O CHAMADO DAS PEDRAS: O CAMINHO DE VIDA, MEMÓRIA E POESIA EM CORA CORALINA

Maykol Vespucci

Resumo


Criadora de uma poética que se constrói, inicialmente, a partir do tempo passado, Cora Coralina recria a existência humana em versos. A partir de sua ideia de poetização do mundo, este trabalho busca entender o lugar da vida, memória e poesia na reimaginação de um universo. Segundo Benjamin (1987), a memória altera a realidade continuamente. Algo próximo da ideia de Bachelard (1978) sobre o pensamento poético. Cora Coralina, que constantemente se volta para o próprio passado em seus três livros de poemas publicados, não pode ser vista unicamente como uma transcritora dos acontecimentos ocorridos. Ela é, antes de tudo, a criadora de um universo que se apoia numa ideia de mundo em que tudo o que existe está ligado por um eterno ciclo de finalizações e recomeços. A poesia surge como unificadora desse universo, em que a matéria interior da escritora e o mundo exterior se alteram mutualmente em um processo contínuo. Nesse caminho, Cora Coralina reivindica para a poesia o lugar de entrecruzamento de tempos em que ela pode reencontrar a si mesma em ligação com o outro humano e o universo. O pensamento se liga aos espaços exteriores, explorando no mundo a presença do tempo e da vida. Palavras-chave: Cora Coralina; Poesia; Memória.


Palavras-chave


Cora Coralina; Poesia; Memória

Texto completo:

PDF

Referências


CORALINA, Cora. Poemas dos becos de Goiás e estórias mais. 18. ed. São Paulo: Círculo do Livro, 1989.

____. Vintém de cobre: meias confissões de Aninha. Goiânia: Editora da Universidade Federal de Goiás, 1983.

____. Meu livro de cordel. Goiânia: P. D. Araújo, 1976.

ARENDT, Marlize; FERNANDES, Mônica Luiza Socio Fernandes. “Lembranças de Aninha no universo poético de Cora Coralina”. In: Revista Trama, Cascavel: Universidade Estadual do Oeste do Paraná, v. 9, número 17, p. 133-151, 2013.

ANDRADE, Mário de. Pauliceia desvairada. Belo Horizonte: Editora Itatiaia Limitada, 1987.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Abril Cultural, 1978. [Filosofia do não; O novo espírito científico; A poética do espaço].

____________________. A água e os sonhos : ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história na cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. v. 1. [Obras escolhidas].

JOUVE, Vincent. “A leitura como retorno a si: sobre o interesse pedagógico das leituras subjetivas”. In: ROUXEL, Annie; LANGLADE, Gérard; REZENDE, Neide Luzia de. (Org.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2013. p. 53-65.PAZ, Octavio. Signos em rotação. São Paulo, Perspectiva: 1976.

VALÉRY, Paul. Variedades. São Paulo, Iluminuras: 1991.




DOI: https://doi.org/10.18554/rs.v7i2.2337

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN: 1983-3873