Grafite: a consciência através das palavras

Bruna Gabriela Corrêa Vicente

Resumo


O presente artigo busca desvelar sentidos, bem como questionar representações constituídas em torno da arte urbana a fim de defender alternativas comprometidas com a humanização das classes subalternizadas. Fundamentou-se teórico-metodologicamente na Análise de Discurso Crítica (Fairclough, 2001). O corpus analítico se compôs de uma matéria de capa da Revista do Correio, ano 12, número 613, parte adjacente do jornal Correio Brasiliense do dia 12 de Fevereiro de 2017. A análise feita nos remete a uma compreensão político-ideológica, que revela conflitos da luta do grafite na busca por lugar nas artes e na sociedade.

 

Palavras chave: Discurso; Grafite; Cultura.


Palavras-chave


Discurso; Grafite; Cultura.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Semiologia e urbanismo. In: A aventura semiológica. São Paulo: Martins Fontes, 2001. p. 224..

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4 ed. São Paulo: EdUSP, 2003. Figura 7: http://www.correiobraziliense.com.br/revista-do-correio/ Acesso em: 13 de agosto de 2017.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Trad. Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CIAMPA, A, C. Identidade. In:________. Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1992, 2001.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 5 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

GANZ, Nicholas. O mundo do grafite: arte urbana dos cinco continentes. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GARI, J. La conversación mural: ensayo para una lectura del graffiti. Madri, Fundesco. 1995

GITAHY, Celso [et al] Grafiti na cidade de São Paulo e sua vertente no Brasil: estéticas e estilos. São Paulo: LABI-USP, 1999.

GRUPPI, L. 1978. O conceito de hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Graal. LACLAU, E. 1993. Discourse. In: GODDIN, R.; PETTIT, P. (orgs.). The blackwell companion to political philosophy. Oxford: Blackwell.

HALLIDAY, M. A. M. Explorations in the Functions of Language. London: Edward Arnold, 1973.

HALLIDAY, M; HASAN, R. Cohesion in English. New York: Longman. 1976

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11a. ed. Rio de Janeiro: DP & A. 2006

HERNÁNDEZ, F. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 2000.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos Meios às Mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2. Ed. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2001.

MELENDI, Maria Angélica. Imagens e Palavras. In ALMEIDA, Maria Inês de (org). Para que serve a escrita? São Paulo: EDUC, 2003.

MORAES, D. Crítica da mídia e hegemonia cultural. Rio de Janeiro: Mauad e Faperj. 2016.

ORLANDI, E. Cidade dos Sentidos. Campinas: Pontes. 2004.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. 2. Ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

SANTAELLA, L. Culturas e artes do pós-humano. São Paulo: Editora Paulus. 2003. Fichamento online. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:LWamo4vXbwwJ:culturadigital.br/artedocibridismo/fichamentos/culturas-e-artes-do-pos-humano/&hl=pt-BR&gl=br&strip=1&vwsrc=0. Acesso em julho de 2019.

SILVA, A. Punto de vista ciudadano; focalización visual y puesta en escena del graffiti. Bogotá: Publicaciones Del Instituto Caro Y Cuervo, 1987.

THOMPSON, John. B. Ideologia e cultura moderna: Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 6 ed., Petrópolis: Vozes, 2002.

VENEROSO, M; MELENDI, M (org). Diálogos entre linguagens: artes plásticas, cinema, artes cênicas. Belo Horizonte: Editora C/Arte, 2009

Vigotski, L. S.. La imaginación y el arte en la infancia. Madrid: Akal, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 1983-3873