95–117, 2004.

DOISE, W. & MUGNY, G. The social development of the intellect. Oxford: Pergamon Press, 1984.

DURANTI, A. & GOODWIN, C. Rethinking context: Language as an interactive phenomenon. Cambridge University Press, 1992.

ENGESTRÖM, Y. Learning, working, and imagining. Jyvaskylassa: Orienta-Konsultit, 1990.

ENGESTRÖM, Y., MIETTINEN, R. & PUNAMAKI, R. Perspectives on activity theory. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

FERNÁNDEZ-CÁRDENAS, J. El habla en interacción y la calidad educativa. Los retos de la construcción de conocimiento disciplinar en ambientes mediados por tecnología digital. Revista Mexicana de Investigación Educativa, 18(56), 223–248, 2013.

FERNÁNDEZ-CÁRDENAS, J. The situated aspect of creativity in communicative events: How do children design web pages together? Thinking Skills and Creativity, 3(3), 203–216, 2008.

FERNÁNDEZ-CÁRDENAS, J. y PIÑA-GÓMEZ, L. El oficio del escritor académico: un portal para promover el uso de la lengua escrita como práctica social. Revista Mexicana de Investigación Educativa, 19(60), 187–212, 2014.

FERNÁNDEZ-CÁRDENAS, J. y SILVEYRA-DE LA GARZA, M. Disciplinary knowledge and gesturing in communicative events: a comparative study between lessons using interactive whiteboards and traditional whiteboards in Mexican schools. Technology, Pedagogy and Education, 19(2), 173–193, 2010.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v13i2.4906

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.