O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO DOCENTE: PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES E PROFESSORES DE UMA LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO COM HABILITAÇÃO EM ARTES E MÚSICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v14i1.5342

Palavras-chave:

Estágio Curricular Supervisionado. Artes. Formação Docente. Educação do Campo

Resumo

A pesquisa aborda o estágio curricular supervisionado como componente do processo de formação docente em uma Licenciatura em Educação do Campo de uma universidade brasileira. Este estudo é de abordagem qualitativa, de natureza exploratória e se caracteriza como um estudo de caso. Tem como objetivo principal compreender a importância do Estágio Curricular Supervisionado na formação docente para o meio rural. O estágio proporciona experiências interessantes entre estagiários e docentes, fazendo com que eles possam pensar em metodologias inovadoras para o ensino de arte, principalmente em escolas do campo. Além disso, o estágio é um espaço de formação que deve contribuir de maneira significativa para uma atuação mais crítica, formativa e emancipadora do professor. Dessa forma, o estágio revela-se como aspecto importante na/para a formação do futuro educador e educadora do campo. O estudo pode contribuir para ampliar o debate acerca das diversas dimensões do estágio voltado para o exercício docente no meio rural em diferentes contextos, uma vez que o curso analisado é a primeira licenciatura a formar professores habilitados para trabalhar artes nas escolas de Educação Básica localizadas em comunidades rurais no Brasil.

Biografia do Autor

Claudimara Rodrigues Gomes, Universidade Federal do Tocantins - UFT.

Graduada em Educação do Campo com habilitação em Artes e Música pela Universidade Federal do Tocantins. Pesquisadora da UFT.

Gustavo Cunha de Araujo, Universidade Federal do Tocantins - UFT.

Doutor em Educação pela UNESP. Mestre em Educação pela UFMT. Graduado em Artes Visuais pela UFU. Professor da Universidade Federal do Tocantins. Docente vinculado ao Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação (PPPGE/UFT) e ao Programa de Pós-Graduação Profissional em Artes (IARTES/UFU).

Juliane Gomes de Sousa, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Mestra em Educação pela UFT. Graduada em Pedagogia pela UFT. Professora da Universidade Federal do Tocantins.

Referências

ARAÚJO, G. C.; OLIVEIRA, S. B.; ALMEIDA, L. S. A formação do professor de Arte em Tocantins: velhos desafios e problemas na educação brasileira. Laplage em Revista, São Carlos, v. 5, n. 2, p. 176-189, 2019. https://doi.org/10.24115/S2446-6220201952638p.176-189

BARBOSA, A. M. Arte-educação no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BRASIL. Lei n. 13.415 de 16 de fevereiro de 2017. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Lei n. 13.278 de 2 de maio de 2016. Brasília: MEC, 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília: DF, 1996.

BRITO, R. S.; PRADO, J. R.; NUNES, C. P. Políticas de formação docente no Brasil a partir de 1990. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v. 28, n. 1, p. 02-19, 2019. https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2019v28n1.43571

CALADO, S. S.; FERREIRA, S. C. R. Análise de documentos: método de recolha e análise de dados. 2019. Disponível em: <http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/ichagas/mi1/analisedocumentos.pdf>. Acesso em 31 de agosto de 2019.

CALDART, R. S. Sobre Educação do Campo. In: Santos, C. A. (Org.). Por uma Educação do Campo: Campo – Políticas Públicas e Educação. Brasília: Incra; MDA, 2008, p. 67-86.

CALDART, R. S. Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 35-64, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462009000100003

COSTA, M. L.; CABRAL, C. L. Da Educação Rural à Educação do Campo: uma luta de superação epistemológica/paradigmática. Revista Brasileira de Educação do Campo, Tocantinópolis, v. 1, n. 2, p. 177-203, 2016. http://dx.doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2016v1n2p177

ERICKSON, F. Qualitative methods in research on teaching. Michigan: The Institute for Research on Teaching, 1985.

FERNANDES, A. G. et al. A pedagogia e as práticas educativas na Educação do Campo. In: MACHADO, C. L. B.; CAMPOS, C. S. S.; PALUDO, C. (Orgs.). Teoria e prática da Educação do Campo: análises de experiências. Brasília: MDA, 2008, p. 26-45.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UECE, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GUSMÃO, J. B. Meanings of quality of education notion in the Brazilian educational field. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 94, n. 236, p. 100-124, 2013. https://dx.doi.org/10.1590/S2176-66812013000100006

PORTAL GLOBO. Protestos e paralisações contra cortes na educação ocorrem em todos os estados e no DF. 2019. Disponível em: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/2019/05/15/cidades-brasileiras-tem-atos-contra-bloqueios-na-educacao.ghtml>. Acesso em 23 de dezembro 2020.

IAVELBERG, R. O ensino de arte na educação brasileira. Revista USP, São Paulo, n. 100, p. 47-56, 2014. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i100p47-56

MEDEIROS, R. Movimentos sociais do campo e práxis política: trajetória de luta por uma educação do campo no Tocantins. In: SILVA, C. (Org.). Educação do Campo, Artes e Formação Docente. Palmas: EDUFT, 2016, p. 25-52.

MIRANDA, C. F.; COVER, M. Universalização de saberes: abordagens interdisciplinares na Licenciatura em Educação do Campo. Revista Congreso Universidad, Havana, p. 33-48, 2016.

MOLINA, M. C. Contribuições das Licenciaturas em Educação do Campo para as Políticas de Formação de Educadores. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 140, p. 587-609, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/es0101-73302017181170

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

PPC. Projeto Pedagógico do Curso de Educação do Campo Habilitação em Artes e Música. Tocantinópolis: Departamento de Educação do Campo, 2019.

PPC. Projeto Pedagógico do Curso de Educação do Campo Habilitação em Artes e Música. Tocantinópolis: Departamento de Educação do Campo, 2016.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. (Orgs.). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Universidade Feevale, 2013.

RIBEIRO, M. Pedagogia da alternância na educação rural/do campo: projetos em disputa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 1, p. 27-45, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022008000100003

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Tradução de Daniel Grassi. São Paulo: Bookman, 2003.

Downloads

Publicado

2021-05-31