ORFANDADE FEMININA, PODER E SEXUALIDADE: FIGURAÇÕES DA MEMÓRIA FEMININA EM DESMUNDO (1996), DE ANA MIRANDA

Juliana Cristina Minaré Pereira, Fani Miranda Tabak

Resumo


O presente texto analisa a obra literária Desmundo (1996), de Ana Miranda, a partir da perspectiva da teoria do romance histórico proposto por Lukács (2001) e como esse tipo de narrativa se constitui através da autoria feminina. Será analisado como a narradora-personagem conta a história da condição feminina no período da colonização brasileira, revelando questões sobre a orfandade, abuso de poder e sexualidade. Analisar-se-á como o universo romanesco é construído através da memória de uma órfã enviada ao Brasil para casar-se e colaborar para a constituição de uma sociedade branca e cristã.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18554/rs.v7i1.2296

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN: 1983-3873